Pazuello se aproxima de estados, mas apagão de dados gera crise

Falta de informações sobre casos de coronavírus no Brasil compromete imagem dos militares como ‘ala moderada’ do governo Bolsonaro

Eduardo Pazuello, ministro interino da Saúde. Foto: Reprodução

Jornal GGN – O general Eduardo Pazuello mostrou alguns sinais duplos em seu primeiro mês como ministro interino da Saúde: embora tenha a simpatia de secretários estaduais para continuar na pasta, ele é um dos responsáveis pela crise de confiabilidade na gestão do coronavírus.

Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, a falta de dados oficiais de sites do Ministério da Saúde gerou grande repercussão no Brasil e no exterior, levando o país a sumir do ranking elaborado por instituições como a Johns Hopkins.

Ao assumir o cargo no lugar de Nelson Teich, Pazuello ampliou a presença de militares em cargos e secretarias especializadas, além de atender as demandas do presidente ao contrário daquilo que é recomendado pelos pesquisadores  científicos, algo que os antecessores se recusaram a atender.

A maior crise da gestão Pazuello está na mudança do modelo de divulgação de dados da Covid-19: as coletivas de imprensa para acompanhar a evolução da pandemia passaram a ocorrer com menos frequência, e com dados desatualizados. E integrantes da pasta chegaram a retirar o total de casos e mortes pela doença da plataforma oficial, priorizando apenas os dados de pacientes recuperados.

Um dos pontos positivos da gestão Pazuello é a tentativa de aproximação com secretários estaduais e municipais de Saúde, que se sentiam alijados das decisões da pasta e agora passaram a ter reuniões diárias com a equipe do ministério.

Entretanto, os militares já mostram sinais de preocupação com o impacto à imagem de ala moderada que estão tentando construir desde o início do governo de Jair Bolsonaro – embora tentem mostrar que foram eles que convenceram Bolsonaro a recuar pontualmente a forma como minimiza os efeitos da pandemia, a entrega da pasta a um militar colocou os planos por terra.

 

Leia Também
Coronavírus: Brasil pode ter 21 mil mortes a mais
Coronavírus: Governo Doria omite 11.000 casos da capital, destaca Revista
Pandemia está ‘acelerando’ em fase ‘perigosa’, alerta OMS

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. O nosso canal das Médicas e Médicos pela Democracia transmitiu ao vivo os atos pelo Brasil neste domingo 21/6/20. Aqui em Alagoas nossa manifestação repercutiu na Globonews e no Fantástico. Gostaria que repercutisse e temos vídeos, inclusive com imagens aéreas muito bonitas. Visite nosso canal no YouTube.

  2. Os militares bolsonaristas são os principais responsáveis pelas dezenas de milhares de mortos pelo CoronaVírus. As Forças Armadas sabiam que Bolsonaro é um criminoso e, mesmo assim, apoiaram sua eleição. São cúmplices de toda a tragédia sanitária, econômica e política que vivemos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome