Senadores querem sustar última portaria assinada por Weintraub

Três projetos podem ser votados na próxima semana; portaria do MEC revogou recomendação de política de cotas para minorias em cursos de pós-graduação

Último ato de Weintraub como ministro da Educação foi revogar portaria de inclusão em programas de pós-graduação das universidades federais Foto: Reprodução

Jornal GGN – Três projetos no Senado Federal buscam sustar a última portaria assinada por Abraham Weintraub no Ministério da Educação (MEC), que revogou a recomendação de uma política de cotas para negros, indígenas e pessoas com deficiência nos cursos de pós-graduação das universidades federais.

Os projetos para sustar a portaria foram apresentados pelo líder da Rede, senador Randolfe Rodrigues (AP), pela líder do Cidadania, senadora Eliziane Gama (MA), com a bancada do partido, e pelo líder do PT, senador Rogério Carvalho (PT-SE), com a bancada do partido e a senadora Zenaide Maia (Pros-RN).

Segundo informações da Agência Senado, o texto revogado por Weintraub é de 2016, e ele exigia das universidades federais a promoção de políticas de cotas em programas de pós-graduação. A norma em questão determinava que as instituições federais de ensino superior apresentassem propostas de inclusão em seus programas de mestrado e doutorado e criassem comissões para discutir e aperfeiçoar ações nesse sentido.

Durante a sessão deliberativa remota desta quinta-feira, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do PDL 284/2020 classificou a atitude do ministro de “infame”. Para ele, a portaria é inconstitucional e ofende direitos de minorias.

“No apagar das luzes da gestão do Ministro Weintraub, ele editou essa medida infame, que ofende os a particularidade dos direitos dos povos indígenas, ofende uma conquista histórica da luta do movimento negro brasileiro e ofende a evolução civilizatória de conquistas como essa das políticas de cotas. Nós não podemos permitir que isso avance”, disse Rodrigues.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, informou que os projetos apresentados nesta quinta-feira foram recebidos pela Secretaria Geral da Mesa e prometeu incluir os textos na pauta da próxima semana.

 

Leia Também
Senador pede apreensão de passaporte de Weintraub
Nome de Weintraub pode ser barrado no Banco Mundial
Banco Mundial diz que Weintraub fica na entidade até outubro, cumprindo atual mandato
Weintraub deixa o Ministério da Educação e assumirá diretoria no Banco Mundial
Do Banestado à Lava Jato: o passado de Sergio Moro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Torço que Weintreub consiga o posto do Banco Mundial. Lá, sem seu público de loucos e ignorantes, verá o tamanho de sua mediocridade, será colocado em seu devido lugar. Comparo esse personagem que nem o genial Dias Gomes teria criado ( um ministro da educação analfabeto) a um Ed Wood do Mal. Ed Wood é considerado o pior diretor de todos os tempos, que acreditava de verdade que cada plano que dirigia era uma obra prima, assim como Weintreub tem a certeza de que se trata de um gênio incompreendido. Porém, ao contrário de Weintreub, Ed Wood era uma pessoa boa e generosa, sendo que foi o único a dar acolhida a um decadente e viciado Bela Lugosi, que se imortalizou no papel de Drácula. E o último ato de Weintreub no ministério, o fim da política de cotas para pós-graduação, mostra um triste paralelo com a Solução Final = quando o regime nazista se deu conta que a guerra não teria como ser ganha, decide, em 42, que antes que eles fossem derrotados, eles eliminariam da Europa os judeus, a quem eles sempre usaram de bode expiatório pra grave crise da Alemanha pós primeira guerra. Aliás, é algo que não descarto se Bolsonaro estiver com a certeza de que será tirado do poder = ordenar que suas milícias armadas e pms acabem com todos aqueles que defendem tudo o que Bolsonaro abomina, um assassinato no estilo Marielle em escala industrial. Obviamente Lula estará entre os primeiros nomes da lista.

    • Nazismo? Que absurdo, amigo. A graduação já tem cota, de maneira que, segundo os defensores dessa política, a partir daí as injustiças foram corrigidas e todos estão no mesmo patamar. Querem agora a cota da cota, na pós? E depois o que virá? Precisamos é corrigir o desastre que se tornou o ensino público básico, coisa que nem o Weintraub nem ninguém nas últimas décadas fez.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome