Papai, papai… os nazistas voltaram

Há mais ou menos um ano comecei a publicar aqui no GGN uma série de textos sobre a Ucrânia e o renascimento da história:

http://jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/a-ucrania-e-o-renascimento-da-historia

http://horia.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/a-ucrania-e-o-renascimento-da-historia-2

http://jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/a-ucrania-e-o-renascimento-da-historia-3

http://jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/a-ucrania-e-o-renascimento-da-historia-4

http://jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/a-ucrania-e-o-renascimento-da-historia-5

http://jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/a-ucrania-e-o-renascimento-da-historia-6

http://jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/a-ucrania-e-o-renascimento-da-historia-7

Volto ao assunto porque o impasse não foi superado e porque notei que a própria História passou a ser um fato importante da crise que se aprofunda. Ambos os lados estão se apropriando do passado para legitimar suas posições e desqualificar os inimigos. Desde 2008 várias personalidades norte-americanas e inglesas passaram a comparar Putin a Hitler: http://www.theguardian.com/world/2008/aug/12/georgia

http://www.telegraph.co.uk/news/uknews/prince-charles/10845309/Prince-Charles-compares-Vladimir-Putin-to-Adolf-Hitler.html

http://www.independent.co.uk/news/world/europe/lithuanian-president-comparisons-between-vladimir-putin-and-hitler-are-spot-on-9558551.html

http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/crise-na-ucrania-hillary-compara-putin-a-hitler

A imprensa russa, por sua vez, acusa os EUA de terem construído um IV Reich para destruir a Rússia: http://english.pravda.ru/world/americas/09-02-2015/129738-0/

Os dois lados querem ter razão e fazem reprovável uso da História. A política externa de Putin não é baseada exclusivamente no uso da força bruta. Não há, dentro da Rússia, nenhum programa político preconizando a segregação e o extermínio sistemático de pessoas consideradas inferiores e indesejadas. A comparação entre Putin e Hitler é, portanto, exagerada. Apesar dos diversos abusos militares cometidos pela Casa Branca nas últimas décadas, os EUA ainda não podem ser comparados ao III Reich. A submissão de todos os aspectos da vida civil ao Estado e o predomínio avassalador de um único ideal de sociedade militarizada voltada para a conquista brutal de territórios não é uma realidade entre os norte-americanos.

Toda guerra é precedida de acusações como as que estamos vendo. O uso excessivo de racionalizações, a ampla difusão de comparações exageradas e a construção de versões históricas absurdas para desqualificar o inimigo e para justifica o próprio desejo de ir a guerra para impor a vontade ao “outro” tem sido uma triste realidade desde tempos imemoriais. O primeiro tiro só é disparado depois que a verdade foi morta e sepultada. Então, o sangue derramado clama por mais derramamento de sangue e a dinâmica do ódio irracional, da sede de matar e destruir o “outro” com risco de ser destruído assume completamente as ações de ambos os lados. E a guerra somente acabará quando um dos lados tiver esgotado totalmente todos seus recursos humanos e econômicos para continuar hostilizando seu inimigo. Isto era o que ocorria no passado. Não estou certo de que é isto que ocorrerá na guerra que norte-americanos estão impondo aos russos por causa da Ucrânia.

A única coisa certa em qualquer guerra é o aumento continuado da violência antes do fim do conflito. Soldados que dispõe de espadas não usam porretes, os que tiverem canhões não usarão espadas e aqueles que tem bombas atômicas não deixarão de usar as mesmas quando estiverem sendo massacrados. O medo de que um inimigo com meios equivalentes de destruição em massa os utilize pode sugerir um primeiro e devastador ataque nuclear. No caso da Rússia e dos EUA, dois países com frotas de submarinos armados com mísseis nucleares, seria virtualmente impossível destruir todo o arsenal do inimigo sem sofrer devastação nuclear em seu próprio território.

A lógica da dissuasão nuclear manteve russos e norte-americanos vivos durante a Guerra Fria. Uma guerra quente entre estes dois povos só poderá resultar em catástrofe. Centenas de milhões habitantes serão exterminados nos EUA e na Rússia em caso de guerra total. A fome e os resíduos de radiação se encarregarão de exterminar dezenas de milhões de outros inocentes dentro e fora de ambos os países.

Os nazistas alemães ficaram famosos por matar inocentes de maneira metódica, mas eles levaram bastante tempo para reunir, transportar e exterminar alguns milhões de pessoas. EUA e Rússia conseguirão fazer em alguns minutos mais do que o III Reich fez em vários anos. Papai, papai… os nazistas voltaram e agora eles são norte-americanos e russos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Exclusivo GGN Covid Brasil: média de novos cai cai para perto de 700 dia

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome