Rondônia e o “laboratório do conservadorismo”

Apoiado pela tríade “boi, bala e bíblia”, governo elabora lista de livros clássicos considerados “inadequados”; decisão não foi levada adiante, mas ela não é um fenômeno isolado na região

Porto Velho, capital de Rondônia. Foto: Reprodução

Jornal GGN – Autores clássicos como Machado de Assis, Euclides da Cunha e Mário de Andrade voltaram a ser destaque na mídia, diante da decisão do governo de Rondônia de elaborar uma lista com 43 obras clássicas da literatura a serem recolhidas das escolas, por serem considerados livros “inadequados às crianças e adolescentes”.

Embora o secretário de Educação do Estado, Suamy Vivecananda Lacerda Abreu, tenha vindo à mídia afirmar que essa lista era uma fake news, a informação foi corroborada pela divulgação de um áudio atribuído à gerente de Educação Básica de Rondônia, Rosane Seitz Magalhães. Na mensagem do WhatsApp, ela diz que o recolhimento foi “um pedido do nosso secretário”.

A Secretaria de Estado da Educação de Rondônia publicou uma nota em que afirma ter analisado as informações, mas que não levou as ações adiante por considerar a acusação inadequada. Contudo, após a repercussão nacional do caso, o Estado decretou sigilo sobre os documentos da Secretaria de Educação, e educadores locais preferiam não se manifestar a respeito por medo de retaliações.

“A inserção de sigilo na documentação não pode ser interpretada como um mero erro. É um exemplo claro do ódio à transparência e de uma tentativa de ocultamento da prática de censura”, afirma Vinicius Miguel, advogado e professor universitário da UNIR, que concorreu ao Governo do Estado pela Rede, em 2019, em entrevista ao jornal El País.

A postura adotada pelo governo local não é de todo surpreendente. Atualmente governado pelo ex-coronel da Polícia Militar, Marcos Rocha (filiado ao PSL, partido no qual Jair Bolsonaro se elegeu presidente), o Estado de Rondônia funciona como uma espécie de farol para o conservadorismo no país.

Leia também:  Manchetes dos jornais dos EUA

Estruturado na tríade boi, bala e bíblia, o Estado do Norte brasileiro concentra o maior percentual de evangélicos do país (cerca de 34% da população) e também é afetado pela grande concentração de militares em suas fronteiras. Muitos locais consideram a floresta um obstáculo para o desenvolvimento, e o bolsonarismo acabou por agregar pessoas que compartilhavam dos mesmos valores.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. O pais sob o dominio de abecedarianos que adotaram a aversào ao conhecimento como politica de estado…

    Voltamos a Era da Inquisiçao com sua lista de livros proibidos

    “(…)Em determinados momentos da história obras de cientistas, filósofos, enciclopedistas ou pensadores como Galileu Galilei, Nicolau Copérnico, Giordano Bruno, Nicolau Maquiavel, Erasmo de Roterdão, Baruch de Espinosa, John Locke, Berkeley, Denis Diderot, Blaise Pascal, Thomas Hobbes, René Descartes, Rousseau, Montesquieu, David Hume ou Immanuel Kant tenham pertencido a esta lista, tendo algumas dessas sido removidas mais tarde.

    Alguns famosos romancistas ou poetas incluídos na lista são: Laurence Sterne, Heinrich Heine, John Milton, Alexandre Dumas (pai e filho), Voltaire, Jonathan Swift, Daniel Defoe, Vitor Hugo, Emile Zola, Stendhal, Gustave Flaubert, Anatole France, Honoré de Balzac, Jean-Paul Sartre, Níkos Kazantzákis, e o sexologista holandês Theodoor Hendrik van de Velde, autor do manual sexual “Ideal Marriage: Its Physiology and Technique”.

    Teve um grande efeito por todo o mundo católico. Por muitos anos, em áreas tão diversas como Quebec, Portugal, Brasil ou Polônia, era muito difícil de encontrar cópias de livros banidos, especialmente fora das grandes cidades.

  2. Rondônia é o Brasil que não conhecemos. Um pedaço da Nação que nem sabíamos que existia. Salvo por Paulistas, Paranaenses e Gaúchos que migraram ‘na cara e coragem’ para colonizar a Amazônia, atrás de terras para seu arroz. Arroz e Alimentos que Ambientalistas de Shopping Center, Greta’s da vida e Interesses Europeus fora pseudo-Progressistas dizem que a AgroPecuária, o AgroNegócio Brasileiro não produz e que está destruindo 1% da Amazônia (segundo índices de desmatamento de ONG’s Internacionais Bilionárias ( que recebem dinheiro dos Seus, para sabotar Nosso País e seus Interesses, do Nosso próprio Governo, mesmo “não governamentais” e de Documentários sobre Florestas Tropicais vendidos por todo planeta. Florestas que eles não possuem. Como se dá o milagre? Obra, Projeto e Trabalho de Latinos, Asiáticos, Africanos ou NorteAmericanos e Europeus?) Indústria da Miséria e da Vitimização. 90 anos anos alimentando a doutrinação. Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

    11
    • Caro Zé Sergio: nao, vc está enganado. Está EVIDENCIADO que o agronegócio da Rede Globo DESTRÓI a floresta amazônica, fundamental p regulação de chuvas no continente. Gaúchos, paranaenses e paulistas IGNORANTES foram p Rondônia (antes de 1988, era um território, nao UF) c o intuito de EXPLORAÇAO PREDATÓRIA, pois como odeiam o MST, nao sabem o q é AGROECOLOGIA. O governador e o presidente que os rondonenses elegeram nao passam de VERMES ENTREGUISTAS que nao conhecem dinâmica economica e partilham c vcs o que há de mais ATRASADO em pensamento agroindustrial. Largue a Biblia, ignore os milicos e vá buscar informação.

  3. Conservador é outra coisa. O governo desse Oficial da PM é fascista mesmo. O passo seguinte à recolha seria queimar os livros. Talvez usando crianças no processo de doutrinação fascista. Ou não ?

    4
    1
  4. A Bíblia também não é um livro adequado.
    O Antigo Testamento, então, é uma carnificina sem igual. Com o adicional que se “pode ensinar” à garotada que, caso estiver de piupiu acordado, faça o que quiser fora de casa, mas seja santo dentro dela (não foi o Nelson Rodrigues quem escreveu).
    Nem a Ilíada chega perto. Os deuses são falíveis, conflitam.

    • Poderiamos dizer que o AT da bíblia foi concebido por pessoas que hoje integrariam o PSL, DEM, PSC. Já o NT teria o dedo de quem integraria o PT e parlamentares progressistas de quaisquer partidos.
      Haveria, então, a possibilidade de acabar com o generalismo adotado quando se trata do apoio evangélico, criando uma segmentação que permitiria resgatar aquela parcela da população que sempre alinhou com forças progressistas.
      Acredito que esta cegueira que permite apoio de parte da massa à aberração que hoje governa o brasil só é possivel à partir da doutrinação produzida por farsantes, lideres de algumas seitas neopentecostais que desvirtuam a doutrina cristã em troca de poder e dinheiro.

  5. Finaliza o artigo com: “…o bolsonarismo acabou por agregar pessoas que compartilhavam dos mesmos valores.”
    Discordo!
    Se existe algo que seguidores deste governo infame jamais compartilhariam é “valor”. Trata-se de um amontoado psicótico, incapaz de alguma produção decente.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome