PGR põe isolamento em dúvida e defende poder de Bolsonaro para suspender restrições

Augusto Aras afirmou que não está claro se a medida tem funcionado satisfatoriamente em outros países

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O procurador-geral da República Augusto Aras produziu um parecer que será encaminhado nesta segunda (13) ao Supremo Tribunal Federal, questionando os resultados das políticas de distanciamento social usadas contra o coronavírus no mundo, e defendendo o poder do presidente Jair Bolsonaro de avaliar quando as restrições devem ser suspensas.

Segundo Aras, “as incertezas que cercam o enfrentamento, por todos os países, (…) não permitem um juízo seguro quanto ao acerto ou desacerto de maior ou menor medida de isolamento social, certo que dependem de diversos cenários não só faticamente instáveis, mas geograficamente distintos, tendo em conta a dimensão continental do Brasil”, escreveu Aras.

O PGR afirmou ainda que as “decisões dos órgãos de governo sobre um maior ou menor isolamento social como ferramenta de enfrentamento da epidemia de covid-19 levam em consideração os avanços científicos, cujos esforços têm trazido a cada dia dados novos a serem considerados, e dependem de cenários fáticos que estão em constante mutação.”

O STF tem dado sinais de que não pretende perder de vistas as recomendações da Organização Mundial da Saúde contra a COVID-19, mesmo que isso signifique tolher as ameaças de Bolsonaro de “baixar decretos” liberando o retorno total à normalidade.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

18 comentários

    • Bozo, ao contrário de seu farsesco discurso de campanha (e de sempre), sempre escolhe seus auxiliares não por técnica, pragmatismo ou governabildade.
      Escolhe sempre por fidelidade (cega) à sua pessoa mitosca e sua “ideologia” (de jerico).
      Nesta ordem.

  1. Não demora muito, tentar se proteger do vírus vai passar a ser crime…
    o parecer do “propagador-geral da república dá sinal verde para que pessoas passem a ser retiradas de suas casas à força

    desnecessário dizer que o desprezo pela vida dos outros iguala todos a Boçsonaro

  2. É por causa de capachos como Aras que Bolsonaro pode continuar cometendo crimes impunemente. De quem foi a “brilhante” idéia de fazer com que apenas o procurador-geral possa pedir a prisão do presidente e depois deixar esse cargo ser definido pelo próprio presidente? Pois bastou colocar um bandido nesse cargo para permitir qualquer tipo de crime por parte do presidente!

  3. O PGR questiona a única unanimidade do combate ao vírus, qual seja, o isolamento social.
    O PGR parece que afronta, também, devido anterior do STF com relação à autonomia der estados e municípios puderem decidir sobre o isolamento social. O Brasil parece ser um dos poucos, talvez o único, países a ignorar os efeitos da Pandemia e as consequências da frouxidão com que vem encarando seu combate.

  4. Ele falou em avanços científico?
    Por que não disse logo para todos tomar a cloroquina e esp…rezar pelos resultados positivos?
    Pois já tá mais que cientificamente provado que este governo aposta m duas coisa para vencer a pandemia; cloroquina e reza.
    Este ateu fica com a reza e dispensa a cloroquina.

  5. O cidadão usa o seguinte argumento para tentar justificar a sabotagem de um insano:“…as incertezas que cercam o enfrentamento, por todos os países, (…) não permitem um juízo seguro quanto ao acerto ou desacerto de maior ou menor medida de isolamento social”.
    Já que não consegue decidir, antes de auxiliar um louco a encaminhar gado para o matadouro, o sujeito não deveria melhorar seu “juizo” perguntando as autoridades sanitárias dos EUA, Itália e Espanha?

  6. Os dois mundos a confronto, no primeiro Mandetta o herói covarde, no outro bolsomaro asno fardado, aras o concursado cientista virologista decidindo pelo asno fardado.

  7. Esse foi bem escolhido, não foi? Bateu Bindeiro. Aras não é apenas o Procurador Geral, é membro do governo do Bozo. Quer dizer então que as ações ditas de governo, que o pulha do Mandetta está encaminhando, não são atos ligados à Presidência? Quer dizer também que o ministro da saúde do desgoverno responde a outro comando, qual? É constitucional essa dubiedade? Que se imponha o procedimento recomendado pelo governo de direito, ou estamos num governo de fato? Que a Presidência assuma suas responsabilidades diante do povo,ou siga as recomendações técnicas do Ministério da Saúde que lhe é subordinado, já que certamente como já vem acontecendo a vítima, o povo principalmente os mais pobres, do desvario desse desgoverno, que vem desestruturando a área de saúde do país, deste a sua posse, com Mandetta no comando, para dar espaço à economia privada, no afã de impor um estado mínimo ao país, o SUS a principal área para desmonte. Como se verá, o Supremo com base em tudo de que dispõe para eximir-se de culpa e prevaricar, com o palavrório de sempre, lavará as mãos, deixará como está para ver como é que fica.

  8. Isso é o que dá consultar o MP para tudo. Esses infelizes não sabem nem da própria matéria e ainda decidem sobre economia, saúde, assistência, o diabo a quatro. Um verdadeiro lixão de opiniões formadas no Telegram (zap é para as famílias). O Brasil ACABOU.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome