Para subprocurador, preso não é gente, mas sua família é

A lógica de Damares, Bolsonaro e Olavo inoculou todo o sistema de justiça. Em algum momento, o capitão Bolsonaro chegou a pregar a morte dos filhos de subversivos, para não espalhar a semente do mal.

Deve-se ao subprocurador geral da República, Rodolfo Tigre Maia, o troféu “defensor da família” do ano.

A Defensoria Pública da União pediu a libertação de presos provisórios,  para evitar a contaminação pelo coronavirus. Alegava que o coronavirus “tem o potencial de atingir praticamente todos os presos do país, amontoados em cadeias superlotadas, sem ventilação adequada e sem as mínimas condições de higiene”.

O que faz o criterioso Maia?

Diz não ser possível devido ao risco dos presos levarem o coronavirus para as famílias. Logo, admitiu a contaminação generalizada, mas decretou a morte dos presos no presídio, em defesa de suas famílias.

A lógica de Damares, Bolsonaro e Olavo inoculou todo o sistema de justiça. Em algum momento, o capitão Bolsonaro chegou a pregar a morte dos filhos de subversivos, para não espalhar a semente do mal.

Maia é mais civilizado. Para ele, preso não é gente; mas sua família, é. Não deixa de ser um avanço.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora