Rodrigo Maia pede limitação de militares na estrutura do governo

Em entrevista, presidente da Câmara dos Deputados diz que pretende ajudar na construção de uma terceira via à polarização PT-Bolsonaro em 2022

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ) deixará a presidência da Câmara dentro de seis meses e, além de defender a limitação à presença de militares da ativa na estrutura do próximo governo, revelou que vai ajudar a construir uma candidatura que seja uma opção à polarização PT x Bolsonaro.

“É importante separar o Estado e o governo. As Forças Armadas estão no Estado. Os gestores públicos, os ministros, o presidente estão no governo. É importante que fique claro que há um muro. Não é algo contra os militares que estão no governo Bolsonaro, mas esse debate vai acontecer, no mínimo, para o próximo governo, para que fique clara essa separação”, disse Maia, em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo. “Quem vem para cá (governo) vai precisar não ter vínculo com o Estado. Quando um militar da ativa entra no governo ele traz parte do Estado e, muitas vezes, pode misturar as coisas, e é importante que a gente consiga organizar isso”.

Sobre as eleições de 2022, Maia diz ter condições e que pretende ajudar a construir um projeto para a disputa – ressaltando seu desejo em construir um ambiente que, em suas palavras, “saia dos extremos”.

“Se não surgir um candidato que tenha uma agenda reformista na economia e menos radical na questão dos valores, pode se repetir. A sociedade é conservadora, mas o radicalismo de um lado ou de outro vem gerando essa polarização”, pontuou o deputado.

 

Leia Também
Bolsonaro quer aumentar salário de servidores para se reeleger
Verba do fundo partidário financia dirigentes e aliados
Dallagnol não era procurador natural da Lava Jato e o antecessor teria contrariado Moro
As mais lidas da semana no GGN

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora