Pelo segundo dia, Manaus é encoberta por fumaça causada por agropecuaristas

Amazonas decretou emergência por conta das queimadas; Fiocruz recomenda que a população volte a usar máscaras.

Crédito: Valter Calheiros/Divulgação

Manaus e municípios da região metropolitana estão, pelo segundo dia consecutivo, expostos a uma onda de fumaça que encobre as cidades e está causando uma série de prejuízos à população, como a suspensão de aulas presenciais em universidades e o comprometimento da visão em rodovias federais. 

A fumaça é provocada pelos agropecuaristas dos municípios de Careiro e Autazes, na zona rural do Estado, mas que é trazida para a capital por massas de ar, segundo Joel Araújo, superintendente do Ibama no Amazonas.

Com mais de nove mil queimadas registradas desde setembro, o Amazonas decretou emergência ambiental. Desde a última quarta-feira (11), Manaus está na segunda posição de cidades com a pior qualidade do ar no mundo.

Uso inadequado

O Ibama informou ainda que a onda de fumaça é consequência do uso inadequado do fogo em áreas destinadas à agropecuária, mas que se estendem para áreas de vegetação. 

Autazes, por exemplo, registrou 236 focos de calor entre 1º e 10 de outubro e é a quarta cidade da Amazônia Legal que mais registrou queimadas apenas este mês.

Diante desta perspectiva, a Fiocruz Amazônia recomendou o uso de máscaras na capital amazonense, pois a exposição à fumaça pode causar problemas respiratórios e oculares, irritação na pele e doenças cardiológicas e neurológicas, especialmente em crianças e idosos.

LEIA TAMBÉM:

Camila Bezerra

Jornalista

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador