Setor público consolidado tem déficit de R$ 23,7 bi em março

Dados do Banco Central apontam o pior resultado para o mês desde 2018; superávit acumulado no ano chega a R$ 11,7 bilhões

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O setor público consolidado apresentou um déficit primário de R$ 23,7 bilhões no mês de março, o pior resultado para o mês desde 2018, segundo dados divulgados pelo Banco Central. No ano, o resultado primário acumulado foi superavitário em R$ 11,7 bilhões, ante um resultado superavitário de R$13,3 bilhões no mesmo período do ano anterior.

Ao longo do período, tanto o Governo Central como os governos regionais apresentaram déficits de R$ 21,4 bilhões e R$ 2,7 bilhões, respectivamente, enquanto as empresas estatais ficaram superavitárias em R$ 405 milhões.

Os juros nominais do setor público consolidado, apropriados por competência, alcançaram R$ 56 bilhões em março, comparativamente a R$ 43,5 bilhões no mesmo mês de 2019.

De acordo com o BC, os dados foram afetados pelos números das operações de swap cambial (perda de R$12 bilhões em março de 2019 e de R$31,3 bilhões em março de 2020), que foi parcialmente compensado pela redução da taxa Selic e do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) no período. No acumulado em doze meses, os juros nominais alcançaram R$ 394,5 bilhões (5,37% do PIB), comparativamente a R$ 384,5 bilhões (5,53% do PIB) no acumulado até março do ano anterior.

No conceito conhecido como resultado nominal (que incorpora os juros da dívida pública na conta), o déficit chegou a R$ 79,7 bilhões em março. No acumulado em 12 meses, o déficit nominal alcançou R$ 457,9 bilhões (6,24% do PIB), elevando-se 0,22 ponto percentual do PIB em relação ao déficit acumulado até fevereiro.

 

Leia Também
Guedes afirma que BC pode emitir moeda sem impacto inflacionário
Propostas de ação no campo econômico-produtivo para o “dia depois”, por Renato Dagnino
Está na hora de abrir as discussões sobre emissão de moeda, por Luis Nassif

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora