Os efeitos do racismo estrutural sobre o salário do trabalhador

Estudo mostra que diferença de rendimento entre brancos e negros ultrapassa os 10%; discriminação está na raiz da questão

Foto: Reprodução/UFSM

Jornal GGN – O racismo estrutural está entre os fatores fundamentais que explicam a diferença salarial entre brancos e negros, sejam eles homens ou mulheres , e estudos sociológicos e econômicos tem deixado isso claro.

Cálculos divulgados pelo jornal Folha de São Paulo mostram que as mulheres brancas apresentavam uma vantagem salarial de 14% ante às negras com a mesma idade, escolaridade e estado de residência no Brasil: em 2019, esse percentual mostrava que as negras recebiam R$ 475 a menos por mês, o que representa um aumento ante o visto em 2012, quando a diferença era de 11,5% (ou R$ 364 mensais).

No caso dos homens, os brancos ganham 13% a mais do que os negros com educação e demografia semelhante – o que representava R$ 624 a menos em 2019, percentual que oscilou pouco em sete anos.

Estudos econômicos começaram a oferecer evidências de que a discriminação está na base dos processos que afetam negros e pardos em diversos aspectos da vida – e embora a discriminação seja um fator custoso, o empregador preconceituoso se dá ao luxo de discriminar mais em cenários de menor competição. Quando a pressão por corte de custos aumenta, a chance de sobrevivência de quem discrimina diminui.

 

Leia Também
A nossa rinocerontite aguda, por Rômulo Moreira
Coluna Econômica: A nova ameaça de Guedes, de desmontagem da educação básica
GGN Covid: novos casos estabilizam na alta e óbitos continuam em ascensão
Heleno diz que índios isolados serão tratados como “qualquer cidadão”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora