The Guardian: Lula deixa prisão para comparecer ao funeral do neto

O jornal destaca que Lula reiterou sua inocência perante líderes políticos e parentes que se reuniram naquele momento triste

Jornal GGN – O jornal inglês The Guardian noticiou a ida do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao funeral e enterro do neto Artur. O jornal destaca que Lula reiterou sua inocência perante líderes políticos e parentes que se reuniram naquele momento triste.

Descreve que foi libertado às 7h da prisão em Curitiba e que voou para São Paulo, onde pegou um helicóptero para São Bernardo do Campo, onde aconteceu o funeral. Diz ainda que a programação era de que retornasse à sua cela no final da tarde.

Publica a nota do site de Lula, de que falou no funeral. “O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse no funeral de seu neto que quando eles se encontrarem no céu, ele trará prova de sua inocência por todo o bullying que Artur sofreu na escola por ter um avô na prisão”, disse a nota, acrescentando que que Lula disse que iria provar que o promotor e juiz que o prenderam mentiu.

“Lula estava muito triste, com muita dor, destruído por dentro, como qualquer ser humano que tem que enterrar seu filho que morre de forma trágica”, disse João Pedro Stedile, coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, de esquerda, à Associated Press. . “Mas politicamente, é impressionante … ele nos disse: ‘Fique forte, eu vou sair, eu sou inocente'”.

O funeral representou a primeira saída de Lula da prisão desde o dia em que foi preso, em abril de 2018. Diz que enquanto líderes partidários, incluindo a ex-presidente Dilma Rousseff, foram prestar seus respeitos, bem como apoiadores que se reuniram do lado de fora do cemitério, outros disseram que Lula não deveria ter permissão para participar.

Leia também:  Procurador da "Mãos Limpas" critica proximidade de Moro e Deltan

“Lula é apenas um preso e ele deveria estar em uma prisão comum”, escreveu o filho do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, no Twitter na sexta-feira. “Quando os parentes de outros presos morrerem, eles também serão escoltados pela polícia federal para o funeral? É absurdo até contemplar isso. Isso só o deixa posar como um coitadinho”.

O jornal relata que o filho de Bolsonaro, depois das gritas, excluiu o tweet.

Outro relato é o de que, em janeiro, Lula não foi autorizado a ir ao funeral de seu irmão, apesar das leis brasileiras que concedem aos presos permissão para sair para os funerais de familiares próximos.

Diz ainda que a prisão de Lula dividiu o país: alguns acreditam que a justiça está sendo feita a um político corrupto enquanto outros dizem que ele foi injustamente perseguido pela elite do Brasil e por um judiciário partidário.

Por fim, o jornal lembra que Lula foi presidente entre 2003 e 2010 e estava pronto para concorrer novamente em outubro, mas foi barrado devido à sua condenação. O seu partido, o PT, diz que é um prisioneiro político, finaliza o jornal.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Mais uma vez este jornal , que se diz tão reputado, não entra no merito da questão. È tão simples, basta que traduzam os autos de condenação feitos pelo atual Ministro da Justiça, para se perceber a sordidez da sentença. O jornal menciona que LuLa “ALEGA” ser inocente. O jornal prefere ilações a jornalismo

  2. Todos os políticos podem ser acusados de envolvimento em corrupção, e não tem como escapar dessas acusações, culpados ou não.
    As acusações não têm a finalidade de prender ninguém, só tem o propósito de manter a politica sobre controle. Os Serras, Aécios, Richas, Bolsonaros e etc, jamais serão presos, não importa as provas que tenham contra eles, mas políticos como o Lula não têm a mesma sorte, para eles a justiça é curta e grossa e as provas não são tão importantes.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome