Refundação do Brasil: Ermínia Maricato e a defesa da reforma urbana

"Nós temos leis avançadíssimas para combater a especulação de terras e imóveis. Temos artigos na Constituição, estatuto na cidade, planos diretores, mas isso não é aplicado", diz

Luiza Castro/Sul21

Jornal GGN – A professora, arquiteta e urbanista Ermínia Maricato é a entrevistada da série “Refundação do Brasil” desta segunda (24). Em pauta, a visão sistêmica sobre a reforma urbana.

Na entrevista a Luis Nassif, Ermínia falou sobre a especulação imobiliária, as experiências em mobilidade urbana das prefeituras democráticas brasileiras, entre outros tópicos.

Ela destacou que “qualquer mercadoria não ligada ao solo, quanto mais você produz, mais abaixo o preço.” Mas isso não acontece na área de habitação. Ao contrário. “Na cidade, esse pedaço de terra tem condições que interferem no preço, como a localização. Se tem metrô próximo, infraestrutura, isso tem um preço. Em São Paulo, 20 anos de expectativa de vida separam Itaquera do Jardim Paulista.”

Para a especialista, “nós temos leis avançadíssimas para combater a retenção especulativa de terras e imóveis. Temos artigos na Constituição, estatuto na cidade, planos diretores, mas isso não é aplicado.”

Ainda de acordo com ela, todo o investimento do programa Minha Casa, Minha Vida, que chegou a 600 bilhões de reais entre 2009 a 2016, acabou, “por conta de não haver regulação sobre o solo, aumentando muito o preço das moradias e dos aluguéis”. Foi um aumento de 160% no preço dos imóveis, nesse período, e de mais de 100% nos aluguéis.

“Com esse boom imobiliário, o que aconteceu com as nossas cidades? Elas se dispersaram. Cresceram mais horizontalmente, ficou com vazios no tecido urbano, especialmente as metrópoles do Nordeste e Sul e as cidades de porte médio.”

“As câmaras municipais usaram o artificio de aumentar o perímetro urbano, e isso fez com que explodisse o preço da terra e teve um impacto forte nas viagens, que se tornaram mais longas. Aumentou o tempo de viagem, o custo e o preço das viagens”, disse Ermínia.

Segundo ela, em 2017, o IBGE já apontava que a população gastava mais em transporte do que alimentação. “É muito importante a gente reter uma regressão nas condições da vida urbana”, alertou.

Assista a partir de 10m37s:

.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. ‘Do Povo, pelo Povo, para o Povo’. De forma livre, direta, facultativa, soberana. Sem isto tudo é letra morta e farsa. 90 anos de NecroPolítica replicados em 4 décadas de farsante Redemocracia. Constituição Cidadã? 30 anos? Existem centenas de Leis para a Liberdade de Urbanização. Quem exige o cumprimento das Leis? A Sociedade Civil representada por Comunidade de Advogados que é a OAB? Mas OAB é apenas Ditadura de Federações com Monopólio Fascista da Profissão. Cancro oriundo de Ditadura Fascista. Como esperar por Ações Democráticas? O que esperar deste quase século? Se impressionar com a aberração? É muita hipocrisia e canalhice. “No Brasil, o Estado se organiza para garantir a desigualdade’. Diz Historiador de Harvard (UOL/hoje). 90 anos da Indústria da Pobreza e da Miséria. Precisa de Historiador Estrangeiro para mostrar o que Todos conhecem nestes anos todos? A Verdade é Libertadora. Basta ver como Gilberto Kassab, o braço do SICOVI é desejado por todas estruturas políticas, tanto da direita quanto da esquerda. O Político sem votos, que nunca está sem Cargos. Onde estão todas Forças Políticas Nacionais, Conservadoras ou Progressistas, a exigir REFORMA AGRÁRIA onde é mais importante? Nas CIDADES, onde mora 90% da População Brasileira. Pobre país rico. Não dá mais para esconder a merda embaixo do tapete. Ninguém esconde o mal cheiro. Mas de muito fácil explicação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome