Veja e o processo de desqualificação das mensagens da Vaza Jato

Moro e a Lava Jato lidam com a Vaza Jato assim, pela perspetiva do trabalho fruto de um crime. Veja e a linha de investigação da Polícia Federal ajudam nisso

Jornal GGN – É sutil, mas está lá. Nas entrelinhas da matéria da revista Veja sobre o hacker Walter Delgatti Neto, transcorre a tentativa de desqualificação das mensagens de Telegram que mostraram ao País o “lado B” da Lava Jato em Curitiba.

Delgatti foi apontado pela Polícia Federal como responsável por invadir o celular de mais de 80 autoridades e repassar o conteúdo sobre Lava Jato para o site Intercept Brasil. Ele está preso na Papuda, onde a Veja o entrevistou por cerca de 20 minutos.

Na reportagem, Veja diz que Delgatti comprometeu também os militares ao invadir o celular de Walter Braga Netto, atual chefe do Estado-Maior do Exército. Acusou o general de comandar um núcleo militar que filmou uma execução e distribuiu no aplicativo de conversação. “É a palavra de um criminoso contra a de um general com excelente reputação”, frisa a revista.

Mais à frente, Veja mostra que o hacker teria invadido o celular de Jair Bolsonaro, mas não encontrou nada. No aparelho dos filhos, teria obtido prova dos disparos em massa durante as eleições.

Depois avança mais um pouco e chega a Januário Paludo, agora acusado de ter negociado propina com o candidato a delator Renato Duque. O procurador de Curitiba nega, e a Veja destaca, de novo, que o Ministério Público Federal prefere defender um dos seus, a acreditar num criminoso.

A cereja do bolo é Veja informando que a Polícia Federal já tem um acordo de delação com outro rapaz envolvido na quadrilha: Luiz Henrique Molição, um “militante petista” ligado à família de Antonio Palocci, que se comprometeu a entregar detalhes contra Delgatti.

Foi o “militante petista” responsável por delatar a suposta tentativa de vender o conteúdo das mensagens de Telegram ao Intercept. Delgatti, que pode pegar 20 anos de prisão, nega.

Leia também:  A vertigem do “mais natural dos regimes”

Com essa cartada, já é possível imaginar Sergio Moro dizendo que as mensagens foram vazadas por um “militante petista” e, por isso, não têm valor nenhum.

Até agora, Moro e a Lava Jato em Curitiba lidam com a série da Vaza Jato assim, pela perspetiva do trabalho fruto de um crime. A matéria de Veja e a linha de investigação da Polícia Federal ajudam nisso.

Não admitem nem rechaçam o teor das mensagens. Escondem-se atrás de uma alegada falta de perícia para constatar o valor do material e insinuam adulteração, sempre buscando o benefício da dúvida entre os seguidores mais fanáticos.

Apontam, sempre que podem, para o crime de Delgatti. Porque é melhor do que responder, no mérito, pelas conversas comprometedoras.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. O trabalho de desmascarar um grupo protegido é dificil. Mas como não conseguem negar os diálogos já estao parcialmente nus, e a história se encarregará de enterra-los no lixão.
    Quanto as reputações, eram ilibadas as dos assassinos e torturadores da ditadura militar, até que a história mostrou suas verdadeiras carrancas.

    12
  2. São bandidos e pronto. Só Gilmar Mendes concordou com os Hackers porque tem interesse em Desqualificar um Trabalho Inédito da Justiça Brasileira. Bandido Não passa RECIBO por isso a Lava Jato teve que trabalhar muito para Chegar aos Assaltantes de Nação, a Quadrilha PTista. Trabalho de anos. Pior que tem muito mais com os Filhos do Homem mais Honesto do Brasil. Lulinha, quem diria Aprendeu tudo com o papai!

    11
    • Você é um vagabundo nojento, defensor de bandido miliciano e odiador da esquerda por pura burrice e lavagem cerebral político-partidária. Os vagabundos da Máfia a Jato, como mostrados pelo próprio GGN, estão envoltos com todo tipo de propinagem e venda de sentenças, além de tentativa de roubo de bilhões dos cofres públicos para suas “fundações”. Agiram de forma partidária desde sempre, limitando as investigações a 2003 eprotegendo aliados como Álvaro Dias, como hoje blindam bolsonaro. Pra eles os colegas propineiros (Paludo) são inocentes sem nem precisar de investigação, e os que eles não gostam são condenados na imprensa ante sda sentença.

      Você é um asno. Fica vomitando sobre “quadrilha petista” porque é um analfabeto e não sabe que foi o único governo que deixou investigar, que criou a CGU, fortaleceu e não interferiu nas polícias e nos MPs. Como o o seu montador Bolsonaro agora faz, nomeando o politiqueiro Moro como seu advogado e quebrador de sigilo de processos, e Aras como seu defensor na PGR.

    • Porque não chegou ao FHC, cujo caso é semelhante ao do Lula?

      Tratar de forma igual pessoas iguais poderia me liberar alguém cujo apoio era essencial aos Jatoeiros.

      O ódio cega e o Coxinha não percebe

    • A palavra de criminosos não é digna de crédito. Se eles confessarem os crimes de que são acusados, acabarão sendo absolvidos.
      Eu sou assim, não sei se os crentes são como eu.

  3. Tem que criar cursos para Hacker nas Universidades, só assim vai ter transparência nos bandidos Procuradores, 20 anos de cadeia no lombo para um criminoso procurador é pouco !

  4. esses caras inventam e desinventam as narrativas do jeito que seja melhor para eles.
    (enquanto durar esse estado de exceção seletivo – sempre contra os interesses da maioria da população e em benefício dos sempre beneficiados e expropriadores financistas do famigerado mercado – estaremos fodidos e mal pagos).

  5. A revista dos salões de cabeleireiros até tentou ,vamos reconhecer,sair do esgoto que sempre a notabilizou.
    No entanto,após tanto tempo nesta podridão,mal cheirosa que é,ficou sem convívio com o restante da sociedade e abandonada por seus queridos parceiros mal cheirosos.
    A saída foi retornar rapidamente as tubulações de esgoto onde reina como poucos.

  6. Se as palavras de criminosos não têm credibilidade, porque a Lava Bosta fecha acordo de delação com eles, premiando-os com a impunidade e com a lavagem oficial dos produtos dos seus crimes?

    Quando convém, o MPF dá crédito à palavras de criminosos.

  7. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome