Setores das Forças Armadas começam a mostrar incômodo com Bolsonaro

Episódios envolvendo militares da ativa – incluindo a confusão sobre os números da Covid-19 – aumentam desgaste do governo

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A última semana marcou o aumento do desgaste do governo Jair Bolsonaro entre segmentos do serviço ativo das Forças Armadas.

Além dos questionamentos existentes a respeito da identificação militar com o governo, outros três fatores ajudaram a aumentar tal desconforto, principalmente a confusão em torno da divulgação dos números da Covid-19.

Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, o desempenho do ministro interino, o general da ativa Eduardo Pazuello, foi visto com reserva, e a decisão dos militares que estão na pasta em acompanhar a ordem de Bolsonaro e mudar o parâmetro da contagem de mortos foi vista como danosa às Forças Armadas.

Outro fator considerado de risco foi o decreto do Ministério da Defesa que permite ao Exército operar aviões de asa fixa, e não apenas helicópteros, o que gerou uma forte reação na Força Aérea – a Aeronáutica viu nessa sobreposição de posições um agrado ao Exército, onde Bolsonaro chegou ao posto de capitão.

O terceiro ponto de impacto foi a revelação de que o Exército está prestes a fechar um acordo com a fabricante de pistolas SIG Sauer – empresa objeto de lobby pessoal do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Diante de tantas interferências, os oficiais da ativa seguem o alto grau de ansiedade estabelecido pela política de Bolsonaro e os ministros egressos da caserna. Embora exista apoio entre os militares, ele vem caindo conforme aumenta a graduação.

 

Leia Também
Subnotificação do coronavírus é 7 vezes maior do que números oficiais, mostra estudo
OCDE projeta queda de 7,4% para o PIB brasileiro em 2020
Caso Marielle dá passo decisivo enquanto Polícia descarta envolvimento dos Bolsonaro
A vida pregressa de Sergio Moro: saiba como ajudar o projeto do GGN

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Governo estuda prorrogação do auxílio emergencial

15 comentários

  1. As ações da PF contra os governadores pode acelerar o processo de queda do governo eleito em 2018.

    Mesmo que não seja, a operações podem ser interpretadas como perseguição política, o que vai acender o alerta nos controladores do capital e os agentes do mercado financeiro.

    Em um cenário em PF e Receita federal assume um posição de polícia política, todos aqueles que não se submeteram ao governo estará sujeitos a estas supostas perseguições, inclusive empresas.

    Além disso, acaba também com o livre mercado, já que tem as informações poderá atuar com enorme vantagem nos mais diversos mercados, principalmente os dos juros futuros e no mercado de câmbio.

    6
    1
  2. Que importância tem para o povo brasileiro ( a maioria vivendo na pobreza) a existência de alguns militares insatisfeitos com o capitão terrorista, quando todos sabemos, inclusive as forças armadas, que o país está sendo destruído em sua base material, social e cultural. Quanto à política, nem interessa mais discuti-la, face à dominação do Estado pelas grandes corporações e pela classe rentista. O que se observa é que os militares brasileiros têm como único objetivo estratégico, conservar as fronteiras territoriais, entregando toda a riqueza natural e o patrimônio social ao controle dos bilionários e a população ao controle da polícia e das milícias.

    11
  3. O bolsonário não chegou ao posto de capitão enquanto na ativa.
    Foi guindado à capitão quando da reserva, por lei inconstitucional que dá aos militares o direito de ascenderem na carreira quando se aposentam eou são aposentados. Mais criminoso, impossível.
    E se há militares incomodados é pelo fato de ainda não terem sido chamados para engordar os contracheques no final do mês via cargos comissionados neste desgoverno.
    No mais, seguem satisfeitos na caserna a conversar fiado ou nas canchas de esportes a praticar o corpo em mentes adormecidas de cérebros “lavados-a-jato”.

    • Asas são os componentes das aeronaves que lhe conferem sustentação em voo.
      O certo seria “aeronaves de asas fixas”, em oposição à “aeronaves de asas rotativas”.
      Estas últimas são os helicópteros, cuja sustentação é promovida pelas hélices, as quais são as suas asas rotativas.
      Ao EB já é permitido operar helicópteros.

    • A título de curiosidade quanto a sua exigência de redesignação sobre “avião de asas fixa”, pergunto-lhe respeitosamente: Avião bate asas como os pássaros? Ou teriam, por impossibilidade de faze-lo, asas fixas por padrão.

      1
      1
  4. Há alguns anos houve uma discussão sobre a inclusão de disciplinas das áreas de ciências sociais, econômicas e humanas nos currículos de formação das forças armadas. Rejeição total! Está aí o resultado. Sem formação básica nestas áreas, foi fácil formar fieis (!) seguidores do neoliberalismo nos cursos rápidos e conferências nos States ou promovidos pelos americanos, onde os expoentes militares são convidados a participar.

  5. INSATISFEITOS?? aH, pera aí vai … incomodados, frustrados, envergonhados, insatisfeitos mas não fazem nada! Não aguento mais esse nhen nhen nhem de que as FAs não compactuam com o governo do Bolsonaro e seus Malucos Amestrados…Eu.. ó, eu aqui, um pobre “zé das couves”, quando não me sinto à vontade, quando estou insatisfeito com algo ou alguém, fujo daquilo que está me deixando naquela situação. Simples! Não compactuo com nada. Quero distância! Agora, os Generais ouviram e assistiram aquelas mais de 2 hs de gravação. De xingamentos e palavrões. Diálogo de deixar uma moça da vida com vergonha. Viram e ouviram um ministro bolsonaristas acabar com o STF. E aí, fica tudo bem! Só na indignação. Olha, hipocrisia tem limites! Não acredito. Se as FAs quisesse deixaria Bolsonaro, seus 3 filhos malucos, seu ministério de malucos.. todos quietinhos, pianinho. Funcionária sim, como as FAs gostaria que funcionasse e pronto. O resto é conversa mole!

  6. As FAs entraram com tudo no governo Bolsonaro. E estão loteando cargos de todos os escalões para eles e apadrinhados. Gostaram do poder e querem se lambuzar, aparelhando as instituições. Qual é a diferença entre a ativa e a reserva, se muitos que são da ativa estão no governo? Assumiram o risco. Agora, que arquem com os prejuízos à sua imagem por participar de um governo genocida e incompetente. Acho é pouco, já que quem pagará o pato com a gestão catastrófica da pandemia é o povo.

  7. Eu nem sei o que o nosso fã do Churchill Tupiniquim afirmou mas eu vou dar um like pra ele, sem saber nem o que ele disse só pra esse otário cair fora, ir procurar a turma dele
    Yeahhhhhhhh!

  8. Conversa de que os militares, como instituição está preocupada com os rumos do governo, ora, não são os guardiões da república? Se fosse assim, nem estariam na estrutura do governo federal, pelo que entendi, com quase três mil, isso de militares da ativa, goela desse povo, se bobear, vão garantir esse vômito, que caí sobre as nossa cabeças, todos os dias.

  9. Já não se fazem mais MILITARES! Essa classe deveria tomar um rumo, e saber que , quem deve algo a ELES é esse Genocida e não o contrário! Lembrando que sou daqueles que sabem que essa INGUA a qual chamam de presidente, nunca foi militar, e jamais se portará como um, e para complicar, sabemos todos e todas que o INEPTO bolsotrouxa, foi excluído a bem da disciplina, e quem é militar sabe o que é isso! Então convenhamos, já deviam ter retirado esse apoio de mão única, ou vocês vão ficar submetido à um 1ºTEN até quando? rs. Lembra também a história do Hitler, um cabo velho da reserva kkkkkk comandou não só as forças armadas, mas o país inteiro, o quão a loucura de vocês? Vergonha alheia de usar uma farda e ter que defender ISSO QUE ESTÁ AÍ! Vergonha! #adssumus #selva

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome