Petroleiros aprovam greve nacional a partir de sábado

Trabalhadores ligados à Petrobras vão parar por tempo indeterminado; protesto é contra demissões em fábrica de fertilizantes no Paraná

Petroleiros paralisam atividades por tempo indeterminado. Foto: Reprodução/FUP

Jornal GGN – Os trabalhadores da Petrobras aprovaram um indicativo de greve por tempo indeterminado, com início no primeiro minuto de sábado (01/02).

Comunicado divulgado pela Federação Única dos Petroleiros (FUP) ressaltou que a greve será contra demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen) e o descumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

Tanto a federação como seus 13 sindicatos já encaminharam o comunicado da paralisação à gestão da Petrobras e subsidiárias, ressaltando que a categoria vai “garantir o abastecimento da população durante todo o movimento grevista”.

De acordo com nota divulgada pela FUP, as demissões e transferências em massa que estão acontecendo dentro do sistema Petrobrás por conta das privatizações e fechamento de unidades “ferem os Acordos de Trabalho pactuados com as representações sindicais”.

Um exemplo citado pela federação é a Cláusula 26 do ACT da Araucária Nitrogenados, que impede a empresa de realizar demissões em massa sem negociação prévia com o sindicato. Apesar disso, a Petrobras anunciou a demissão de trabalhadores da Fafen-PR, que souberam do fato pela imprensa.

“Menos de três meses após a assinatura do ACT, os gestores da empresa seguem reiteradamente desrespeitando o que pactuaram com as representações sindicais”, diz a federação. “Além disso, atropelam legislações e o próprio processo de negociação ao impor decisões unilaterais, à revelia dos sindicatos e da vontade dos trabalhadores”.

Os sindicalistas também criticaram a “política agressiva” de privatização e fechamento de unidades estratégias da Petrobras, e pontuam que a retração da cadeia produtiva de óleo e gás afeta a economia de forma considerável.

Leia também:  Bolsonaro tenta tirar o corpo fora - o que não é algo inesperado

“A Petrobrás, que era uma das locomotivas do desenvolvimento nacional, reduziu em mais de 50% os investimentos no Brasil. Os R$ 104,4 bilhões investidos pela empresa em 2013 despencaram para R$ 49,3 bilhões, em 2018. Uma queda de 53%”, explica o sindicato.

Sem os investimentos da Petrobrás, o setor deixou de gerar mais de R$ 100 bilhões para o PIB nesse período. “Como consequência, 2,5 milhões de postos de trabalho foram fechados, o que representa 19% da taxa de desemprego. Só no Sistema Petrobrás, foram fechados mais de 270 mil postos de trabalho, entre próprios e terceirizados”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Greve correios, dataprev e Petrobras, terceirizados da Petrobras se demitindo em massa. Tudo muito necessário mas que já deveria ter ocorrido há muito, ali por volta de 2016.
    Esta visão parricular, onde só nos movimentamos quando a guilhotina está acima de nossas cabeças, permitiu que fossemos atingidos pela catástrofe do fascismo que, travestido de neoliberalismo, promoveu, e vem promovendo, a destruição das relações trabalhistas no brasil.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome