Vidas Paralelas: Pétain e Michel Temer

Philippe Pétain foi militar de carreira e se consagrou como herói da França ao comandar com sucesso a resistência francesa em Verdun durante a I Guerra Mundial. Ele ocupou vários cargos públicos (Ministro da Guerra, embaixador francês na Espanha, etc…) depois que a guerra acabou. Michel Temer começou sua carreira política como Secretário de Segurança Pública de São Paulo em 1984. Desde então Temer ocupou diversos cargos públicos (deputado federal, presidente da Câmara dos Deputados e vice-presidente) sem qualquer realização digna de nota.

As diferenças entre Temer e Pétain cessam no exato momento em eles se tornaram homens velhos e obsedados pelo poder. Esta é a razão pela qual ambos podem ser considerados duplos históricos. As vidas de ambos não foram paralelas no princípio (Temer nunca fez nada que o elevasse á condição de herói nacional como Pétain). As histórias pessoais do político brasileiro e do militar francês só se aproximam no final, quando eles afundaram na infâmia.

Após os alemães contornarem a Linha Maginot (construída com sua aquiescência), Pétain liderou a França de Vichy, Estado vassalo aos nazistas que foi organizado na parcela do território francês não ocupado por tropas de Hitler. O regime de Pétain colaborou ativamente com o III Reich, inclusive no que se refere à famigerada Solução Final (reunião, transporte e extermínio dos judeus em campos de concentração).

Michel Temer traiu Dilma Rousseff para usurpar a presidência do Brasil a fim de garantir a impunidade dos membros de sua quadrilha. Instalado no poder ele afundou nosso país numa depressão econômica e, como solução, começou entregar o pré-sal aos norte-americanos e europeus a preço vil. Além de privatizar a Petrobras, Temer pretende desmantelar o SUS, privatizar universidades públicas e congelar investimentos em saúde e educação por 20 anos. Ele transformou o país num paraíso para os capitalistas internacionais e num inferno para os brasileiros, cujos direitos sociais, previdenciários e trabalhistas serão reduzidos ou revogados.

Pétain serviu fielmente aos nazistas que invadiram seu país. Michel Temer serve fielmente ao capitalismo predatório estrangeiro que criou um regime nazista na Ucrânia. Ambos espionaram e reprimiram seus conterrâneos tratando-os não como cidadãos e sim como inimigos internos.  

Em suas recordações sobre a liberação da França, De Gaulle afirma que:

“Han transcurrido deiz semanas desde que París ha sido recobrado. !Cuantas cosas habrán dependido de lo que pude hacerse en ese corto espacio de tiempo! Entre el pueblo y su guía se ha estabelecido el contacto. Con lo cual queda cortada toda clase de discusión en cuanto a la autoridad nacional. El Estado ejerce sus poderes. El Gobierno trabaja. El ejército, reunificado, acrecido, más ardiente que nunca, combate a las puertas de Alsacia, en los Alpes, en la costa atlántica, codo a codo con nuestros aliados. La administración funciona. La justicia cumple su cometido. Se consolida el orden público. Están en curso amplias reformas, alejando la amenaza de transtorno que pesaba sobre la nación. Se ha conjurado la bancorrota; el Tesoro se halla pasablemente colmado; la moneda salvada por una temporada. Y, sobre todo, Francia recobra la conciencia de si misma y mira hacia el futuro.” (Memorias de Guerra – La Salvacion (1944-1946), Luis de Caralt editor, Barcelona, 1970, p. 48)

Ainda não conseguimos derrubar o duplo de Pétain e destruir o Brasil de Vichy criado para atender apenas os interesses dos capitalistas que conquistaram nosso petróleo sem dar um só tiro. O prazo de validade de Temer, porém, está chegando ao fim. Quando voltar ao poder pelo voto popular (ou pelas armas), Lula poderá enunciar palavras semelhantes às que foram ditas por De Gaulle. Todavia, nem mesmo ele conseguirá nos impedir de perseguir os golpistas e entreguistas que ousaram suprimir nossa soberania política. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Cinegnose lança livro "Bombas Semióticas na Guerra Híbrida Brasileira: Por que aquilo deu nisso?", por Wilson Ferreira

1 comentário

  1. Acho um dos maiores absurdos

    Acho um dos maiores absurdos a não-execução de Petain…

    Até pq aqui nossos golpistas todos são velhacos, se formos fazer isso aqui….

    Quero execução até parao Hélio Bicudo. Não queroo perdão para ninugém.

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome