WikiLeaks: Israel queria estrangular Gaza

Bombardeamentos em Gaza duruante a guerra promovida por Israel

  p { margin-bottom: 0.21cm; }a:link { }

Dois meses antes do ataque das tropas israelitas à Faixa de Gaza, baptizada por Tel Aviv de “Operação Chumbo Fundido”, a embaixada dos EUA em Israel preocupava-se com a política do governo israelita de estrangular economicamente a Faixa de Gaza, trazendo sérias dificuldades também à Autoridade Palestiniana. É isso que se constata da leitura de um telegrama de Outubro de 2008  obtido pela WikiLeaks e divulgado pelo diário norueguês Afterposten.
No telegrama, a embaixada adverte que a política das autoridades israelitas era a de “manter a economia de Gaza no mais baixo nível possível”, no limiar da crise humanitária.
O governo israelita considera que manter o shekel (a moeda israelita) como a moeda dos territórios palestinianos é do interesse de Israel, mas encara as transferências de moeda para os territórios como uma questão de segurança nacional, decidida pelo Conselho de Segurança Nacional israelita e não pelo Banco de Israel.
Esta política de estrangulamento deixou em maus lençóis a Autoridade Palestiniana, controlada pela Fatah, que se viu impedida de pagar aos seus funcionários – enquanto o Hamas, no governo de Gaza, conseguia pagar aos seus. As autoridades de segurança israelitas afirmavam que na lista de pagamentos da Autoridade Palestiniana estavam muitos militantes do Hamas, e por isso pouco se importavam com as dificuldades da Fatah.
A embaixada “encorajou o Governo de Israel a rever esta política”, diz-se no telegrama, mas os diplomatas americanos reconheciam não esperar qualquer mudança por parte de Israel.
Dois meses depois, começou o ataque a Gaza.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador