Para Camilo Santana, motim de policiais foi mais político do que salarial

Em entrevista, governador do Ceará diz que Congresso deveria aprovar uma lei para proibir anistia a policiais amotinados

Camilo Santana, governador do Ceará. Foto: Reprodução/ceara.gov.br

Jornal GGN – Embora não veja direita ou esquerda na recente paralisação de policiais militares, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), criticou a ligação entre polícia e política e enxerga a paralisação “muito mais política do que salarial”. O motim dos policiais foi encerrado com o registro de, pelo menos, 170 assassinatos em um período de 12 dias.

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, Santana defendeu ainda que o Congresso Nacional debata uma proposta semelhante à aprovada pelo Executivo estadual, que aprovou nesta terça-feira (03/03) a proibição de anistia aos PMs amotinados – lembrando que a paralisação de policiais militares é proibida pela Constituição Federal.

“No passado sempre se deu anistia. A polícia jamais pode deixar a população e o governador reféns. E o que vem depois? Os governos anistiam. Eles voltam a fazer porque acham que não vai dar em nada”, afirmou.

Outro ponto defendido por Santana na entrevista considera que policiais passem um período de quarentena antes de disputar eleições, e que eles deixem a função assim como ocorre com os juízes. O governador ressaltou que a formação policial no estado será revista, e a extinção do 18º Batalhão da PM não está descartada – o quartel foi a base dos policiais amotinados tanto agora como em dezembro de 2011.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome