Rodrigo Maia oficializa bloco de 11 partidos para sua sucessão

Do PT ao PSL, 269 deputados compõem grupo de apoio ao atual presidente; segundo Gleisi Hoffmann, defesa da democracia une a todos

Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

Jornal GGN – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), oficializou um bloco de 11 partidos para a disputa da Mesa Diretora em sua sucessão, programada para fevereiro de 2021.

Os partidos que integram o bloco são PT, DEM, PDT, PSB, MDB, Cidadania, Rede, PV, PcdoB, PSDB e PSL, em um total de 269 deputados.

“Enquanto alguns buscam corroer e lutam para fechar nossas instituições, nós aqui lutamos para valorizá-las. Enquanto uns cultivam o sonho torpe do autoritarismo, nós fazemos a vigília da liberdade. Enquanto uns se encontram nas trevas, nós celebramos a luz”, afirma Maia, ao ler documento assinado por representantes dos 11 partidos que destaca a projeção da Casa ao longo dos últimos dois anos, por ter se tornado “a fortaleza da democracia, o território da liberdade, exemplo de respeito e empatia com milhões de brasileiros”.

“Esta não é uma eleição entre o candidato A ou o candidato B. Essa é a eleição entre ser livre ou subserviente. Ser fiel à democracia ou ser aliado do autoritarismo. Ser parceiro da ciência ou ser conivente com o negacionismo. Ser fiel aos fatos ou ser devoto das fake news”, diz o documento, segundo a Agência Câmara.

A presidente do PT, deputada Gleisi Hoffman (PR), afirmou que a defesa da democracia une todos os partidos, apesar das diferenças entre algumas siglas na agenda econômica.

“Em defesa da democracia, das instituições e da liberdade”, afirmou a deputada, ressaltando que os partidos de oposição também vão apresentar um nome para ser analisado pelo bloco para disputar a eleição da Câmara.

Além do presidente da Câmara, os deputados que assinaram o documento representando seus partidos foram Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente do partido; Pedro Uczai (PT-SC), Luciano Bivar (PSL-PE), presidente do partido; Felipe Francischini (PSL-PR), líder; Baleia Rossi (MDB-SP), presidente do partido; Isnaldo Bulhões Jr. (MDB-AL), futuro líder; Alessandro Molon (PSB-RJ); Rodrigo de Castro (PSDB-MG), líder; Mário Heringer (PDT-MG); Arnaldo Jardim (Cidadania-SP);  Enrico Misasi (PV-SP); Orlando Silva (PCdoB-SP) e Gustavo Fruet (PDT-PR).

 

 

Leia Também
Oposição confirma apoio ao candidato de Rodrigo Maia
Oposição acena apoio a candidato de Rodrigo Maia
Arthur Lira nega mudanças em Lei da Ficha Limpa
Para Maia, governo “antecipou” sua sucessão
“Aderi para ter protagonismo”, diz Ramos sobre chapa de Arthur Lira
STF barra reeleição de Maia e Alcolumbre: é inconstitucional

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. Nao está descartada ainda, nao, a hipótese! de acordo entte a udn e o psd, entre a “frente liberal”, o pds e grande parte do mdb. O que querem é a ressurreição da aliança demotucana dos anos 90. Só! acaba quando termina.

    PS: O que acontece com essa programação dos comentários, heim?! Só piora?

  2. Estamos no tempo da ´naturalizar´ e o GOLPE já está engolido, BOZO idem… de Golpe a Bozo, eleições para e no Congresso, vamos seguindo a rotina histórica de um país que não se incomoda com ´p.´ nenhuma. O Brasil, historicamente, nunca teve um projeto, um rumo claro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome