Reuters: os riscos da retaliação do Irã ao assassinato de um herói nacional

O ataque noturno, autorizado pelo presidente Donald Trump, marcou uma escalada dramática em uma "guerra sombria" no Oriente Médio entre o Irã e os Estados Unidos e seus aliados, principalmente Israel e Arábia Saudita.

O ataque noturno, autorizado pelo presidente Donald Trump, marcou uma escalada dramática em uma "guerra sombria" no Oriente Médio entre o Irã e os Estados Unidos e seus aliados, principalmente Israel e Arábia Saudita.

Da Reuters

Irã promete vingar assassinato dos EUA do principal comandante iraniano Soleimani

BAGDÁ (Reuters) – O Irã prometeu vingança severa depois que um ataque aéreo dos EUA em Bagdá na sexta-feira matou Qassem Soleimani, comandante da força de elite Quds do Irã e arquiteto de sua crescente influência militar no Oriente Médio.

Soleimani era um general considerado a segunda figura mais poderosa do Irã, depois do líder supremo aiatolá Ali Khamenei.

O ataque noturno, autorizado pelo presidente Donald Trump, marcou uma escalada dramática em uma “guerra sombria” no Oriente Médio entre o Irã e os Estados Unidos e seus aliados, principalmente Israel e Arábia Saudita.

O principal comandante da milícia iraquiana Abu Mahdi al-Muhandis, conselheiro de Soleimani, também foi morto no ataque.

O Irã está envolvido em um longo conflito com os Estados Unidos, que aumentou acentuadamente na semana passada com um ataque à embaixada dos EUA no Iraque por milicianos pró-iranianos após um ataque aéreo dos EUA à milícia Kataib Hezbollah, fundada por Muhandis.

O Pentágono disse que “os militares dos EUA tomaram medidas defensivas decisivas para proteger o pessoal dos EUA no exterior matando Qassem Soleimani” e que o ataque foi ordenado por Trump para interromper os futuros planos de ataque iranianos.

Autoridades americanas, falando sob condição de anonimato, disseram que Soleimani foi morto em um ataque de drone. A Guarda Revolucionária do Irã disse que ele foi morto em um ataque de helicópteros dos EUA.

A preocupação com a interrupção do fornecimento de petróleo no Oriente Médio elevou os preços do petróleo para quase US $ 3.

Leia também:  Os líderes das fake news, seus seguidores e as lutas do pós pandemia, por Arnaldo Cardoso

Khamenei disse que a vingança dura aguardava os “criminosos” que mataram Soleimani. Sua morte, embora amarga, dobraria a motivação da resistência contra os Estados Unidos e Israel, disse ele.

Em comunicado divulgado pela televisão estatal, ele pediu três dias de luto nacional.

A embaixada dos EUA em Bagdá pediu a todos os cidadãos americanos que deixassem o Iraque imediatamente.

‘HERÓIS NUNCA MORREM’

Soleimani liderou a Força Quds, o braço estrangeiro da Guarda Revolucionária, e teve um papel fundamental na luta na Síria e no Iraque.

Durante duas décadas, ele esteve na vanguarda da influência militar da República Islâmica no Oriente Médio, adquirindo status de celebridade em casa e no exterior.

Os apresentadores de televisão estatais iranianos usavam imagens em preto e transmitidas de Soleimani espiando através de binóculos no deserto e cumprimentando um soldado, e Muhandis falando com seguidores.

O presidente Hassan Rouhani disse que o assassinato tornaria o Irã mais decisivo na resistência aos Estados Unidos, enquanto os guardas revolucionários disseram que as forças antiamericanas exigiriam vingança em todo o mundo muçulmano.

Centenas de iranianos marcharam em direção ao complexo de Khamenei, no centro de Teerã, para expressar suas condolências.

“Não sou pró-regime, mas gostei de Soleimani. Ele era corajoso e amava o Irã, lamento muito nossa perda ”, disse a dona de casa Mina Khosrozadeh, em Teerã.

Na cidade natal de Soleimani, Kerman, pessoas vestidas de preto se reuniram em frente à casa de seu pai, chorando enquanto ouviam uma recitação de versos do Alcorão.

Leia também:   Desbloqueados, por Atilio Boron

“Heróis nunca morrem. Isto não pode ser verdade. Qassem Soleimani sempre estará vivo ”, disse Mohammad Reza Seraj, professor do ensino médio.

Trump, que está enfrentando acusações de impeachment, não fez nenhum comentário imediato, mas postou uma foto da bandeira dos EUA no Twitter.

A presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, democrata e forte crítica ao presidente republicano, disse que o ataque foi realizado sem consulta ao Congresso e sem autorização para o uso de força militar contra o Irã.

O primeiro-ministro iraquiano Adel Abdul Mahdi condenou os assassinatos como uma violação das condições da presença militar dos EUA no Iraque e um ato de agressão que violava a soberania do Iraque e levaria à guerra.

O clérigo xiita iraquiano Moqtada al-Sadr, que se apresenta como um nacionalista que rejeita a influência iraniana e americana, ordenou que seus seguidores estivessem prontos para defender o Iraque e instou todos os lados a se comportarem com sabedoria.

O governo sírio do presidente Bashar al-Assad condenou o que chamou de agressão criminosa dos EUA.

Israel há muito tempo considera Soleimani uma grande ameaça. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu interrompeu uma viagem à Grécia e a Rádio do Exército de Israel disse que os militares estavam em alerta.

A Força Quds do comandante morto, juntamente com representantes paramilitares do Hezbollah do Líbano e do agrupamento de milícias apoiadas pelo Irã por milícias apoiadas pelo Irã – milícias reforçadas pela guerra e armadas com mísseis – têm amplos meios de resposta.

Em setembro, as autoridades americanas culparam o Irã por um ataque com mísseis e drones contra instalações de petróleo da gigante saudita Aramco.

Leia também:  A etnia Uigur de Xinjiang e a Guerra Fria contra a China, por Ruben Rosenthal

O Irã, por sua vez, recebeu vários ataques aéreos e ataques com mísseis, realizados principalmente por Israel contra seus combatentes e procuradores na Síria e no Iraque.

FIGURA LEGENDÁRIA

Analistas dizem que o Irã provavelmente responderá com força à morte de Soleimani, que sobreviveu a várias tentativas de assassinato contra ele por agências ocidentais, israelenses e árabes nas últimas duas décadas.

A Força Quds, encarregada de realizar operações além das fronteiras do Irã, apoiou o presidente da Síria, Bashar al-Assad, quando parecia quase derrotado na guerra civil desde 2011 e também ajudou milicianos a derrotar o Estado Islâmico no Iraque.

Soleimani tornou-se chefe da força em 1998, após o que ele silenciosamente fortaleceu os laços do Irã com o Hezbollah no Líbano, o governo da Síria e grupos de milícias xiitas no Iraque.

Muhandis, que foi morto com Soleimani, supervisionou a PMF do Iraque, uma aliança de grupos paramilitares que compreendem principalmente milícias xiitas apoiadas pelo Irã que foram formalmente integradas às forças armadas iraquianas.

Sua milícia Kataib Hezbollah, que recebeu treinamento do Hezbollah no Líbano, tem como alvo as forças americanas e foi um dos primeiros grupos a enviar combatentes à Síria para apoiar Assad.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. São pouquíssimos os norte-americanos que têm tanta proteção e tanta segurança quanto o Trump. Ao desencadear a fúria iraniana, o Trump não pensou nas possíveis consequências nefastas de sua tola decisão aos cidadãos estadunidenses que não têm tanta segurança e tanta proteção quanto ele.

    Já pensou em panelas de pressão cheias de pregos nos locais movimentados dos EUA, abandonadas por lobos solitários?

    O império ficaria de joelhos

    8
    1
  2. E se o Irã resolve bloquear o Estreito de Ormuz? Dizem que basta afundar três ou quatro grandes navios!! Como fica o preço e mesmo o envio de petróleo para o Ocidente? Isso obrigaria o USA a 1) invadir a Venezuela com força total, porque se supõe, o custo seria menor que invadir o Irã; 2) Matar pelos mesmos meios já usados, toda a administração da Venezuela e se apoderar do país usando os próprios chacais venezuelanos. obviamente o Brasil também seria usado, e nossos generais teriam, enfim, uma oportunidade para mostrar trabalho, talento e valentia!!!! O problema é saber que soldados seriam convocados para essa guerra. Como ficaria a psique coxinha vendo heróis na classe C?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome