O teatro

 

Estreitam-se da nossa Pátria as cercanias,

ruge a fome com a fuga das divisas, ri a peste.

A Nação, outrora honesta, se rende à tirania

de quem ouro recolhe e de poder se veste.

 

Queixoso é o povo dessa Lei que o oprime;

a sangria corre solta em cada Estado;

quem matou se desculpa e se redime:

a Mão do Poder é branca e sem pecado.

 

Olhem bem, vejam só os descarados.

NEROS se protegem na armadura

dos votos que lhes demos. Fazem festa!

 

Só nos cabem os ossos rejeitados.

O País é um teatro e A Ditadura

é a peça a que assistimos. Nada resta.

Remisson Aniceto – https://www.facebook.com/remisson

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Xadrez do pacto nacional e do papel de Lula, por Luis Nassif

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome