Promotoria recomenda criação de 8 mil vagas de acolhimento em SP

Proposta apresentada pela Prefeitura paulistana foi considerada “tímida e claramente insuficiente” pelo Ministério Público

Foto: Reprodução/Ponte Jornalismo

Jornal GGN – O Ministério Público de São Paulo recomendou ao prefeito da capital paulista, Bruno Covas (PSDB), que sejam abertas 8 mil vagas para acolhimento de pessoas em situação de rua ao longo da pandemia do coronavírus.

Segundo informações do jornal O Estado de São Paulo, a proposta de 500 vagas em hotéis para idosos em situação de rua acolhidos nos serviços da rede assistencial da cidade é considerada “tímida e claramente insuficiente”, uma vez que o censo realizado em 2019 apontava a existência de aproximadamente 25 mil pessoas em situação de rua por toda a capital.

“Destas, estão acolhidas aproximadamente 17.000, que são as vagas disponíveis de acordo com o mesmo censo” afirmou a Promotoria, ressaltando que a prefeitura paulistana precisa adotar medidas de emergência, ainda que provisórias, para abrigar todas as pessoas em situação de rua. “É preciso, pois, providenciar com urgência a criação de no mínimo 8 mil vagas”.

A recomendação foi determinada após representação do ex-candidato à presidência Guilherme Boulos, da deputada federal Luiza Erundina (PSOL-SP) e do Padre Júlio Lancellotti.

 

Leia Também
Coronavírus: SP contrata 4,5 mil leitos da rede privada de saúde
Dados da Moderna sobre vacina para coronavírus são insuficientes, dizem especialistas
GGN prepara dossiê sobre trajetória de Sergio Moro. Saiba como apoiar

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  GGN-Covid: a pandemia começa a se espalhar pelos estados do sul

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome