Quem poderia transmitir covid-19 a Bolsonaro?, por Maíra Mathias e Raquel Torres

Muito pior que o descuidado pessoal é a sabotagem à luta contra a pandemia no Brasil

Por Maíra Mathias e Raquel Torres

Em Outras Palavras

Jair Bolsonaro celebrou o Dia da Independência dos Estados Unidos no sábado. O almoço aconteceu na casa do embaixador Todd Chapman, em Brasília. Fotos e vídeos do evento foram divulgados pelo presidente na sua página do Facebook. “Evite abraços, beijos e apertos de mãos”, recomenda o Ministério da Saúde. Nas imagens, Bolsonaro aparece sorridente, abraçado a Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e cercado de ministros-generais palacianos; todos sem máscara de proteção facial. Álcool só o das caipirinhas.

Antes do almoço, Bolsonaro sobrevoou de helicóptero áreas atingidas pelo ciclone em Santa Catarina. Acompanhado do ministro Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), esteve com parlamentares e autoridades locais.

De acordo com o jornal O Globo, no sábado à noite o presidente começou a reclamar de “cansaço”. No domingo, o “mal estar” teria continuado. Até que, ontem, Bolsonaro disse casualmente a apoiadores que o aguardavam no Palácio da Alvorada que acabara de voltar “do hospital”, onde tinha “batido uma chapa” do pulmão – que “estava limpo” – e faria “novo” exame para detecção do coronavírus.

Mesmo com suspeita da doença, desceu do carro para falar com sua claque. Desta vez, de máscara. “A um apoiador que pediu para retirar a máscara para uma fotografia, o presidente primeiro concordou, mas depois disse ao homem que ele não havia autorizado. ‘Tirou porque quis’, afirmou” Bolsonaro, segundo o relato do Estadão. A interação com apoiadores foi transmitida por um canal bolsonarista no YouTube. Mais tarde, em entrevista à CNN Brasil, Jair Bolsonaro confirmou que está com sintomas da covid-19, aproveitando para revelar que, mesmo antes da confirmação, começou a tomar hidroxicloroquina…

Tudo isso aconteceu na mesma segunda-feira em que o país chegou à marca oficial das 65 mil mortes causadas pelo novo coronavírus. E quando o presidente inaugurou um jeito novo de fazer vetos – à prestação – e publicou uma retificação à lei aprovada pelo Congresso Nacional para regular o uso de máscaras no país. Agora, além de querer que seu uso seja facultativo em templos e igrejas, comércios, etc., Bolsonaro descartou a proteção individual em um dos locais com mais riscos de contaminação: os presídios. E aproveitou para liberar os estabelecimentos comerciais de afixarem cartazes com informações ao público sobre o máximo de pessoas permitidas em suas dependências. Coincidentemente, também ontem, Donald Trump – para quem Bolsonaro sempre olha, como uma bússola – decidiu voltar atrás e encorajar “fortemente” o uso de máscaras em seu próximo comício.

A crônica do dia em que o presidente de 65 anos (logo, no grupo de risco para a covid) informa à nação que talvez esteja com o que ele próprio caracterizou tanto tempo como uma “gripezinha” não poderia deixar de reunir todos os elementos caóticos do bolsonarismo.

Na sexta-feira, Bolsonaro almoçou com executivos de nove grandes empresas, como Luiz Trabuco, do Bradesco, e Candido Pinheiro, da HapVida. Como os sintomas demoram a aparecer em média cinco dias – e porque ninguém estava de máscara, pelo menos segundo as imagens divulgadas – a ocasião pode ter sido foco de infecção.

“Se estiver doente, evite contato físico com outras pessoas, principalmente idosos e doentes crônicos, e fique em casa até melhorar”, recomenda o ministério da Saúde. Pelo que consta da sua agenda oficial, mesmo com sintomas Bolsonaro, teria participado de seis reuniões com membros do governo, como José Levi (AGU) – que já divulgou que fará exame para covid-19 hoje. Só depois seguiu para o Hospital das Forças Armadas, onde fez exames, como uma ressonância dos pulmões. De acordo com a Secretaria de Comunicação, o teste para detecção do SARS-CoV-2 foi feito no Alvorada e o resultado sai hoje.

Leia também:  Moro diz que Aras não tem "nada de concreto" contra a Lava Jato em Curitiba

REVISÕES

Não foram as autoridades chinesas, mas sim o escritório da Organização Mundial da Saúde (OMS) na China, quem alertou o organismo sobre os primeiros casos de covid-19. A informação está no último documento com a cronologia da doença, publicado pela OMS esta semana. O texto indica que no dia 31 de dezembro o escritório regional da entidade notificou um caso de “pneumonia viral”, identificado em uma declaração para a mídia no site da comissão de saúde de Wuhan. No mesmo dia 31, o serviço de informações epidemiológicas da OMS recebeu outra reportagem – da rede internacional de vigilância epidemiológica dos EUA, ProMed – sobre a mesma misteriosa doença. Nos dias 1 e 2 de janeiro, a OMS solicitou informações sobre os casos às autoridades chinesas; no dia 3, recebeu-as.

O caso ganhou destaque na FoxNews, que, é claro, começa a reportagem dizendo que a credibilidade da OMS fica “mais uma vez” abalada. Não deixa de pegar mal essa alteração meses depois (a primeira linha do tempo foi publicada no dia 9 de abril, já em resposta às críticas que o organismo vinha sofrendo). Nela, dizia que os casos de pneumonia haviam sido relatados em 31 de dezembro pela comissão municipal de saúde de Wuhan, sem especificar de onde viera a notificação.

Há outra possível alteração em vista – esta, com possíveis resultados pragmáticos no curto prazo. Como dissemos ontem, 239 cientistas escreveram à OMS pedindo que ela reveja suas orientações sobre a prevenção à covid-19, já que há evidências de que o vírus pode se espalhar pelo ar. A entidade afirmou, ainda ontem, que está revisando o conteúdo da carta.

CAOS E DESPERDÍCIO

O empenho de pesquisadores do mundo inteiro para conseguir um tratamento contra a covid-19 é notável. Desde janeiro, foram 1,2 mil ensaios clínicos projetados para testar medicamentos e terapias. Só que um levantamento feito por repórteres do Stat traz uma triste constatação: muitos recursos financeiros têm sido desperdiçados. Com frequência os estudos são pequenos demais (39% só inscreveram ou pretendem inscrever menos de cem pessoas) para obter resultados confiáveis. E 38% ainda não começaram a registrar voluntários.

O problema é que parece não haver uma coordenação global para identificar prioridades e dividir o esforço. E dois vilões nessa história são, adivinhem, a cloroquina e a hidroxicloroquina. O frisson em torno dos medicamentos – iniciado por um fatídico artigo francês e impulsionado por Donald Trump – fez com que eles dominassem as pesquisas. Dos 685 mil voluntários inscritos em todos os estudos, 35% (ou 237 mil) estiveram em ensaios sobre esses remédios. Isso é ruim porque uma das maiores dificuldades dos pesquisadores é recrutar pessoas para testarem os medicamentos. Com o monopólio da cloroquina, ficou mais complicado ainda conseguir gente para os outros potenciais tratamentos. E, o que é pior: na maior parte das vezes os ensaios com cloroquina são pequenos e sem grupos de controle, ou seja, não podem dizer ao certo se os tratamentos funcionam ou não. Ensaios clínicos podem custar milhões de dólares.

Leia também:  OMS: Temos uma grande onda de Covid-19, não segunda ou terceira

“É uma enorme quantidade de esforço desperdiçado e energia desperdiçada quando, na verdade, um pouco de coordenação e colaboração poderiam nos levar longe e responder a algumas perguntas”, diz na reportagem Martin Landray, professor da Universidade de Oxford. Ele é também um dos principais pesquisadores do Recovery, grande ensaio randomizado do Reino Unido que investiga vários tratamentos em 12 mil pessoas e centenas de hospitais. O Recovery, aliás, é citado pela matéria como exemplo de uma pesquisa bem projetada e que, de fato, traz resultados mais seguros. Até agora, entre os 1,2 mil estudos, só dois apresentaram provas da eficácia de algum tratamento: o Recovery e um trabalho dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA, que mostraram que o remdesivir diminui o tempo de internação de pacientes graves.

Se conseguir voluntários é difícil, uma das razõespara o sucesso do Recovery é que ele recebeu apoio do National Health Service (o SUS britânico). Os pesquisadores enviaram uma carta a cada um dos hospitais do NHS pedindo aos médicos que inscrevessem seus pacientes nesse e em outros dois ensaios clínicos – assim, em vez de apenas usar os medicamentos de forma emergencial, como se faz por toda parte, esse uso pode servir para estudar os efeitos de cada droga. “Usar tratamentos fora de estudos, quando é possível participar deles, é uma oportunidade desperdiçada de criar informações que beneficiarão outras pessoas”, escreveram os médicos, na carta. Por causa dessa coordenação, um em cada seis pacientes com covid-19 internados nos hospitais do Reino Unido acabaram fazendo parte do Recovery, segundo uma reportagem da Science.

Já nos EUA, país com maior número de casos de covid-19 do mundo, a escassez de resultados é “surpreendente e um pouco decepcionante”, como nota John-Arne Røttingen, que chefia o comitê de direção do Solidarity (o grande ensaio da Organização Mundial da Saúde). Lá, dezenas de milhares de pacientes receberam tratamento com plasma, por exemplo, mas não em ensaios randomizados, com grupos de controle. “Saberemos o que aconteceu com esses pacientes, mas não saberemos se eles estariam em melhor situação se não tivessem recebido plasma”, explica Ana-Maria Henao Restrepo, médica do Programa de Emergências da OMS. Ou seja, perdeu-se a oportunidade de produzir evidência científica sólida sobre a eficácia (ou não) desse tratamento.

Leia também:  Da Globo à Netflix, crise e transformação no mercado de mídia, com Samuel Possebon (TV GGN)

É importante observar que o processo caótico não se repete no desenvolvimento de vacinas: no caso delas, isso está sendo feito de forma mais metódica.

Em tempo: depois da hidroxicloroquina, a OMS agora excluiu o tratamento com lopinavir/ritonavir do ensaio Solidarity. O Discovery (estudo europeu feito em parceria com o Solidarity) também. Os resultados preliminares mostram, além de ineficácia, efeitos colaterais muito significativos.

E a farmacêutica Regeneron anunciou o início da última fase dos ensaios clínicos do seu coquetel de anticorpos para tratar a covid-19. Pretende incluir dois mil voluntários nos EUA.

CASOS EM ALTA, VACINA EM BAIXA

A Índia chegou a 719 mil casos confirmados de covid-19, ultrapassando a Rússia e assumindo o terceiro lugar no ranking dos países mais afetados. São cerca de 20 mil mortes. Não há nenhum sinal de que os contágios possam começar a cair por lá. Pelo contrário: têm sido em média mais de 20 mil por dia.

E o Conselho Indiano de Pesquisa Médica (ICMR) anunciou na última sexta a previsão de que uma vacina contra o novo coronavírus seria lançada até o dia 15 de agosto. Sim, daqui a um mês. É claro que o alvoroço foi intenso e que a ideia gerou muito mais críticas do que expectativa. Afinal, nenhum dos imunizantes desenvolvidos no país está na última fase de pesquisas. Seis empresas indianas estão na corrida e, na semana passada, o governo concedeu a duas delas (Bharat Biotech, cuja vacina é a covaxin; e Zydus Cadila, que estuda a ZyCov-D) permissão para iniciar os ensaios clínicos em fase 1 e 2. No comunicado, o diretor-geral do ICMR, Balram Bhargava, pedia aos hospitais que acelerassem todas as aprovações para testar a covaxin e estivessem prontos para inscrever os voluntários até hoje, dia 7.

A Academia Indiana de Ciências chama a linha do tempo de “irracional e sem precedentes”. Vários cientistas ouvidos pela revista Science concordam. “Os ensaios clínicos não podem ser apressados”, diz o virologista indiano e pesquisador de vacinas Thekkekara Jacob John. Ele aponta que as fases 1 e 2 levam pelo menos cinco meses; já a fase 3, que envolve um número maior de participantes, adicionaria pelo menos outros seis.

Com a chuva de críticas, o ICMR tentou se justificar. Em novo comunicado, disse que o dia 15 de agosto “não era um prazo”, mas sim uma tentativa de reduzir a “burocracia”. Alguns apontam que a escolha da data é provavelmente política: trata-se do Dia da Independência da Índia, quando o primeiro-ministro Narendra Modi tradicionalmente discursa sobre suas realizações.

Atualmente, a China é o país com maior número de potenciais vacinas (sete) em fase de ensaios clínicos. Os EUA têm três; o Reino Unido tem duas; e Austrália, Rússia, Coreia do Sul e Alemanha têm uma cada.

Continue lendo aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome