Para qualquer anarquista o que nos espera é um imenso vazio

Quando disseram a ele que não haveria mais volta ele tratou de deixar seus temores de lado.

Mas por quê? Por que não antes desfrutar a vida sem temor, sem amarras e o receio do enxofre que julgam haver do lado de lá?

Lembrou o quanto babaca foras em portar-se como inquisidor boçal, homofóbico, às vezes sensato também. Em suma, erros e acertos da natureza humana.

Volto a sentir suas pernas tremerem ao pensar que quando o trem da partida chegar ao propagado destino final dos fariseus o vazio alvo poderia estar à sua espera.

Malhou braço no roçar da sua zona de conforto, criou filhos cheios de ingratidão, foi temeroso aos conselhos dos intermediários das boas novas. E tudo isso para o quê?

Resolveu criar uma nova ligação, tendo por premissa o vazio no final. Em pouco tempo, em pouquíssimo tempo, já era chamado de vagabundo. Mas no fundo, a adjetivação que ele mais adorava era a de anarquista.

Como filhote de rato, coitado, ainda está lutando para entender o que querem dizer com “ pensar no futuro “. Se o futuro for o tal vazio alvo, branco, inerte, sem fogueiras e sem jardins, talvez ele já no futuro esteja pensando, pois não teme mais nada ao acreditar na existência do nada no fim do túnel.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome