Quem vai decidir qual paciente deve viver?

Entrevista com Sandro Parente, advogado, com doutorado em Lisboa, estudando sobre o tema.

Entrevista com Sandro Parente, advogado, com doutorado em Lisboa, estudando sobre o tema.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Intimada pelo Supremo, PGR defendeu ação contra apenas 3 perfis bolsonaristas

2 comentários

  1. Entre o Daniel Dantas e um favelado, quem vai sobreviver é o homem da grana, mesmo que tenha muitas comorbidades.

    Resumindo, quem decide quem vive e quem morre é o poder aquisitivo do enfermo

  2. Pelo que tenho.observado não se trata realmente de uma escolha de Sofia. A demanda alta demais impõe um processo cartesiano num plano representado por IDOSOS x JOVENS, sendo desprezados os demais parâmetros do protocolo. A tendência é escolher o jovem transformando o idoso num gato de Schrödinger.
    Juridicamente, ainda que a escolha nao apresentasse beneficio o responsável não se encaixaria num excludente de ilicitude de estado de necessidade, nos termos do art. 24 do Código Penal?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome