Técnicas favorecem agricultura sustentável

Existem mecanismos capazes de contribuir para uma agricultura sustentável. O Brasil já é reconhecido pelo desenvolvimento de algumas delas, realizadas dentro da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa. Em 2008, a instituição estabeleceu parcerias internacionais passando a integrar redes de pesquisas agrícolas com os Estados Unidos e países da Europa, no âmbito do projeto Laboratórios Virtuais da Embrapa no Exterior (Labex).

No relatório Desafios para uma agricultura sustentável, a Embrapa aborda soluções encontradas para tornar a produção, de alimentos e matrizes energéticas, economicamente viável e com menor impacto negativo sobre o meio ambiente. E destaca que o lucro social obtido a partir de 112 tecnologias desenvolvidas, proporcionou R$ 18,3 bilhões à instituição – estima-se que cada real investido na empresa gera em torno de R$ 12,55 reais à sociedade brasileira.

Agricultura Familiar


Dentre as tecnologias produzidas, para favorecer os pequenos agricultores, estão as variedades transgênicas de feijão, resistentes a vírus do mosaico dourado feijoeiro. A téA técnica desenvolvida não gera proteínas estranhas às plantas, evitando a causa de alergias ou toxidades, diminuindo, ao mesmo tempo, os custos com a aquisição de inseticidas para controle de doenças.

A empresa também desenvolveu um sistema de manejo para criação de abelhas sem ferrão, nativas do Brasil. Agricultores se beneficiam da espécie para a polinização de lavouras e produção de mel como renda complementar.

Agronegócio

Para a cobertura de grandes áreas, foi criado um biofertilizante – obtido pela junção de cinco tipos de bactérias fixadoras de nitrogênio. O produto foi desenvolvido para a cultura da cana-de-açúcar, reduz o uso de fertilizantes nitrogenados, favorecendo ganhos econômicos e ambientais.

A Embrapa também tem estudos para o manejo de irrigação voltado a lavora de café, num período de estresse hídrico. A técnica controla a quantidade de água necessária para garantir a florada única e uniforme. “A vantagem é a obtenção de 85% de grãos ‘cereja’ no momento da colheita, maximizando a produção de cafés especiais, de maior valor de mercado, e reduzindo o consumo de água e energia em 33%”, afirmam os pesquisadores.

Políticas Públicas

Existem também trabalhos voltados para o planejamento Municipal – Sistema de Suporte ao Planejamento e Levantamento Agrícola Municipal (e-Sisplam), e de sequestro de carbono. O último, analisa o monitoramento das transformações de solos de cerrado. “Em 27 anos [os estudos] revelam que áreas cobertas com pastagens de Brachiaria decumbens [espécie vegetal] sequestram mais carbono que o cerrado nativo, sejam pastagens adubadas (94 toneladas/ano) ou sem adubação (45 toneladas/ano), desde que não haja superpastejo ou queimadas”, explicam.

Em 2008, foi criado o PAC Embrapa com investimentos extras de R$ 914 milhões, até 2010, totalmente voltados para o Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária (SNPA). O montante também favorecerá a contratação de pessoal. No ano passado, foram efetivados 565 novos funcionários, sendo 77 pesquisadores, em reposição a 475 pessoas desligadas da instituição.

Em 12 anos a Empresa perdeu 1500 funcionários, mas a instituição prevê o recrutamento de um total de 1.211 profissionais, até 2010, recompondo seu quadro.

Para acessar o relatório da Embrapa na íntegra, clique aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora