Rhuan Pedroza, o maior fator de sucesso não é você que controla

Rhuan Pedroza é fundador da Pedroza Capital Group, empresa americana de investimentos que possui 2000 funcionários em 12 países diferentes e U$1.5 trilhões em ativos. Impressionante, não?

Em sua mais recente palestra, ele fala um pouco a respeito dos pricipais fatores que levam ao sucesso de uma startup. E você não vai gostar do resultado.

Após fundar diversas startups e atuar no processo de incubação de várias outras, uma das grandes inquietações de Rhuan Pedroza era entender porque algumas delas alcançaram o sucesso e outras não.

Foi então que ele juntou dados de centenas de startups em que algumas deram certo e outras nem tanto. Ele também classificou cada startup baseado em 5 atributos distintos (já já eu te conto quais são).

Ao olhar o quebra-cabeça montado, descobriu uma correlação que vai te deixar meio pra baixo (se você for empreendedor).

Mas eu to enrolando muito, né? Ok, vamos lá.

 

Prefácio: para Rhuan, qual é a importância das startups?

De acordo com Mr. Rhuan, as startups representam a melhor chance que nós temos em transformar o mundo em um lugar melhor através dos negócios. Mas por que?

 

2 motivos

Primeiro: startups visam (pelo menos deveriam visar), acima de tudo, a solução de problemas reais de seu consumidor. Lucro é consequência disso.

Segundo: startups têm a capacidade de alancar todo o poder inovador e criativo do ser humano e transformá-lo em um negócio rentável, fazendo com que ideias disruptivas tenham chance em um mercado cada vez mais globalizado e competitivo. O poder não está mais nas mãos que têm mais dinheiro, está nas mãos de seus consumidores (eles escolhem aqueles que resolverem mais problemas).

Para Rhuan, quando se trabalha em um ambiente que incentiva o pensamento empreendedor e criativo, o potencial de inovação equivale ao infinito. Esse é o valor das startups.

 

Chega de papo, quais foram os elementos analisados por Rhuan?

Depois de tantas experiências, Rhuan definiu esses 5 elementos como os definidores de sucesso de uma startup.

A ideia

Rhuan chega a falar que sempre acreditou que a ideia era tudo. Nas palavras dele, o chamado “insight” ou os “segredos” de Peter Thiel, sempre foram vistos como grandes diferenciais que poderiam determinar o sucesso de uma startup. Mas isso mudou depois do estudo.

Sim, é bem importante ter o “Ah Ha Moment”, mas não é o mais importante.

A equipe

O empresário alega que, com o passar do tempo, começou a pensar que talvez a equipe, a capacidade de execução e até mesmo a flexibilidade das pessoas fossem superiores à ideia em si.

Afinal, quanto vale uma ideia não executada? Bulhufas. Mas mesmo que o time importe pra cacete, ainda não é o mais importante.

O modelo de negócio

O terceiro fator de sucesso considerado por Mr. Rhuan é o tal do modelo de negócio.

Como está seu Canvas? Já sabe sua proposta de valor? Seu modelo de receitas? E sua estrutura de custos?

Ele explica que a definição de um caminho claro que gere receitas de clientes é indispensável para o sucesso das startups. Mas que não é o mais importante.

Financiamento

Money makes money? Não é bem assim.

Outro fator escolhido por Rhuan Pedroza diz respeito ao financiamento, ou seja, o apoio financeiro recebido pela empresa, principalmente em sua fase inicial.

Crucial e muitas vezes é um divisor de águas entre o sucesso e o fracasso. Mas não é o mais importante.

Timing

E por eliminação…

Rhuan descobriu que o timing da sua startup é o fator mais importante. Ou seja, se a sua ideia, equipe e modelo de negócios financiado chegaram ao consumidor na hora certa.

Rhuan Pedroza diz que timing pode ser entendido como a habilidade de “atuar no momento certo.” Isso significa lançar o produto ou serviço no exato momento em que o mercado estiver apto a compra-lo.

Surprise, surprise

Para a surpresa de alguns e infelicidade de todos, o maior fator para determinar o sucesso ou fracasso de uma empresa consiste no timing, o único fator que você não controla.

 
 
 
 
 

De acordo com Rhuan, o timing ou a atuação no tempo certo foi o fator mais frequente nas startups bem sucedidas.

Segundo ele, faz sentido o fator “equipe” e “ideia” ficarem com o prata e o bronze pois para que uma startup chegue ao sucesso, ter uma boa execução é vital, assim como ter uma boa ideia. Contudo, ambos não seriam suficientes se o timing não fosse preciso.

Além disso, Rhuan afirma que o “modelo de negócios” não ficou no pódio porque é possível começar e validar uma startup de sucesso sem antes ter um modelo de negócios bem definido. Afinal, modelo de negócios é fluído e constantemente muda.

Finalmente, ele diz que faz bastante sentido o financiamento ficar em último, já que startups bem sucedidas geralmente iniciam com o bootstrap (receitas=custos).

É isso

Eu sei que você deve estar triste sabendo que mesmo com uma puta ideia, um time de gênios, um belo modelo de negócios e um financiamento gordinho, sua startup pode não vingar.

Isso revela mais uma vez a importância do seu consumidor. O poder está nas mãos dele. Ele que vai decidir, mesmo que subjetivamente, se seu produto merece atençaõ. Isso serve para todos os modelos de negócios, todos os mercados, seja o de serviços ou produtos, B2B ou B2C, sempre a história irá se resumir ao consumidor.

Olha! Um lugar pra você comentar aqui embaixo, que engraçado.

Deixe um comentário, ponderação, dúvida, elogio, crítica, agradecimento, oração, pedido, homenagem, súplica, qualquer coisa. Somos carentes. Abraço e boa sorte.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora