Padrão WiMAX pode desligar as parabólicas do Brasil

Com ao menos cinco anos de atraso, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) decidiu liberar faixas de frequência para oferta de banda larga sem fio no Brasil.

De acordo com a agência, o plano é leiloar faixas das frequências de 3,4 a 3,6 gigahertz (GHz) para oferta de banda larga e telefonia no padrão sem fio  desenvolvido pela Intel, o WiMAX.

O tema é discutido desde 2006, quando a agência realizou as primeiras consultas públicas sobre o tema. O leilão de novas faixas esteve próximo de acontecer em 2007, mas acabou cancelado após o TCU (Tribunal de Contas da União) fazer críticas às regras definidas para o processo.

Agora, as emissoras Globo e Record apresentaram queixas à Anatel argumentando que a faixa que a agência pretende liberar afeta as transmissões de TV para antenas parabólicas. De acordo com as emissoras, as parabólicas usam a faixa de frequência contígua, de 3,62 GHz a 3,8 GHz, muito próximas da faixa a ser leiloada para o WiMAX.

Na prática, redes WiMAX nesta frequência podem causar interferências em 22 milhões de antenas parabólicas espalhadas pelo país e anular a qualidade da imagem e áudio que estes consumidores recebem em suas casas.

Procurada pela INFO, a Anatel não pode se manifestar imediatamente. Um conselheiro da agência, no entanto, disse ao jornal Folha de S. Paulo que, caso os problemas técnicos apareçam durante a fase de testes da tecnologia, serão feitas as correções necessárias antes do leilão das faixas.

O leilão de frequências para tecnologia WiMAX permite criar redes móveis com velocidades de acesso de até 10 Mbps. Na prática, estas redes podem competir e superar a tecnologia 4G no ladrão LTE (Long Term Evolution), alvo de investimentos por teles como Oi, Vivo, TIM e Claro no Brasil.

A oferta de novas faixas para exploração de banda larga sem fio também é apontada por especialistas como condição fundamental para ampliar a competição entre as teles no país e criar planos de banda larga mais em conta, em especial nas pequenas cidades do interior do Brasil e nas regiões Norte e Nordeste.

fonte: Info/Abril

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador