Papa Francisco: “Ouvimos discursos que lembram os de Hitler em 1934”

Em entrevista, pontífice criticou os "soberanismos" e defendeu o Sínodo da Amazônia, investigado pela Abin de Bolsonaro. “A ameaça da vida das populações e do território deriva de interesses econômicos e políticos dos setores dominantes da sociedade”

REPRODUÇÃO/FOCOLARES

Da RBA

Em entrevista concedida ao jornal italiano La Stampa, publicada na sexta-feira (9), o Papa Francisco criticou o nacionalismo exacerbado e os efeitos do populismo.

“O soberanismo é uma atitude de isolamento. Estou preocupado porque se ouvem discursos que se assemelham aos de Hitler em 1934. ‘Primeiro nós. Nós… nós…’: são pensamentos que dão medo. O soberanismo é fechamento. Um país deve ser soberano, mas não fechado. A soberania deve ser defendida, mas também devem ser protegidas e promovidas as relações com os outros países, com a Comunidade Europeia. O soberanismo é um exagero que sempre acaba mal: leva às guerras”, afirmou o líder religioso.

Para o Papa, o exagero na defesa das identidades pode resultar em posturas isolacionistas. “A identidade é uma riqueza – cultural, nacional, histórica, artística –, e cada país tem a sua própria, mas deve ser integrada ao diálogo. Isto é decisivo: a partir da própria identidade, é preciso abrir-se ao diálogo para receber algo maior das identidades dos outros. Nunca nos esqueçamos de que o todo é superior à parte.”

O Papa também falou a respeito do Sínodo da Amazônia, encontro que será realizado em outubro tendo como tema  “Amazônia: novos caminhos para a igreja e para uma ecologia integral”. “Quem não a leu nunca entenderá o Sínodo sobre a Amazônia. A Laudato si’ não é uma encíclica verde, é uma encíclica social, que se baseia em uma realidade “verde”, a proteção da Criação”, disse.

Sínodo da Amazônia

Em fevereiro, reportagem do jornal O Estado de S. Paulo revela que informes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e dos comandos militares alertava para a realização da conferência, vendo as pautas como “agenda da esquerda“. O general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), afirmou que o governo estava “preocupado” com a os preparativos para aquele encontro da igreja católica mundial. “Queremos neutralizar isso aí”, declarou o responsável pela contraofensiva. Outro militar da equipe de Bolsonaro afirmou à reportagem, em condição de anonimato, que o Sínodo vai contra toda a política do governo para a região e deverá “recrudescer o discurso ideológico da esquerda”.

Em relação à preservação do meio ambiente, o Papa se mostrou preocupado após o Dia da Sobrecarga da Terra, que alerta quando a capacidade de renovação da natureza atinge o limite, ter sido antecipado em três dias neste ano em relação a 2018. “No dia 29 de julho, esgotamos todos os recursos regeneráveis de 2019. A partir de 30 de julho, começamos a consumir mais recursos do que aqueles que o planeta consegue regenerar em um ano. Isso é gravíssimo. É uma situação de emergência mundial. E o nosso sínodo será de urgência. Mas atenção: um sínodo não é uma reunião de cientistas ou de políticos. Não é um Parlamento: é outra coisa. Ele nasce da Igreja e terá uma missão e uma dimensão evangelizadoras. Será um trabalho de comunhão guiado pelo Espírito Santo.”

Leia também:  Pandemia à brasileira: Será que o "jeitinho brasileiro" será capaz de enfrentar a Covid-19?, por Fernanda Almeida

“A ameaça da vida das populações e do território deriva de interesses econômicos e políticos dos setores dominantes da sociedade”, disse, sobre os obstáculos à salvaguarda da Amazônia. Para ele, a política deve “eliminar as próprias conivências e corrupções. Ela deve assumir responsabilidades concretas, por exemplo sobre o tema das minas a céu aberto, que envenenam a água provocando tantas doenças. Depois, há a questão dos fertilizantes”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Quanto aos ‘Soberanismos’, o Papa falava mais da Europa e da Itália que de outras regiões. As Elites Caudilhistas Esquerdopatas Absolutistas Ditatoriais que infestaram esta Nação durante 9 décadas (MEC/1930-OAB/1930-USP/1934-UNE/1938-SINDICALISMO PELEGO. De onde vieram as Elites que governaram este país, durante todo este período?), ou seja, toda esta Estrutura, Elite e Projeto Fascista que transformou cabeça em rabo, vanguarda em atraso, Machado de Assis, Rebouças, Nilo Peçanha, Lima Barreto,… em Racismo Institucionalizado e Estatal de Políticas Segregadoras (citem apenas 3 exemplos, nestes 90 anos, que se comparem aos da 1.a República, República Paulista?), a partir deste conjunto e de tal década (30), não aceitam a Opinião Livre, Facultativa e Soberana do Povo Brasileiro. Mesmo o Povo Brasileiro da região Amazônica. Um Cidadão Brasileiro de qualquer região, mas principalmente da Amazônia é mais importante que até a opinião do Papa ou qualquer europeu. Ou qualquer Cidadão que não seja Brasileiro. Ou a Elite Esquerdopata aceita a Interferência e Interesses Estrangeiros, enquanto acusa outros Governos desta abjeta prática? Entendemos. O Papa deveria usar tamanha influência e riqueza da Igreja Católica e tentar salvar aos Africanos, que estão tão próximos. Morrem aos milhares nas suas praias. Mas talvez a sua Humanidade, a Humanidade para quem precise discursar, esteja mais interessada em salvar a savana, zebras, girafas, gorilas, leões, (ou a Amazônia?)….O Mundo Civilizado ficou consternado com a morte do leão Cecil. Que atrocidade !!! Quanto Africanos morreram, somente este ano nas praias da Europa, na frente do Vaticano? Qual era o nome destas pessoas? Não sabem?!! Que atrocidade !!!!!!!!!!

  2. O Brasil não é responsável pelos desmatamentos no mundo todo. Tão pouco o maior fabricante do efeito estufa. Uma solução? Os países que mais provocam o efeito estufa, deve REFLORESTAR MAIS! O Brasil, mantém a parte conforme o efeito estufa que causa, e mais uma pequena porcentagem. Façamos está proposta, e que cada país que se diz defensor da ecologia, mostre que realmente se importa, reflorestado o seu continente.

  3. Casa haja a necessidade urgente de manter o verde no mundo, fica a proposta de COMPROMISSO: Cada país, terá que reflorestar o seu território. O Brasil, por sua vez (de boa fé, já que foi o único que manteve o maior verde no mundo, e por isso tem mérito para dizer), aguardará por um tempo de alguns anos, os demais países reflorestar o mundo. Após esse período, o Brasil não é responsável pela negligência da COMUNIDADE ECOLOGICA se não fizer cumprir está obra, pois, que cada país cuide do que é seu. E o Brasil, continua a administrar o que é seu, já que o mundo todo fez o que quis, desmatando as suas florestas…

  4. Seria, no mínimo, curioso, se tivéssemos um estado grande e rico assim como é o Amazonas, tão desenvolvido quanto São Paulo.
    Se juntássemos a Bahia, com o seu tamanhão, Minas Gerais, os 2 Mato-Grossos, o Pará, o Maranhão, que terror não faríamos ao mundo com a nossa riqueza natural utilizada em nosso benefício, pois não?
    O Brasil merece um Afff!!!
    Diz a piada que deus quando fez o mundo e colocou em cada país uma tragédia natural.
    Vulcões, enchentes, monções, terremotos, desertos, geleiras, maremotos. Só o Brasil ficou de fora.
    Achando aquilo tudo muito injusto, alguém perguntou:
    “Senhor, não estaríeis vós a favorecer injustamente a uma só região deste mundo?”
    Ao que respondeu serenamente o Senhor:
    “Sim, mas eu vou colocar lá um povinho……”

    1
    1
  5. Se eu fosse o papa não perderia tempo com este bando nazista. Pontífice, com todo respeito: O Brasil merece se f* mesmo.
    Como a piada acima, só vamos aprender quando a merda for total. Talvez uma guerra, fome, uma pandemia, ou algo deste tipo torne este povo mais responsável com a escolha de seus líderes.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome