Quando as cobaias estudam medicina

A fabulosa descoberta das calouras da Escola de Medicina da USP

 

Postado em 19 nov 2014
 
 

Faculdade de Medicina da USP

Faculdade de Medicina da USP

As calouras e estudantes de medicina da USP, quem diria, conseguiram isolar o vírus do ebola da medicina brasileira.
 

Se a descoberta houvesse ocorrido nos laboratórios da faculdade, mereceriam o Nobel da medicina brasileira. Mas não foi assim: elas próprias foram as cobaias de um experimento empírico distante das bancadas de laboratório e próximo das perícias forenses.

A denúncia de uma estudante estuprada durante uma festa da “Atlética” – a associação espartana que mantém o departamento esportivo do Centro Acadêmico Osvaldo Cruz – destampou uma caixa de Pandora. Caixa não, um baú. A partir dela e com a determinação da vítima em levar o caso às últimas consequências, foi formada uma comissão interna de apuração.

O professor Paulo Saldiva – presidente da comissão que investigava as denúncias, reconhecido por suas pesquisas sobre os efeitos da poluição atmosférica e querido pelos alunos – jogou a toalha. Abandonou a comissão, pediu afastamento da faculdade e saiu atirando:

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/a-fabulosa-descoberta-das-calouras-da-escola-de-medicina-da-usp/

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora