Popularidade de Bolsonaro impulsiona pautas de costumes

Projetos envolvendo trânsito, armas e educação domiciliar começam a ser discutidos dentro da base do governo; Maia sinalizou que temas podem sofrer mudanças

Foto: Reprodução

Jornal GGN – Os aliados do presidente Jair Bolsonaro tentam emplacar pautas que agradem sua base eleitoral, aproveitando o aumento da popularidade presidencial por conta do auxílio emergencial.

Pautas como flexibilização do porte de armas e educação familiar estão entre os temas discutidos e, segundo o jornal Folha de São Paulo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), indicou que os dois projetos podem ser colocados em discussão, mas que eles podem sofrer mudanças.

“A gente quer tocar homeschooling [educação domiciliar], armas e trânsito. É uma intenção, e estou construindo, consultando os líderes da base para avançar”, afirmou o deputado Ricardo Barros (PP-PR), nomeado líder do governo na Câmara há menos de um mês.

Articuladores avaliam que o momento é o ideal para tratar de tais temas, mesmo sabendo que as propostas sofrerão resistência tanto da oposição como de legendas de centro. Além da popularidade de Bolsonaro, a avaliação considera a base de apoio que o presidente conseguiu formar na Câmara, com deputados de partidos como PP, PL e Republicanos.

 

 

Leia Também
O entreguismo fardado no Governo Bolsonaro: um projeto político, por Pedro Guedes e Bruno Lima Rocha
MPF cobra informações do governos sobre reforma agrária
Bolsonaro: 57% reprovam e 48% defendem impeachment, diz pesquisa
Bolsonaro deve recorrer no STF para não prestar depoimento presencial

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Rodrigo Maia nega estender estado de calamidade

3 comentários

  1. Pauta de costumes não é só incentivada somente pela direita, quando partidos como o PSOL e mais outros que se dizem de esquerda, dão importância a pautas morais no lugar de políticas estão acentuando essa discussão tirando de foco as questões sociais-econômicas, ficando num moralismo barato que mais parece programa popular de TV.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome