Secretário de Bolsonaro terá cinco dias para se explicar à justiça sobre contratos da Secom

Segundo denúncia, Fábio Wajngarten recebe dinheiro de publicidades contratadas pela própria secretaria

Foto: Reprodução/ Instagram

Jornal GGN – O Secretário de Comunicação Social (Secom) de Jair Bolsonaro, Fábio Wajngarten, terá cinco dias para se explicar à Justiça Federal em Brasília. O chefe da secretaria é acusado de corrupção, por meio de esquema que envolve a empresa FW Comunicação e Marketing, na qual é sócio majoritário.

A decisão desta sexta-feira, 20 de janeiro, é da juíza federal da 1ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal, Solange Salgado. Wajngarten terá que se explicar sobre contratos da FW Comunicação com o governo.

O secretário adjunto da Secom Samy Liberman, o ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni  e Jair Bolsonaro também foram intimados a prestar esclarecimentos, segundo informações de O Globo.

Na semana passada, o jornal Folha de S. Paulo revelou que a empresa FW, da qual o secretário tem 95% da sociedade, mantém contratos com cerca de cinco empresas, entre emissoras de televisão e agências de publicidade, que repassam à ele dinheiro de publicidades contratadas pela própria secretaria. Band e Record estariam envolvidas no esquema. 

O pedido de investigação tem origem em ação popular protocolada pelo presidente do PSOL, Juliano Medeiros, e o líder do partido na Câmara, deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP). No pedido, o PSOL pede a suspensão das nomeações de Wajngarten e Liberman. De acordo com a justiça, a decisão deve ser tomada após as manifestações. 

“Considerando-se a necessidade de obtenção de mais esclarecimentos acerca do assunto em pauta, notadamente (A) em razão da especificidade da matéria e das alegações mencionadas na causa de pedir próxima e remota, (B) que demandam o prévio estabelecimento do contraditório assegurado constitucionalmente[1] e no art. 9º, caput, do CPC[2] , e que deve subsidiar, em regra, as decisões judiciais; e (C) para que seja oportunizada à parte contrária o contraditório acerca dos fatos mencionados na causa de pedir, é imprescindível a oitiva da parte contrária, antes de apreciar o pleito de suspensão liminar do alegado ato lesivo impugnado”, disse Salgado no despacho.

O prazo para as explicar passa a valer a partir da data que em Wajngarten for notificado, o que deve acontecer ainda nesta segunda-feira.

2 comentários

  1. Já comentei em outras matérias por aqui sobre as fortes ligações do Fábio Wajngarten com Bolsonaro.Fabio e o Meyer Joseph Nigri(dono da tecnisa) foram os grandes articuladores da campanha do Bolsonaro. Eles fazem parte da comunidade judaica de SP e foram os responsáveis pela indicação do oncologista, Antonio Luiz Macedo e pela transferência do Bolsonaro para o Albert Einstein após a “facada”.O atual chefe da Secom é filho do cardiologista Mauricio Wajngarten que trabalha no Einstein.Fabio Wajngarten teve livre acesso ao quarto do Bolsonaro na época das internações no Einstein.Portanto esse daí só será demitido do cargo se as demais forças que sustentam esse desgoverno permitirem.

  2. Nova política!!!
    A diferença para a velha politica é que agora fazem na lata, barbarizam muito. Poucos dias alem de 1 ano de desgoverno e tem é paradinha. Muita…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome