Venezuela: Situação ainda é difícil, mas golpe da extrema-direita fracassa

Além de Juan Guaidó, EUA e Bolsonaro – que cantaram vitória muito cedo – são os grandes derrotados no golpe que fracassou hoje. Mas situação do país ainda é muito difícil

Foto: CARLOS GARCIA RAWLINS/Agência Brasil

Por Antonio Martins

Em Outras Palavras

Venezuela: A extrema-direita perde mais uma

Talvez nem fosse preciso, mas as pegadas de Washington, na nova tentativa de golpe de Estado que a Venezuela sofreu hoje, ficaram claras na fala que o Conselheiro Nacional de Segurança dos EUA, John Bolton, fez esta tarde, na Casa Branca. Ela beira o bizarro.

Conhecido por seu papel destacado entre a extrema-direita norte-americana, Bolton nomeou, um a um, os funcionários do governo venezuelano que, segundo ele, teriam participado da conspiração militar para entregar o poder a Juan Guaidó, “presidente” autoproclamado. “Figuras como o ministro da Defesa, Vladimir Padrino, o chefe da Suprema Corte, Maikel Moreno, o comandante da guarda presidencial, Rafael Hernandez Dala. Todos concordaram que Maduro tinha de ir embora. É muito importante que agora cumpram seus compromissos…”.

Bolton teria caído em cilada? Seus supostos interlocutores faltaram ao encontro. E às 19h de 30/4, quando se escreve esta nota, parece claro que, por hoje, o golpe fracassou. Guaidó estaria em busca de refúgio na embaixada da França. Outro político opositor, Leopoldo López, já rumou para a representação diplomática do Chile. Coube ao governo Bolsonaro um papel menor: oferecer alívio a 25 militares – todos de baixa patente – que se somaram à aventura fracassada.

A intentona começou pela manhã. Por volta das 9h, o autoproclamado Guaidó apareceu na Praça Altamira – zona nobre de Caracas – ladeado, segundo os jornais internacionais confiáveis, de alguns militares fortemente armados. Também o acompanhava Leopoldó Lópes, que escapara pouco antes de sua própria casa, onde cumpria prisão domiciliar. Guaidó garganteou contar com apoio militar e anunciou que começava, com suas palavras, a “Operação Liberdade”. Dessa vez, ele entraria, enfim, no Palácio Miraflores. Para isso, convocou a população a “ir às ruas”.

Leia também:  Após discurso de Bolsonaro, prefeitos reafirmam autonomia sobre medidas de proteção contra coronavírus

O apoio social foi escasso, como demonstram as múltiplas imagens da jornada de hoje. Mas alguma sustentação na caserna, o autoproclamado obteve – tanto que rumou para a Base Aérea de La Carlota, situada no coração da capital. Ainda é incerto que tenha conseguido adentrar. Pouco a pouco, o grosso dos comandantes militares manifestou seu apoio ao presidente Nicolás Maduro. Por volta do meio dia, o ministro da Defesa – o Vladimir Padriño com quem John Bolton contava – anunciou na TV estatal que a “violência de alguns membros das Forças Armadas” estava debelada.

A jornalista venezuelana Luz Mely Reyes, que o Guardian britânico considera fonte confiável, construiu, então, uma tantativa de explicação para o fiasco. Houve precipitação, segundo ela. Oputsch estava programado para mais adiante. Foi subitamente antecipado porque alguns opositores temiam que a informação vazasse e Gaidó fosse preso. Tratou-se, a crer nesta hipótese, de quartelada típica, sem adesão popular – e portanto sujeita tanto a nascer quanto a perecer na caserna.

Já nas primeiras horas da manhã, a Casa Branca apoiou a movimentação golpista – “pela democracia”, segundo informou em novilíngua… Mas os EUA não foram os únicos a se pendurar na brocha. Jair Bolsonaro apressou-se a fornecer seu apoio. Além de um tuíte matutino, em que chamou Nicolás Maduro de “ditador apoiado pelo PT, PSOL e alinhados ideológicos”, convocou reunião do Conselho de Defesa Nacional. É provável que, nela, tenha prevalecido a posição dos militares, muito menos delirante que a da família presidencial. Ao final do encontro, o general Augusto, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), apressou-se a dizer que considera Guaidó “fraco militarmente”; que o autoproclamado agiu provavelmente numa ação de “autopropaganda”; e que “eles sabem que não vamos intervir”.

Leia também:  EUA acusa Nicolás Maduro de tráfico de drogas

A derrota do golpe merece ser celebrada – ainda mais numa conjuntura em que a direita latino-americana defronta-se com a crescente crise argentina, e pode ser tentada a resolver suas dificuldades pelo caminho da violência. Mas os problemas de fundo da Venezuela não terminaram. Continua atual o dossiê que Outras Palavras publicou a respeito, há dois meses. Entre os textos, destaca-se uma análise do cientista político Edgardo Lander, crítico do chavismo pela esquerda. Ele sustenta: o processo produziu reformas profundas, mas jamais libertou-se do extrativismo, este elemento crítico a herança colonial que marca a América Latina. Só o futuro dirá se ainda há tempo para sair da cilada — e manter a ultra-direita distante.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Depois do Brasil,a única joia da coroa ainda existente na América Latina é a Venezuela e o tempo corre contra aqueles que querem usurpá-la assim como fazem com o Brasil.
    Dentro da geopolítica,então,a coisa fica mais complicada. A China e a Rússia tem leitura semelhante aos falcões do norte,com sinais trocados,obviamente.Neste momento,com as eleições argentinas aproximando-se,e com a situação no país vizinho piorando a cada dia,a manutenção do governo venezuelano é uma verdadeira ducha de água fria nos golpistas mundiais,ainda mais com os resultados pífios,até agora,conseguido no Brasil.
    Assim,difícil prever o desenrolar dessa história já que os golpistas do norte jogam um tudo ou nada e seu poderio militar e golpista é imensurável.
    Contudo,depois do ocorrido com alguns golpistas de primeira hora no Brasil,como o ex ocupante da cadeira da presidência da Câmara dos Deputados,responsável direto pelas manobras o impeachment fraudulento da presidenta Dilma,hoje preso,e de outros,que forma verdadeiros marionetes dessa gente e já fizeram visitas ao xilindró e correm sério risco de para lá voltarem,fica difícil acreditar que algum militar venezuelano,mesmo que adocicado com a vaidade,possa cair no conto do vigário com a anistia prometida.
    Golpe,se houver,será para o militarismo assumir de vez e trancafiar os vagabundos de extrema-direita que há anos vem sabotando o país e servindo de boneco de ventríloquo para a bandidagem falcoeira.
    De qualquer forma, o presidente Maduro precisa deste bonequinho dos falcões para poder sobreviver,por contraposição,no poder,enquanto tenta,apesar do bloqueio efetuado pela sem vergonhice falcoeira,resolver os problemas imediatos da população venezuelana

  2. Torço para que a Venezuela mantenha mesmo longe o cancer da extrema direita. Senao vira argentina ou pior, brasil.

  3. não dá pra subestimá-lo,obviamente,
    mas o império caiu no ridículo ontem ao ser
    desmascarado em suas repetidas e renitentes
    mentiras infames que arrasaram dezenas de países
    pelo mundo historicamente, os úíltimos
    deles com mais destaque o iraque e o brasil….
    geralmente pelas riquezas desses países,
    como ocorreu no golpe contra dilma….
    embora tb fontes do governo tenham insistido
    que não houve nenhuma violencia, parece
    evidente que a maior vitória do bolivarianismo
    foi derrotar o império sem qualquer morte, peço que sei…
    a imagem de um pequeno grupo de golpistas civis
    jogando pedras na base aérea em caracas é a que ficará como
    símbolo do ridículo traidor e abominável golpe…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome