Poema de Natal

Poema de Natal

 

Dica de Tarcísio Luiz

 

 

Do Poeta Dedé Monteiro

 

Os sinos tocam contentes
Aí Papai Noel sai
Distribuindo presentes
Como se fosse outro pai
Durante essa missão sua
Sobe rua desce rua
Sobe morro, morro desce,
Palmilha todo terreno
Só meu casebre pequeno
Papai Noel não conhece.

 

 

É porque eu não conheço
Onde Papai Noel mora
Senão o meu endereço
Eu ia enviar-lhe agora
Escrevo um bilhetinho
Conto bem direitinho
Onde fica meu chalé
Se dizem que ele adivinha
Porque só minha casinha
Ele não sabe onde é?

 

 

Quer saber o que se dava
Se papai fosse um ricaço?
Papai Noel não errava
As grades do meu terraço
Rondava a casa por fora
Entrava fora de hora
Pela chaminé descia
E em silêncio sorrindo
Deixava um presente lindo
Pegava o saco e saía.

 

 

Chaminé muito enfeitada
Minha palhoça não tem
Mas duma lata amassada
Papai fez uma também
Mas se o senhor entender
Que ela não vai lhe caber
Eu deixo aberta a janela
E se o senhor se cansar
Achar que não deve entrar
Jogue o presente por ela

 

 

Reclamando desse jeito
Posso até estar errado
Pois meu mucambo foi feito
Num lugar muito atrasado.
Será que Papai Noel não passa
Porque não tem luz nem praça
Nem parque de diversão?
Esse Papai Noel nobre
Não liga menino pobre
Que vive de pé no chão

Leia também:  Deutsche Bank prevê chegada de 'desordem' global por "guerra fria" entre EUA e China

 

 

Meu papai que é mais humano
Este ano me falou
Se Deus quiser para o ano
O seu presente eu mesmo dou
Papai é homem de fato
Não é papai de boato
Como esse Noel que atrasa
Meu papai é tão fiel
Que não há Papai Noel
Como o que tenho em casa.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome