TRT suspende demissões de funcionários de subsidiária da Petrobras

Decisão foi tomada após impasse em audiência realizada em Curitiba; suspensão é válida até 06 de março, quando ocorrerá nova rodada de negociações

TRT suspende demissão de funcionários de subsidiária da Petrobras no Paraná. Foto: Reprodução/FUP - Federação Única dos Petroleiros

Jornal GGN – A desembargadora Rosalie Michaele Bacila Batista, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 9ª Região, determinou a suspensão da demissão dos trabalhadores da Araucária Nitrogenados (Ansa), empresa subsidiária da Petrobras localizada na região metropolitana de Curitiba.

A sessão foi realizada nesta terça-feira (18/02) em Curitiba. A decisão foi tomada devido a um impasse entre as partes na audiência de conciliação – as partes não chegaram a um acordo sobre como amortecer o impacto das demissões em massa realizadas pela ANSA, que está em período de hibernação, na iminência de encerrar suas atividades.

Ao todo, serão 396 trabalhadores desligados, entre eles funcionários que ingressaram na companhia há 30 anos via concurso público. Também serão demitidos cerca de 600 empregados terceirizados. Até a última sexta-feira, 144 profissionais foram demitidos.

As partes terão duas semanas para analisar as propostas formuladas na audiência e terão que levar o resultado das negociações na próxima sessão, marcada para o dia 6 de março de 2020. Até lá, a ANSA se compromete a suspender as demissões e os funcionários, a suspender a greve, inclusive encaminhando pedido para cessação da greve dos petroleiros em âmbito nacional durante esse período.

A ANSA alega que o fechamento da companhia decorre de prejuízos financeiros que acontecem desde 2013. “Somente de janeiro a setembro de 2019, a Araucária gerou um prejuízo de quase R$ 250 milhões”, afirma a empregadora. Já em 2016, a Petrobrás anunciou em seu Plano Estratégico que sairia integralmente do negócio de fertilizantes. Desde então, a estatal vem tentando vender a ANSA. Sem sucesso, a decisão empresarial foi de encerrar as atividades, sendo obrigada a desligar seus funcionários.

Os empregados, representados pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Petroquímicas do Estado do Paraná- SINDIQUÍMICA-PR, alegam que a ANSA descumpriu cláusula do Acordo Coletivo firmado entre as partes, referente à dispensa coletiva. Segundo o texto, a estatal não pode promover despedida coletiva, motivada ou imotivada, sem prévia discussão com o Sindicato. O sindicato ressaltou que os funcionários foram informados do programa de demissões via e-mail, e não tiveram a chance de debater a questão.

Leia também:  Entidades pedem missão da ONU contra negacionismo de Bolsonaro

Outro ponto defendido pelo Sindicato é o reaproveitamento dos empregados em unidades do grupo econômico da própria Petrobrás, hipótese que não teria sido oferecida pela empresa. Essas questões resultaram na greve, que dura quase vinte dias.

A ata da reunião pode ser consultada clicando aqui. A audiência foi gravada, e pode ser vista abaixo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Demissões, nesta altura da realidade brasileira? Deixar de produzir Fertilizantes Brasileiros, para depois importá-los em dólar, com os espetaculares AgroPecuária, AgroNegócio Brasileiro alimentando o Planeta? Projeto de enorme sucesso produzido por Gudin e Ditadura Assassina Caudilhista Esquerdopata Absolutista Fascista de Getúlio Vargas. AntiCapitalismo de Estado. Cabeça torna-se em rabo. É fácil entender a tragédia construída nestes 90 anos. Pobre país rico. Mais desemprego, desindustrialização e desnacionalização, Gudin? Mas de muito fácil explicação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome