Você não estava aqui, um retrato dramático da uberização

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Memória: mutuários, o primeiro movimento civil contra a ditadura

1 comentário

  1. O difícil para muitos, é aceitar que o momento em que o mundo vem se aproximando paulatinamente do caos, quando a alta complexidade vai se unindo com a baixa previsibilidade, ocorre no momento em que nós estamos vivenciando. Neste cenário, amplificam-se as dualidades: crenças/descrenças; realidade dos fatos/fake news; ilusão/realismo; fanatismo/ódio e tantas mais contradições a confundir. E o pavor advindo da insegurança destes tempos, além das tantas perturbações mentais e psíquicas, vão tornando o homem mais bruto/cruel e menos humano/empático e abrem espaço para que situações levem a uma certa glamourização da ruína humana – travestida de empreendedorismo/criar seu próprio destino e se vai criando a ilusão do “what a wonderful world”. A pecha de ser um “inovador”, em ambiente de caos, é o maior delírio de todos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome