Política violenta não é causa: é consequência do modelo

polícia não deu origem à violência e à desumanidade americanas. A violência e a desumanidade da América deram à luz a eles.

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e outros membros do Congresso se ajoelham e observam um momento de silêncio em Washington na segunda-feira.

Do The New York Times

Os gestos de se sentir bem dos políticos e da polícia não mudam de poder. A mudança real está dentro de uma revisão geral do sistema.

Por Charles Blow

Há imagens de policiais juntando-se a manifestantes dançando o barulho do Cupido , ajoelhando-se e abraçando meninas.

Houve imagens de membros do Congresso vestindo estolas de pano kente, Joe Biden de joelhos e Mitt Romney marchando com manifestantes.

Havia imagens de um arco-íris de raças e etnias marchando pelas ruas com cartazes do Black Lives Matter erguidos, deles ajoelhados em momentos de silêncio, de estátuas desfiguradas e decapitadas.

Todos esses são gestos de bem-estar que não custam nada e não mudam de força. Eles não criam justiça e não fornecem patrimônio.

Os democratas na Câmara e os republicanos no Senado estão ponderando reações legislativas separadas. Ainda não está claro se Donald Trump concordaria com alguma das disposições.

Previsivelmente, o projeto dos democratas vai além do plano do republicano, mas ambos se concentram principalmente no treinamento da polícia, prestação de contas, manutenção de registros e punições.

Mas essas leis, se aprovadas, basicamente puniriam os soldados do sistema sem alterar o próprio sistema. Esses projetos de lei tornariam os oficiais o caçador por seu mau comportamento, enquanto faz pouco para condenar ou até abordar a selvageria e a voracidade do sistema que exigia seu serviço.

Este país estabeleceu um sistema de desigualdade suprema, com a desigualdade racial sendo uma forma primária, e usou a polícia para proteger a riqueza que o sistema gerou para alguns e controlar os ultrajes e explosões daqueles que são opostos e oprimidos por ele.

Usou a polícia para tornar o hostil tranquilo, para apagar e remover da sociedade livre aqueles que expressavam doenças provenientes de uma sociedade que os envenenava com perseguições.

Essa sociedade cria condições nas quais a pobreza extrema e concentrada pode existir e depois pune aqueles que reagem negativamente ao serem condenados a essa pobreza.

Essa sociedade não cuida e segura o suficiente das pessoas, garantindo que todas as pessoas, independentemente da posição ou da riqueza, tenham igual acesso aos cuidados de saúde e, em seguida, pune aqueles que sofrem de estresse, depressão e ataques violentos de raiva por causa disso.

Essa sociedade clama sistematicamente o poder – econômico, político e cultural – nas mãos de uma elite de poucos, quase todos brancos, e depois lamenta a apatia daqueles de quem o poder é retido.

Precisamos mais do que símbolos performativos de solidariedade. Precisamos de mais do que uma legislação estreita e casta.

Mesmo que um dos projetos de reforma da polícia fosse aprovado e assinado em lei, eles não custariam nada à nação e deixariam a estrutura de poder intocada.

No livro de Martin Luther King, de 1967, “Para onde vamos daqui”, ele escreveu:

“O custo prático da mudança para a nação até esse momento tem sido barato. As reformas limitadas foram obtidas a preços de pechincha. Não há despesas nem impostos, para que os negros compartilhem balcões de almoço, bibliotecas, parques, hotéis e outras instalações com os brancos. ”

O que ele procurava, o que procurávamos naquele momento – educação de qualidade, empregos decentes e bem remunerados, moradia justa – realmente custaria algo à nação. É assim que se parece a verdadeira justiça: acesso igual à possibilidade, sucesso e segurança.

Nesta luta, nossos objetivos devem ser elevados, nossas demandas, abrangentes. Não há glória em mirar pequeno, em suplicar humildemente diante do poder, em aceitar migalhas no chão quando o pão está sobre a mesa.

Se levamos a sério a luta contra a injustiça racial na praça pública e não apenas no esquadrão policial, não precisamos de nada além de uma nova lei de direitos civis, a Lei de Direitos Civis de 2020.

Neste ponto, os políticos ainda estão jogando com segurança, sendo avessos ao risco e chamando-o de radical.

Eles querem a aparência de uma ação substancial, deixando intactas as substâncias da sociedade. Eles querem parecer responsivos sem assumir total responsabilidade.

A pobreza é o problema. A desigualdade de riqueza é o problema. Todas as coisas que levam e atendem à desigualdade de pobreza e riqueza são o problema.

Mas ninguém quer falar sobre isso, muito menos lidar com isso, porque realmente abordar essas questões lidaria de alguma forma com a redistribuição de riqueza, e a mera menção desse conceito faz com que os ricos e os confortáveis fiquem atordoados.

Então, proibiremos alguns estrangulamentos. Vamos coletar alguns novos registros e divulgar outros. Vamos colocar restrições nos oficiais, exigindo mais treinamento e expondo-os a litígios.

Mas lembre-se: estes não são necessariamente oficiais desonestos. São instrumentos do sistema e manifestações da sociedade.

Eles são violentos para os negros porque os Estados Unidos são violentos para os negros. Eles oprimem porque os EUA oprimem.

A polícia não deu origem à violência e à desumanidade americanas. A violência e a desumanidade da América deram à luz a eles.

Charles Blow entrou para o Times em 1994 e tornou-se colunista de opinião em 2008. Ele também é comentarista de televisão e escreve frequentemente sobre política, justiça social e comunidades vulneráveis. @CharlesMBlow • Facebook

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome