OAB-SP vê impedimento em atuação de Moro em consultoria

Ex-juiz é informado de incompatibilidade e pode sofrer medida judicial; ex-ministro trabalhava para consultoria que atende empresas alvo da Lava Jato

Foto: Lula Marques / AGPT

Jornal GGN – O Tribunal de Ética e Disciplina da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil notificou o ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro sobre conflitos éticos em torno da atividade da advocacia aos clientes da consultoria Alvarez & Marsal, da qual Moro se tornou sócio-diretor.

“Notificamos Vossa Senhoria [Moro] para que não pratique atividade privativa de advocacia aos clientes da empresa Alvarez & Marsal, sob pena de adoção de medidas administrativas e judiciais pertinente”, diz o comunicado assinado pelo presidente do tribunal, Carlos Kauffmann, divulgado pelo site Consultor Jurídico (Conjur).

A notificação a Moro ressalta que as empresas de consultoria são proibidas de “prestar serviços jurídicos a seus clientes, incluindo assessoria e consultoria jurídica, nem mesmo por advogados internos, independentemente do cargo ou função exercidos”.

Moro anunciou no último domingo (29/11) que foi contratado pela empresa norte-americana Alvarez & Marsal como sócio-diretor. A consultoria não só atende a administração judicial da Odebrecht, uma das mais afetadas pelas decisões tomadas pelo ex-juiz-presidente da Operação Lava Jato (como Moro é citado no site da consultoria), como faz assessoria financeira na recuperação da Sete Brasil, e foi contratada pela Queiroz Galvão para reestruturação do grupo.

 

 

Leia Também
Consultoria que contratou Moro fez prova de que Lula nunca foi dono do triplex
Moro, o desavergonhado, por Marcelo Uchôa
Suspeita de corrupção: PGR recebe pedido para investigar novo emprego de Moro
“Com o dinheiro que ganhará, Moro deve abrir mão dos interesses políticos”
“Moro decidiu receber sua parte no golpe em dinheiro”, diz Haddad

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Como frear o assédio judicial ao jornalismo independente?, por Leda Beck

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome