Traficantes evangélicos e vice-versa

O meu Rio de Janeiro não é para principiante. Uma nova facção entre traficantes evangélicos e a milícia foi revelada pelos jornais locais, dando origem ao “Complexo de Israel”

 

A polícia descobriu que a união prevê invasões a favelas dominadas pela maior facção do tráfico do Rio, Comando Vermelho, rival de ambas. 

 

Nas favelas onde já circulam e dominam, as religiões de matrizes africanas estão sendo proibidas. 

 

As imposições vão desde a expulsão de pais e mães de santo da localidade, como a proibição de moradores a usarem roupas brancas, que são referências às religiões afro-brasileiras. 

 

Integrantes da milícia que se recusam a participar do acordo são executados. 

 

O crescimento e o empoderamento do crime organizado no Rio cresceu com a chegada do atual presidente da república ao poder. 

 

O ‘Complexo de Israel” sugere, eu disse sugere, que suas atividades se estenderão para além das vielas da zona norte do Rio. O indicativo é de que outras organizações possam participar desse pacto. 

 

As igrejas evangélicas têm poder considerável dentro das favelas, alguns fiéis já são considerados soldados, a influência do pastor é essencial para a aceitação de políticas públicas enviesadas de perdas de direitos. 

 

Bolsonaro autorizou que grupos privados como clínicas, laboratórios, hospitais e assemelhados importem vacinas contra a Covid-19. 

 

Isso sugere, eu disse sugere, uma participação do “Complexo de Israel” depois de ampliado, no contrabando dessa mercadoria. 

 

Ricardo Mezavila , cientista político

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora