Ritmo de recuperação econômica é o mais lento da história

Estudo mostra que Brasil está há 22 trimestres abaixo do nível pré-crise; lentidão não encontra precedente na história do país

Produção externa é que está suprindo a demanda do país; recuperação é a mais lenta da história. Foto: Reprodução

Jornal GGN – O Brasil está passando pelo mais lento processo de recuperação econômica de sua história, em ritmo inferior inclusive ao das recessões mais severas pelas quais o país já passou.

A afirmação consta de estudo elaborado pelo vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e presidente da Abiplast, José Ricardo Roriz Coelho, e divulgado pelo jornal Valor Econômico.

A análise foi elaborada a partir de dados do Codace (Comitê de Datação de Ciclos Econômicos), e mostra que o Brasil está há 22 trimestres abaixo do nível pré-crise (entre 2014 e 2016). Antes, o período mais longo que o atual para a volta do ritmo pré-crise foi de 18 trimestres, visto na recessão entre 1989 e 1992.

Em média, o Brasil levou oito trimestres para sair dos ciclos de recessão registrados desde 1981.

No caso da indústria, o levantamento não mostra melhora até o momento. Segundo os dados apurados por Roriz, a produção do setor ficou praticamente no zero a zero em 2019 e segue 18% abaixo do pico verificado em setembro de 2013.

Enquanto a indústria não reage, o relatório mostra que o varejo tem acelerado, ampliando a distância entre os dois, o que significa que a produção externa é que está suprindo a demanda no país.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Na análise da era Trump, EUA se debruçam sobre a herança escravagista

2 comentários

  1. …E com as medidas tomadas e planejadas, vai piorar, “família”…
    Uma hora o nível fica tão baixo que se estabiliza ou cresce mixarias.
    Mas prosperar para valer
    Só os mesmos de sempre:
    A banca, financistas, ruralistas
    E os que estão comprando o país.

    Oops, esqueci: sertanejos, funkeiros, apresentadores de TV, alguns jogadores de futebol e quetais. Todos cada vez mais medíocres.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome