Xadrez de um interino com a marca da suspeita

1.    Ecos da delação de Sérgio Machado.

Eco 1 – Segundo o repórter Jorge Bastos Moreno, em frase atribuída a um Ministro Palaciano:

“O presidente, citado injusta, mentirosa e irresponsavelmente, não deixaria, por coerência, Henriquinho sair só por isso. Seria, paradoxal, com a indignação do governo com essas mentiras. Seria referendar essas mentiras”. (http://migre.me/u7K5J)

Henriquinho é amigo de Jorge, que é amigo de Temer, que é amigo do Ministro que é amigo do Henriquinho, que vem a ser o Ministro do Turismo demissionário. Todos são amiguinhos e atuam em corrente – com exceção de Jorge, que é apenas o Américo Vespúcio das caravelas cabralinas. O índice 3 de adjetivação do amigo do Jorge e do Henriquinho demonstra elevado grau de preocupação.

Eco 2 – do próprio Temer.

Quero fazer uma declaração a respeito da manifestação irresponsável, leviana, mentirosa e criminosa do cidadão Sérgio Machado”.

Assim como o amigo de Henriquinho, a profusão de adjetivos visa refletir a indignação de Temer. O índice 4 de adjetivação denota situação de alta tensão do interino.

E, aí, apelou para uma frase temerária: “Se tivesse cometido o crime de que Machado me acusou em delação premiada, não teria condições de governar o país” (http://migre.me/u7K8G). E alertou que se pronunciava como ser humano, homem e presidente da República. Ah, bom!

Eco 3 – sobre o significado das palavras.

Provavelmente o significado que quis dar à frase era o de que, se está presidindo o país, logo não poderia ter cometido o crime de que Machado o acusou. A lógica é outra: o próprio Temer admite que a imputação que lhe foi feita por Machado configura um crime que, se comprovado, o inabilitaria a continuar presidindo o país.

É simples conferir a veracidade do episódio. Basta levantar:

·      se, no dia do encontro informado por Sérgio Machado, a Base Aérea de Brasília recebeu Temer e Machado no mesmo horário.

Leia também:  Um show de cultura popular para Darcy Ribeiro com Arismar do Espírito Santo e convidados

·      Se a Queiroz Galvão efetivamente depositou R$ 1,5 milhão para o PMDB nacional.

·      Se, no mesmo período, o PMDB nacional transferiu R$ 1,5 milhão para a campanha de Gabriel Chalita.

·      Conferir o fato com o presidente da Queiroz Galvão, a empresa doadora.

·      A ordem cronológica dos fatos.

Se as cinco condições forem confirmadas, como ficaria a situação do presidente interino? Continuaria valendo sua afirmação de que “não teria condições de governar o país”? Ou teria sido apenas uma frase solta, irresponsável, escapista, retórica, vazia de um interino que se destaca no uso dos adjetivos, como forma de contornar o substantivo?

É uma bela questão para Jorginho, ops, o repórter Jorge Moreno trabalhar.

2.    Desdobramentos da ação do interino

O abate de Henriquinho em pleno voo é apenas o primeiro dos desdobramentos de um nova leva de denúncias sobre a tribo que se aboletou no poder.

Ontem, no seu discurso, Temer apresentou os pontos positivos do seu governo, como que uma carta-testamento extemporânea, assinalando o que o país perderia com sua saída. Informou o país que em qualquer lugar onde aparece é saudado como um salvador. Por modéstia, evitou confessar que, dificuldades de audição, fazem com que entenda o grito nacional do momento como #simboraTemer, um estímulo ao homem que não teme o ridículo.

O arremate da ópera foi o deputado Pauderley Tomas Avelino apresentando as excelsas virtudes do governo Temer: a qualquer suspeita, ele responde com a demissão imediata do suspeito, mostrando determinação. Nesse tropel, com o nível do seu Ministério, o interino ainda terá muitas oportunidades para continuar mostrando determinação.

No Jornal Nacional, a explicação do deputado Pauderley, provavelmente filho de Paula e Vanderley (com Y), veio logo após a reportagem em que se revelava que a situação de Henriquinho já era conhecida há tempos, o próprio Temer foi aconselhado a não nomeá-lo, mas a lealdade do cappo falou mais alto.

Leia também:  Xadrez do auto-impeachment de Bolsonaro, por Luis Nassif

O interino mostra, assim, ao lado das qualidades da prontidão, a de lealdade.

3.    E volta-se à questão da hipocrisia

Ontem, no JN, o interino Temer estava tão deslocado no papel de presidente indignado, quanto seu chanceler José Serra vivendo o papel de diplomata. Nos últimos tempos Serra tem aparecido em entrevistas de corredor falando em tom mecânico, voz baixa, escandindo cada sílaba como manda o figurino do Itamarati. É admirável sua capacidade de assimilação de novos papéis.

Mas, voltando a Temer, qual o nível de credibilidade de sua aparição ao vivo? No papel, o nível 4 de adjetivação pode passar ao leitor algum sentimento de indignação. Ao vivo, em cores, na boca e nas expressões do interino, passa uma emoção similar à do cardeal Ratzinger cantando ópera.

Independentemente de linhas políticas, nenhum cidadão minimamente informado conseguiria crer na inocência do interino, meramente analisando suas expressões faciais procurando demonstrar indignação.

Menos o amigo Jorge, que defendeu o interino, valendo-se da lógica pauderleyana.

Segundo Jorge, o presidente fez o que “a Nação sempre esperou: respostas de seus governantes”. “Foi contundente”, sentenciou Jorge.

O dicionário define contundente como “aquilo que não se pode contestar”, ou seja, o inquestionável, ou seja, o argumento que convence a multidão. Dá para sustentar que convenceu? Para o amigo Jorge “se convenceu ou não, é outro problema”.

Pode ser também que Jorge, com enorme sutileza, tenha querido insinuar o outro significado de contundência: aquilo que causa contusão.

Como fica, aos olhos da nação, pessoas com a ficha de Gedel, Eliseu Padilha, Moreira Franco e o próprio Temer, comandando uma organização que, a cada dia que passa, tem seu viés criminoso exposto à Nação e, ao mesmo tempo, abrindo uma brecha de R$ 170 bilhões no orçamento e negando o reajuste de 9% nos valores irrisórios do Bolsa Família, que consumiria apenas 0,6% dessa sobra? Ou reduzido em 90 mil matrículas o FIES deste ano?

Leia também:  Fora de Pauta

Hoje, os beneficiários do Bolsa Familia irão receber seu pagamento. Já estava previsto o reajuste pela inflação, provisionados os recursos. Mas o grupo dos 4 tratou de tirar o pão da boca dos famintos para entregar à gula dos políticos. De forma contundente, é claro.

Apenas a cegueira dos muito apaixonados permitirá fechar os olhos a essa tragédia brasileira, de um país da dimensão do país, que logrou reconquistar as liberdades democráticas, que consolidou uma das mais avançadas constituições do mundo, cair nas mãos do que de pior a política produziu nas últimas décadas. E, como a maioria da opinião pública não tem a sensibilidade do amigo Jorge, esse jogo não vai longe.

Ontem previ o crescimento da campanha por novas eleições.

Retifico: a campanha a ser deflagrada será por uma nova Constituição. A de 1988 foi avacalhada pela ousadia do baixo mundo e pela tibieza do alto clero. Tornou-se refém do baixo clero que invadiu a Esplanada comandado pelo condomínio dos homens probos.

Sempre é hora para o recomeço.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

83 comentários

  1. Nassif

    Parabéns pela análise. E desabafo.

    A sua indignação é tão grande que até seu estilo de escrever está diferente nesse artigo.

    Mais irônico, Parece o PHA.

    Não é pra menos! Esse desgoverno se supera a cada dia que passa.

     

  2. .

    Se a Constituição de 1988, até hoje, não fora regulamentada em muitos de seus artigos para a implementação/execução de sua eficácia, imagine-se uma “nova constituição” feita sob a “égide” de cientistas políticos e de juristas de renome (onde estarão?) bem assim, sob o “olhar” dessa “oab que aí está”.

    • Elaboração da constituição

      Penso o mesmo. Dificilmente será melhor do que a de 88.

      Agora, a única esperança é que a eleição da constituinte não terá, formalmente, a participação de pessoa jurídica.

  3. Eleições gerais

    A tese de que a convocação de eleições gerais referendam, em parte, o golpe faz sentido. O problema é que a governabilidpaíschegou a um nível baixíssimo, com um Congresso dominado por congressistas comprados, corruptos e sem representatividade. Qualquer presidente que ocupar o cargo vai estar refém desse Congresso e, mesmo honesto como Dilpolítico, jurisicará impedido de governar. Esse Congresso atual de baixíssima representatividade corre o risco de alterar leis, criar novos jabutis e inviabilizar o país por muitos anos no futuro. Dito isso, para evitar um mal menor, concordo com a tese de eleições gerais, o mais rápido possível. Uma nova Constituinte poderia ser benéfica, mas o estado de conflagração e polarização do país no momento podem indicar que esse não é o melhor momento para a criação de diálogos e 

    consensos. Isso tornaria uma nova Constituinte algo muito arriscado, pelos males que pode também trazer. Eu diria que o país está a beira de uma conflagração séria. Se políticos, juízes e mídia (hegemônica ou não) tiverem um mínimo de juízo (o que eu não sei se têm), defenderiam a tese de novas eleições gerais para já.  

    P.S. Discutir se políticos,  juizes e mídia hegemônica têm juízo, fica para uma outra oportunidade. Se não têm, é hora de começar a ter.

     

     

     

     

  4. Juizo, ora o juízo…

    Até o menos informado tem uma idéia do grau de conflagração em que o país está. Quando no auge do pedido do impeachment, Lewandowisk foi pedir aumento à Dilma ficou clara a alienação do que seria o tribunal mais importante do país. O mesmo em relação a um Legislativo com a representatividade mais baixa em décadas. A mídia hegemônica nunca foi boa, mas agora está a cavar sua própria sepultura defendendo um governo ilegítimo e composto por cleptocratas. Portanto, é hora do Judiciário, Legislativo e mídia pararem de fingir que tudo está bem e que o povo brasileiro é composto só por idiotas. O momento não é propício a empurrar as coisas com a barriga. Está mais do que na hora de reverter esse golpeachment e estabelecer eleições gerais. Com relação a uma Constituinte, tenho minhas dúvidas, porque o grau de polarização está altíssimo e uma Constituinte supõe diálogo e espírito desarmado.

  5. Nova Constituição? MUITO CUIDADO com isso

    Àqueles que defendem ou pensam ser boa ideia a elaboração de nova Constituição advirto uma coisa, muito séria: o poder constituinte é ilimitado. Isso significa que ele não é obrigado a respeitar o ato jurídico perfeito, o direito adquirido ou sequer a coisa julgada. Significa que podem inclusive ser abolidas as atuais cláusulas pétreas (as que não podem ser alteradas, estabelecidas no art. 60, parágrafo 4º), e que podem ser extintos, por exemplo, os direitos dos trabalhadores sem sequer a necessidade de alterar-se a CLT.

    Uma Constituição não pode ser vista como lei; ela é muito mais do que isso: é um acordo fundamental sobre as instituições de um país. Se nossa Constituição é considerada avançada e cuidou de incorporar em seu texto aspectos que buscam instituir uma espécie de Estado de Bem-Estar, foi porque as forças políticas e sociais de caráter progressista represadas no pós-ditadura lograram sobrepujar poderes conservadores. Qual correlação de forças prevaleceria hoje em dia?

    Em resumo, uma nova Constituição é uma porta aberta para o golpe, o verdadeiro e talvez definitivo golpe.

    • Concordo plenamente.

      Com este clima de lavagem cerebral que foi instaurado no País, não seria adequado qualquer alteração na Constituição, apesar do STF ter “rasgado” a atual, pois as portas do inferno foram abertas e centenas de milhares de “demônios” fascistas estão à solta, assombrando a nação.

      Precisamos antes, exorcizar este País, começando pela rede Globells e mandá-los de volta à escuridão.

    • Perfeito.Não Só não acho que

      Perfeito.Não Só não acho que seja uma porta aberta ao golpe.É passar recibo ao golpe e aos golpistas.

      Hoje,para se reestabelecer a normalidade é preciso que se devolva o poder a quem foi legitimamente eleito,ou seja,a presiddenta Dilma Roussef.

      Quaquer outra formulação não passa de ingenuidade.

      Todos os que foram para as ruas defender o golpe precisam rever seus atos para que possa,minimamente,ocorrer um purificação política dessa gente,principalmente daqueles que foram ridiculamente manobrados.

      Defender novas eleições e nova constituição é desconhecer que o processo golpista está instaurado e continua em curso.

      Estas propostas são,portanto,a dewfesa do golpismo e dos golpistas.

      • Acho que você está coberto de

        Acho que você está coberto de razão, nosso problema não é a Constituição, nossa Constituição é até progressista e seria um erro enorme nesse momento político jogá-la no lixo para elegermos um novo congresso constituinte, que poderia ser até mais consevador do que o congresso atual.

         

    • Bem falado!

      Fabrício,

      Você alertou para um aspecto muito importante!

      Fico com calafrios quando se fala em novas eleições presidenciais, mas acabo concordando que se for a moeda de troca para não termos um governo tão grotesco, incompetente, oligárquico, corrupto e sem vergonha (nível de adjetivação 5), vai bem, vamos lá ver o que vai dar!

      Mas, quando se fala em reforma política, nova constituinte e o escambau… ai o que era calafrio vira pânico!

      PESSOAS QUERIDAS PERCEBAM QUE A BESTA-FERA ESTÁ A SOLTA, O CENÁRIO É TENEBROSO E NÃO TEMOS A MENOR GARANTIA QUE CONSEGUIREMOS AVANÇAR PARA UM CENÁRIO MAIS PROGRESSISTA DE IMEDIATO. (perdoe pela caixa alta)

      O ódio ao PT, às esquerdas e a tudo que tem cheiro de política social e nacionalista (progressistas), não se evaporou com a chegada dos escroques do Temer ao interinato, pelo contrário, ele está adormecido por ter momentaneamente atingido o seu objetivo de apear a presidenta do poder.

      Talvez um pouco envergonhados por não tirem um governo mais limpinho para por no lugar da Dilma, mas preparados para combater os progressistas e contam com o apoio da mídia pátria.

      Para mim a ordem do dia é a seguinte:

      – Retorno de Dilma ao Palácio do Planalto, como ponto inegociável.

      – Novas eleições se forem gerais (congresso nacional também)- aceitável como ponto de negociação com Dilma presidenta para fazer a transição a esquerda;

      – Reforma política – garantir a ausência do financiamento privado e reservar fossas para exigir uma reforma política digna  dos desafios futuros de um novo congresso nacional, este não produzirá nada que presta

      – Constituição – apresenta alguns pontos de exaustão, mais o que está mais o menos, pode ficar péssimo.

       

       

    • CONSTITUINTE JÁ!

      Não consigo deixa de observar que a imagem do Temer tem me remetido diretamente ao retrato de Dorian Gray!

      Compreendo seus argumentos Fabrício e em boa parte concordo com eles, no entanto, considerando prós e contras, cada vez mais me convenço de que esta insegurança quanto à mobilização popular por uma Constituinte traz um risco muito maior que é o de que com o avanço da deteriorização do retrato do senhor Dorian, ações e atitudes de seus convivas, no sentido de estancar a sangria e assegurar a manutenção da estrutura política possam, por meio da manipulação da indiganação geral, fortalecer centritas  fisiologistas e a direita de uma forma geral, além de seguramente promover a alimentação de oportunistas bolsanarianos e outros aventureiros, inclusive o próprio discurso de necessidade de intervenção militar. Entendo ainda que a perda do time para a Constituinte interessa aos atores externos pois possibilita ao mesmo o tempo necessário ao reagrupamento tático. Do ponto de vista interno, além da escancarada necessidade e constatação da impossibilidade de promover a Reforma Política, pacto federativo, reforma judiciária (como muito bem lembrado!) entre outras, há uma série de questões constitucionais já esgarçadas por exemplo: a amplitude do princípio da inocência (transitado e julgado), a reformulação dos atores da segurança pública, o ativismo judiciário e do ministério público, entre diversas outras questões impostas às demandas constitucionalistas. Entre prós e contras CONSTITUINTE JÁ!       

  6. Dessa vez Temer não bateu na mesa. Já acostumou?

    Dessa vez Temer não bateu na mesa. Já acostumou?

    Hummm. Interessante…

    Enxotado mais um da turma, acusado de bandidagem, e o Temer não mais bateu com a mão na mesa. Já acostumou no terceiro que cai? Desse jeito, quando chegar no sétimo, a mesa vai bater na cara dele.

    Tem mais: o Henrique Alves, acusado de bandidagem, saiu por propina de R$ 1,5 milhão. Mas o Temer também foi acusado de suposta corrupção no mesmo valor para repasse à campanha do Chalita. E então… sai só o Henriquinho. Sacanagem pura, dois pesos e duas medidas.

  7. Peças do xadrez

    Nas jogadas recentes a peça mais importante parece ser o Renan, tanto pelo monto das propinas como pela importância do cargo que ocupa. O Temer é uma fraca expressão de uma liderança de grupo que assaltou o Planalto, para se defender da lava-Jato, mas, os muros do Planalto não conseguem proteger ninguém desse grupo de traidores da artilharia da Lava-Jato, que aponta os seus canhões para todos lados. Paradoxalmente, o único lugar calmo e protegido parece ser o palácio do lado, da Dilma.

  8. Realmente esse post é

    Realmente esse post é diferente do estilo habitual do Nassif, que é, por mais escabrosa e ilógica seja a situação, descrevê-la com sobriedade e a maior riqueza de detalhe possível [ estilo A Metamorfose de Kafka]. Mas creio que o grotesco chegou a tal ponto que so se valendo da ironia beirando o escracho pra dar conta do atual momento. 

    Esse momento mostra como os analistas anti-dilma agem = quando é ela que chama gente como Henrique Alves, Padilha, Franco, isso é politicalha. Quando é Temer, o apoiado por eles, é realpolitik. Parece uma frase que li = ” com a mulher dele meu vizinho faz pornografia; com a minha mulher, eu faço amor. ”  Isso que eu chamo visões diferentes sobre o mesmo ato rss 

  9. Aviso aos navegantes. …
    Não façam nenhuma negociação de peso com esta quadrilha que está a sob risco de perder tudo.
    Como células cancerosas, assumiram controle do corpo e o vão deixando-o cada vez mais doente.
    Porém, as modernas ferramentas da cidadania proverão a dose de quimio/radioterapia necessária a remoção definitiva destes parasitas.
    Infelizmente, os danos já causados ficarão aí sempre presentes em nosso corpo para nos lembrar deste terrível ocorrido. ..

    • quem colocou eles lá foi a ‘governabilidade’ do governo do PT!

      Eles já estavam lá no governo do PT: Henrique Eduardo Alves foi ministro da aviação civil no goveno Dilma;Eliseu Padilha ministro da aviação civil no governo Dilma; Geddel Viera Lima foi ministro da integração nacional no governo Lula; Moreira Franco ministro da aviaçao no governo Dilma e Temer está lá porque era vice de Dilma inclusive no primeiro mandato da presidente, quando terria ocorrido o episódio da proprina relatado por Sérgio Machado. Certamente os articuladores politicos do PT sáo pobres coitados inocentes que desconhecem a politica, são neófitos nisso e não conheciam quem estavam colocando dentro do palácio (atenção: isso é uma ironia!)

      • Faltou literatura básica…

        O Príncipe, de Maquiavel!

        Lá ensina direitinho o que fazer com o inimigo, quando se retoma o poder!

        Mais  ou menos o que a patota do temerário está fazendo com as idéias de esquerda  atualmente !

         

  10. Bzrr da Silva

    Canalha, tu é um verdadeiro canalha…
    Canalha, tu é um verdadeiro canalha.
    Você vive de trambique,
    Deita na sopa
    E se atrapalha,
    Fica em casa, canalha!

  11. Belo texto!

    e entramos na fase dos desabafos…

    Tudo tem um limite. Os usurpadores estão esticando demais a corda. 

    Vamos guardar a sete chaves a magnífica frase do nosso grande estadista:

    “Se tivesse cometido o crime de que Machado me acusou em delação premiada, não teria condições de governar o país”.

     

  12. Vivemos o mito de Sisifo

    Essa é a historia de Jorginho que é amigo de Henriquinho, que é amigo de Jucazinho, que é amigo de Aecim, que é amigo Renanzinho, que era amigo de Machadinho, que era amigo de Sarneyzinho, que é amigo de Pauzinho, que é amigo de Cunhazinho, que é amigo de Michelzinho-pai, que não é amigo de ninguém, apesar do Jorginho crer que Michelzinho é seu amigo e todo o bando também.

    Nassif, você foi irônico no ponto. Jorge Moreno Bastos ha muito tempo que se tornou um jornalista sabujo. Ou tera sido sempre assim? Com esse bando que se aboletou no poder, não ha tergiversação possivel. Temos que ser bem claros sobre o que são e o que pretendem.

    E sobre o que pretendem, além de retirar ainda mais o que puderem do Erario, esta bem evidente que querem o fim não apenas da Lava Jato, mas do Ministério Publico atuante tal qual tem sido (ainda que de forma estrabica e atropelando a Constituição), além de o pescoço de Janot que esta a prêmio.

    O mais irônico é que os messiânicos do MP,  juizes que agem como promotores, como Sérgio Moro, e o proprio PGR tanto perseguiram o PT, que derrubaram com ajuda da imprensa e de Cunha-Temer a presidente eleita. E o que tomou o lugar dela, hein, Ministro Barroso ?! “Meu Deus do Céu. Eh essa nossa alternativa de poder”. A quadrilha que ha décadas assalta o Brasil, para muito além do petrolão, tomou o poder e pretende leva-lo para bem longe dos procuradores. E nem sonhe o MP, o miope Moro e o encantado Janot de que o PSDB sera a salvação nacional. Acho que eles precisam ler mais, sobretudo alguns livros que estão no mercado ja ha algum, ricos em detalhes e provas sobre o que foram os anos de poder do PSDB. E Furnas, então?!

    Os franceses têm uma frase para esse tipo de sentimento de que se fez tudo para mudar e nada mudou. Ou mudou, mas para muito pior. Tout ça pour ça. Em português: tudo isso para isso ai?!

  13. Caro Fabrício Tavares

    Com o atraso de quem não acordou no horário habitual, dirijo ao Fabrício meus parabéns pelo alerta. É um enorme equívoco falar em nova constituição.

    Apesar das críticas, impera um consenso de que nossa Constituição – o pacto maior da sociedade brasileira – é avançada, que garante a progressiva redução das desigualdades históricas do país. Então porque se falar em outra Carta? Seria por conta de algumas recentes desobediências explícitas, como aquela infeliz decisão do STF de negar a presunção de não culpabilidade?

    Creio que alterações são por demais necessárias (aliás, o grande número de emendas já cuidou de muitas modificações). Pode-se citar, por exemplo, a questão da reforma política, e/ou a reforma tributária, ou outras questões pontuais (há propostas sobre educação de nível superior, que podem comportar discussões, assim como a revisão das regras sobre o impedimento das autoridades públicas). Mas isto de forma alguma pode significar a extinção do atual texto constitucional.

     

  14. Cheguei já

    ao limite, e à seguinte conclusão:

    A única maneira de Dilma voltar será via um processo de revolta popular violenta, uma quase revolução nos moldes da França em 1789 e Rússia em 1917… já era… o crime organizado se apossou do Planalto e dos outros palácios, já dominava o Congresso Nacioanal, agora domina inclusive o STF.

    Michel Temner além de cínico e canalha, é um sádico de proporções imensas; um conspirador calhorda que mesmo com sua cara “tensa”, querendo justificar o injustificável, fica rindo da cara dos brasileiros dígnos.

    Nassif, bem vindo ao profissionalismo da era Temer, Pedro Parente, que é estelar representante dessa era, o “profissional” que agora está no mando da Petrobras e que ontem, em bate-papo com Mirian Leitão (que agora descobriu que a “crise” é resultado de “fatores externos” e que Temer não tem culpa de nada) disse com todas as letras que a BR só trás prejuísos… isso mesmo… uma das maiores petrolíferas do Universo só dá prejuízo, é um dos mais apurados exemplos dessa nova ordem: é um exímio ladrão e rentista que, mesmo sob a sua ótica, trouxe o ‘profissionalismo’ pra gerir a coisa pública.

    Estamos na boa: o roubo ao Brasil agora é coisa de “interinos tensos” e “pessoas competentes e profissionáis”.

    •  
      Ontem, ao ler o post no

       

      Ontem, ao ler o post no Viomundo sobre a delação do tal Machado, fiquei curiosa com uma informação sobre os intermediários, os entregadores de propinas a políticos: 

      “Como se tudo isso não bastasse, a familia Machado ainda entregou à PGR dois  “homens da mala”, intermediários que faziam o trânsito de dinheiro vivo para pagamento de propina a políticos: um se chama Felipe Parente  e o outo, Alexandre Lui.”

      Felipe Parente?

      Parente não é um sobrenome tão comum.

      Algum parentesco com o novo manda-chuva da Petrobrás, Pedro Parente?

       

       

       

       

  15. Uma coisa que impressiona é a quantidade de senadores indecisos

    Uma coisa que impressiona é a quantidade de senadores indecisos como o Cristovam Buarque. Qualquer criatura que tenha o mínimo de discernimento e bom senso sabe que a patota do Michel Temer não tem a mínima condição de continuar à frente do país.

    • Estão indecisos porque não

      Estão indecisos porque não conseguiram concluir o que seria mais vantajoso para eles, não há neles a noção de certo e errado.

      Romário por exemplo negocia com Temer diretoria de Furnas.

      É tudo uma questão de business para esses senadores.

    • Quanto mais se aproxima a

      Quanto mais se aproxima a hora da votação e quanto maior a indecisão, maior, também, o valor do passe.

       

  16. inteligência

    Temer, aos 75 anos de idade, com a inteligência que lhe é peculiar, está executando uma detalhadíssima obra.

    O escopo dessa empreitada é enterrar o seu próprio nome no lodo e ser lembrado nos livros de história como bandido e traidor da pátria.

    A cada dia vemos mais uma coluna ! ser erguida.

    Já está pronto, porque erigido durante toda a sua vida pública, o vastísimo telhado. De vidro. 

  17. O Brasil descobriu
    Que o desgoverno de Dilma era melhor, muito melhor que o governo ‘coito de bandidos’ de Temer

    Que o cunha tem que ser preso e deportado para a África Central subsaariana. Lá tem Fasano pra ladrão de dinheiro público…

    Que quando todo mundo grita, todo mundo mesmo, ” … É ladrão! …É ladrão!… ” é ladrão mesmo…no duro, no cotidiano.

    Que só quem prende ladrão é quem realmente tem Cunha sim…

    Que pra deportar do cunha, tem que afinal modificar a constituição…?

    Prá que escrever outra se não cumprimos a nossa?

    Só falta Cunha…não falta Constituição

  18. O problema de uma nova

    O problema de uma nova Constituinte Originária é ela ser formada pela nata que compõe esse Congresso. Imaginem o texto constitucional que sairia daí. Seria apenas convalidar todos os atrasos que temos vivenciado com o governo interino/golpista. Eleições gerais são até toleráveis, ainda que dê ares de validação à interrupção de um mandato legítimo. Agora, jogar no lixo uma das mais avançadas Constituições do mundo, a Constituição Cidadã, é brincadeira de muito mal gosto.

  19. Não, o tal “governo” em

    Não, o tal “governo” em questão não tem a marca a da suspeita, já ultrapassamos esta fase porque já temos muitas certezas sobre ele. A situação chegou a tal ponto que parece piada, parece alguma paródia no estilo Bananas (Woody Allen), A história do mundo (Mel Brooks) ou Idiocracy (não tenho a menor ideia de quem é o filme). A ironia do texto é totalmente adequada à situação atual. À globo, ao resto da mídia e ao “justiciário” é que deve ser apresentada a conta pela produção desta tragicomédia atualmente em cartaz que faz com que o mundo civilzado se mije de tanto rir das nossas caras. Convocar uma constituinte dentro do quadro atual? É uma temeridade sem tamanho. Dá pra imaginar o que a bancada BBB associada com a bancada FIESPato, com a bancada FEBRABAN e com a bancada dos proprietários de veículos de mídia escreveriam? Melhor não arriscar.

  20. Desde a era Collor

    Desde a era Collor nada de novo tem aparecido no Legislativo, o PT promoveu a mudança necessária no executivo para transformar a nação em uma das com maiores condições de desenvolvimento do planeta, mas o legislativo não acompanhou o ritmo das mudanças que o país exigia e acabou nisso: um executivo incoerente na política econômica no segundo mandato Dilma-temer, mas com um Legislativo extremamente piorado desde sempre

    Homofóbico, acéfalo, protofascista e corrupto, o Congresso Nacional só se pautava(pauta) pelo alcance que as suas medidas, tomadas em prol do executivo, lhe garantisse os votos nocessários para sua continuação no poder, através de benefícios sociais ou financeiros aos seus respectivos currais eleitorais, além claro, do quando dinheiro iria correr pro bolso de cada um

    E um dos grandes culpados pela situação atual da política brasileira se chama Fernando Henrique Cardoso ao permitir a compra velada do Congresso para a implemtação de suas medidas e o PT por ter continuado o jogo

    O resultado do governo FHC, que deixou o país arrasado e com a pobreza e o desemprego próximos de um quarto mundo, permitiu a ascensão do PT e de suas políticas sociais, que transformaram o país em uma semi-potência e condenou a direita ao ostracismo político, ficando retida em seus redutos paulistanos

    Mas eis que surge a política econômica Levyniana, joga tudo pro alto em prol de um “ajuste” que não deu certo em nenhum país que a praticou nos anos 2000, por motivos que o nassif já colocou em posts anteriores, e que deveria ter sido implementado pelo aécio se tivesse ganhado a corrida presidencial com os coxinhas protestando contra medidas que provavelmente seu candidato teria adotado, oportunidade perfeita pro gatunismo do Congresso

    Temer é o retrato fiel, gêmeo, fidedigno, igualitário do Congreso Nacional ele É o Congresso Nacional tentando se livrar de todas as maneiras das acusaçãoes de roubalheira que lhes são impultadas: retirou o mandato da Presidanta eleita, continua a implementação total das medidas de ajuste econômico, propostas nos moldes, sim, pelo Joaquim Levy, mas barrados à época pela presidenta eleita e agora parte em um última ofensiva contra(?) o judiciário que por tantos anos engavetou processos contra esses senhores e que parece passar por uma crise de consciência apoiando a responsabilização (à exceção, é claro,  de gilmar mendes) de todos os envolvidos em esquemas de corrupção

    Tanto é verdade que a prisão do Cunha e  a sua delação significaria o fim do congresso como é hoje, não precisaria nem de reforma política

    Cunha é o Pedro Collor do Congresso Nacional…

     

     

  21. Isolamento do crime (e do criminoso)

    Curioso assistir que, para se defender, acusam o delator por crimes que ele próprio cometeu, sem nenhuma interferência alheia de seus “chefes” ou padrinhos, como se o delator tivesse chegado ao cargo (e lá permanecido por longo período) absolutamente sozinho e pelos “seus próprios méritos”.

    A própria atribuição de criminoso ao delator é esclarecedora, pois esquecem-se que as gravações mostram contatos muito próximos e amistosos entre os envolvidos em tempo muito recente. Não sabiam então os interlocutores que estavam se relacionando com um criminoso? Eis a encruzilhada que o argumento os levou.

  22.   CLAP CLAP CLAP CLAP
     

      CLAP CLAP CLAP CLAP

      Quando não concordo, critico. Nesse caso, aplaudo de pé. Texto espetacular, Nassif.

  23. Nassif, o texto baixo é do

    Nassif, o texto baixo é do brilhante jornalista Lúcio Flávio Pinto e desnuda o antes obscuro Dep. Wlad Costa. Mas eu diria que Wlad não é apenas o Pará, é o Brasil. O texto abaixo é o fiel retrato da era que vivemos:

    Wlad é o Pará

    PUBLICADO POR  ⋅ 16 DE JUNHO DE 2016⋅ 24 COMENTÁRIOS 

    Wladimir Costa cumpre seu quarto mandato como representante do povo paraense na Câmara Federal, onde tem assento há 12 anos. Foi reeleito, em 2014, pelo segundo partido a que se filiou, o Solidariedade (antes foi do PMDB), como um dos mais votados, com 141 mil votos.

    Obscuro, improdutivo e inconstante, o deputado finalmente está conseguindo seus dias de glória, graças à maciça cobertura da crise política pela imprensa nacional, que distribui como maná os 15 minutos de fama a pessoas que seriam anônimas por qualquer critério que não fosse o da casualidade. Não é por inteligência, argúcia, conhecimento ou serenidade que o parlamentar está se tornando famoso.

    É por ser bizarro, mal educado, incivilizado, pobre no vocabulário e indigente nas ideias, quando as tem. Num parlamento que tudo aceita, ele se destaca por ser um dos piores dentre os piores.

    O cidadão paraense tem vergonha desse exemplar de primarismo e truculência carnavalesca na Câmara Federal? Como, então, lhe confere o título de campeão de votos há quatro eleições? Ele é uma versão piorada de quem o elege? Talvez não.

    Wladimir Costa é inteligente e esperto. Mas fala sobre o que desconhece, se inspira no mais suspeito senso comum. Não tem princípios e age como torcedor fanático em campo de futebol (com radinho de pilha no ouvido). Por ser radialista e dono de aparelhagem, ele é o Wlad simpático, gente boa (certamente com seu cartão Yamada), generoso, caridoso, sempre à disposição dos que dele precisam.

    Faz muito barulho porque se criou e vive no barulho. É pouco provável que exista capital no mundo mais barulhenta do que Belém do Pará, cevada na cacofonia mental e nos decibéis como argumento. As leis proíbem os abusos. Pois lei não é potoca no Grão Pará?

    É isso para Wlad, seus eleitores e alguns milhares de paraenses, mais iguais do que a maioria, isolados no seu egocentrismo, num individualismo selvagem, regidos por uma única lei: a do mais forte. E pelo predomínio do mais oportunista e audacioso – e também inescrupuloso.

    Assim, o que interessa é aproveitar as ondas favoráveis e embarcar nela, indiferente à trajetória de vida, à opinião da véspera, à posição de antes. Foi o que fez o deputado Wlad, mudando subitamente de fervoroso adepto do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha, para seu algoz na comissão de ética. Contribuiu – tão positivamente quanto de forma inescrupuloso, como os ratos em navio que vai ao fundo – para fazer avançar o processo de cassação do mais mafioso dos integrantes do parlamento brasileiro. E o mais cínico, por isso vitorioso?

    Esse tipo de personagem não só se “dá bem”: é consagrado, vira exemplo, se torna herói, como alguns dos que, a soldo (nada de espírito olímpico), pago pelo erário, carregaram ontem a tocha olímpica por Belém. Representantes da educação, da cultura, do saber, da ciência, da competência intelectual no Pará? Este é um Estado de vazios, terra nula?

    São escolhidos os membros de máfias e igrejinhas, os que recebem favores e devolvem favores, os participantes fieis da pantomima. Como as que o deputado Wlad agora repete na Câmara, a anterior no afastamento da presidente Dilma Rousseff, ao aparecer para votar enrolado na bandeira do Pará.

    Qual a justificativa do seu voto pelo impeachment: homenagem à sua “mãezinha”. Declaração seguida por um brado barulhento (“quem vota sim põe a mão pra cima!”) e arrematada pelo estouro de um lança-confete no plenário.

    Circo? Não, realidade. Praticando esse espetáculo circense lesivo nos seus programas de rádio e televisão, Wlad provocou pelo menos quatro ações por crimes contra a honra,injuriando, difamando e caluniando. Ah, mas ele é ficha limpa: não foi condenado em nenhuma das ações, que ainda tramitam pela justiça.

    Falha do judiciário local? Wlad também é réu em uma ação que tramita com a mesma lassidão no Supremo Tribunal Federal. O relator, Edson Fachin, julga a participação do deputado em um suposto esquema de desvio de recursos públicos entre 2003 e 2005, em Belém.

    Este é o Pará bárbaro, selvagem, violento, incivilizado, estúpido e cruel em que nos transformaram os ocupantes da terra, seus colonizadores e donos, e ao qual nos afeiçoamos, nos alienando do nosso patrimônio e da nossa história.

    Que venham novos Wlad. Eles são o retrato fiel de um Pará que não nos representa, mas é o Pará que se forjou com a nossa leniência, omissão, adesão e cumplicidade – e também com a nossa covardia. Um Pará que perdeu o domínio da sua história, incapaz de juntar o “antes” ao “agora”, com um projeto de “depois”. Um Pará desnaturado, que pega as migalhas do banquete como os canoeiros da beirada do rio na passagem dos navios pelos estreitos de Breves

    Wlad é um de nós.

     

  24. A fragilidade e desonestidade do sistema

     

    Em nome da pretensa moralidade (haja cinismo) de combater a antiga, reconhecida e comprovada corrupção, uma turma de golpistas toma o Poder de assalto, com todo apoio da Justiça, Congresso, AGU, grande mídia “livre”, povão e outros mais. Só que a cada dia que passa, vai ficando mais claro para a plebe e para o mundo inteiro, o alerta dos grandes jornalistas: a estranha arquitetura e o suspeito passado de muitos dos envolvidos nesse sujo golpe. De nada adiantou. Deram o golpe, assim mesmo.

    Não bastassem as incontáveis seguidas provas, mundão afora da fragilidade e incompetência da democracia capitalista, nós brasileiros, envergonhados, estamos acrescentando mais outra prova com o golpe contra Dilma/PT. Enquanto isso, lá do outro lado do mundo, a poderosa China prossegue, livre, desenvolta e a todo vapor. Do nível zero que estava em 1949, chegou à 2ª potência mundial em 60 anos. Eis uma inquietante indagação que as elites dominantes não possuem a menor coragem para responder. Porque será?

  25. Nova Constituição…Lindo! Se

    Nova Constituição…Lindo! Se não fossem uns tolos, a bancada BBB iria a-do-rar.

    E por falar em eleições, quantas são necessárias pra maus perdedores aceitarem o resultado?

  26. Ainda há que se depurar.A

    Ainda há que se depurar.

    A Dilma derrubada “em nome da família, dos netos, do marido, da igreja”, reverberado por cada um dos votos favoráveis ao golpe, já traduzia de forma clara e concreta o atraso, a subserviência a interesses escusos, repetindo de forma “ipsis litteris” o que foi dito no golpe anterior, de 1964.

    E o descalabro continua e aumenta a enxurrada que exala mau cheiro. A desarmonia surge em cada beco lamacento, lúgubre e sombrio.

    Todo dia uma nova avalanche descobre a crosta do golpe, a personalidade e caráter de cada um dos envolvidos na trama sórdida.

    O voracidade é tão grande que torna pueril os passos dos bandidos engravatados e empacotados, que faz relembra Raul Seixas a leta de “Dr. Paxeco”:

    Lá vai nosso herói Dr. Paxeco

    Com sua careca inconfundível

    A gravata e o paletó

    Misturando-se às pessoas da vida

    Lá vai Dr. Paxeco

    O herói dos dias úteis

    Misturando-se às pessoas que o fizeram

     

    Formado, reformado, engomado

    Num sorriso fabricado

    Pela escola da ilusão

    Tem jeito de perfeito

    No defeito

    Sem ter feito com proveito

    Aproveita a ocasião

    Perdido, dividido, dirigido

    Carcomido e iludido

    Tem nos olhos o cifrão

    Disfarça na fumaça

    e acha graça

    Sem saber que a rua passa

    Entre a massa e o caminhão…

     

    O chefe do PGR, Rodrigo Janot pede a prisão de Calheiros, que no contragolpe promete fazer o senado cassar Janot.

    Janot pede a abertura de processo contra Aécio, Gilmar Mendes diz que esse não. Nessa desmoralização um chama o outro de £¥€π”$:¶π¥€., a baixaria se apresenta em trocas de chutes e rasteiras.

    A imprensa entra em campo e dá “um carrinho” em seu preferido, nas palavras do seu jornalista Jânio de Freitas: “Talvez tenha sido uma toga falante. Quem sabe?

    “Oculto e em segredo de Justiça”!… vazado pelo próprios zeladores do sigilo, pelos que deveriam ser os guarnecedores das leis.

    Lula pede investigação pelos excessos de Moro, declarados pelo ministro do STF relator do “lava jato”, no contrapé Moro dá uma rasteira e manda prender Lula.

    Se a delação do presidente da Transpetro já causou a queda, ou expectativa dela, da metade dos fomentadores do golpe e assessores direto de Temer, quando chegar o listão da Odebrecht cairá toda a restante indumentária de Temer que finalmente ficará nú, exposto como todos os ditadores golpistas.

    Um general com DNA golpista cerca a residência da presidenta afastada, limitam-lhe os movimentos e a golpeiam com ajuda da imprensa nacional.

    A mídia estrangeira, pensadores internacionais e várias organizações, apontam para o golpe, demonstram a fragilidade da democracia, e as insanidades dos grupos de direita que usurpa o poder “em nome de Deus, do meu marido, filhos e até netos.

    O Brasil está mudando. Se não será possível com Dilma pela falta de apoio parlamentar dos golpistas, com Temer pela absoluta constatação da fragilidade das suas intenções, e que a dada novo ato da peça conduz ao grand finale de uma tragédia sul americana, se a mudança não será possível com a urgente e necessária reforma politica que nos é negada, se não será possível com a convocação temerosa de novas eleições pelo processo ainda de depuração que não sendo ainda claro leva a população a imaginar que todo político é igual, ou pior ainda, a negar a própria política, essa mudança virá à fórceps.

    Para que a mudança ocorra será necessário se depurar mais ainda, fazer com que todos os gases exalem dos bueiros que sempre foram escondidos, que toda a sujeira que permitiu a permanência do Brasil no seu composto de “casa grande e senzala”, que todas as falcatruas que impediram pactos sociais e favoreceram os conchavos sejam desnudados, que a sujeira saia debaixo do tapete, para que, enfim, surja o tão esperado…

     “Brasil, país do futuro”.

  27. excelência do pensamento e da produção textual

    Parabéns não apenas pela perspicácia, pela acuidade com que seu olhar abarca os acontecimentos, como também pela extraordinária capacidade de tecer um texto com coerência, coesão e elegância da-na linguagem. Montaigne dizia que esta maneira de ver as coisas caracterizava um  “pensamento nômade”. Sempre um prazer ler seus textos, Nassif. E suas proféticas palavras se realizam!….Parabéns não apenas pela perspicácia, pela acuidade com que seu olhar abarca os acontecimentos, como também pela extraordinária capacidade de tecer um texto com coerência, coesão e elegância da-na linguagem. Montaigne dizia que esta maneira de ver as coisas caracterizava um  “pensamento nômade”. Sempre um prazer ler seus textos, Nassif. E suas proféticas palavras se realizam!….

  28. Constituinte agora é mudar pra pior.

    Como se o baixo clero deixasse de existir com uma nova Constituição. Não entendi nada.

    O baixo clero na Câmara Federal é resultado do sistema proporcional, que deve privilegiar os partidos. No Senado Federal não se fala em baixo clero.

    O problema não é a Constituição, mas as pessoas que financiavam as eleições, que armaram um sistema podre em que os políticos ganhavam, eles ganhavam e o povo perdia.

    E o momento não é de reformar Constituição. Pois na atual quadra sairá um monstrengo ditado pela bancada BBB.

    Devemos corrigir nossos erros. E um deles é ter negligênciado com a política.

    O rumo está por aí. E está posto. Um foi proibir doações empresariais.

    O mundo político e empresarial sofrerá em razão do conluio bandido, em que o voto só prevalecia na urna se fosse financiado com dinheiro advindo de contratos superfaturados. Você vota, mas quem tem acesso aos políticos são os endinheirados, que querem manter o status quo, de financiar os políticos e os ter nas mãos. Não tem santo em empreteira, em telefônicas, em qualquer meio, no qual a lógica corporativa tende a prevelecer sofre a democrática.

    Sem dinheiro, vence quem tem mobilização.

    As eleições municipais nos dirão muito.

     

  29. Também fomos o país dos gênios. Torquato Neto
    Eu brasileiro confesso
    Minha culpa, meu pecado
    Meu sonho desesperado
    Meu bem guardado segredo
    Minha aflição

    Eu brasileiro confesso
    Minha culpa, meu degredo
    Pão seco de cada dia
    Tropical melancolia
    Negra solidão

    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo

    Aqui o terceiro mundo
    Pede a benção e vai dormir
    Entre cascas das palmeiras,
    araçás e bananeiras
    Ao canto da juriti
    Aqui meu pânico e glória
    Aqui meu laço e cadeia
    Conheço bem minha história
    Começa na lua cheia
    E termina antes do fim

    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo

    Minha terra tem palmeiras onde
    canta o vento forte
    Da fome, do medo e muito
    Principalmente da morte
    Oiê, lê
    Lá, lá
    A bomba explode lá fora
    Agora o que vou temer
    Oh,sim, nós temos banana
    Até pra dar e vender
    Oiê, lê
    Lá, lá

    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo

  30. Caramba, Nassif! É isso! Nova

    Caramba, Nassif! É isso! Nova constituinte!

     

    Desculpem o entusiasmo, mas venho germinando essa ideia há algum tempo. Uma “simples” reforma política não será mais suficiente para resolver o Brasil.

    A meu ver, precisaremos debater:

    1. Reforma política

    2. Reforma tributária – finalmente impor um regime progressivo

    3. Reforma da mídia – escancarar a pluralidade, seja via dinheiro público, seja via redução dos oligopólios 

    4. Reforma do judiciário – de repente poderíamos pensar em eleições para os cargos mais altos (incluindo aí o MP e sua mini reforma própria).

    e por aí vai…

    Ah, já ia me esquecendo. Devíamos “constitucionalizar” os direitos sociais adquiridos nos últimos anos. Uma ideia será implantar a renda mínima do Suplicy… 

     

     

  31. Caro Nassif,
     
    Mais uma

    Caro Nassif,

     

    Mais uma brilhante análise. Uma discondância. Sou constitucionalista, autor de livro Constituição e jurisdição, Juruá Editora: Curitiva, 2015. Tudo que termos que fazer hoje é respeitar a Constituição de 1988. É preservá-la e torná-la efetiva. Apenas acrescentando algo que com ela seja compatível, como a reforma política e o reconhecimento de nvos direitos. Definitivamente: o que tem que mudar são as pessoas.   

     

     

    • Pessoas não mudam

      Eu endosso e sustento que se quisermos um país melhor temos que começar fazendo diferente do fazem os políticos. Vejo muita gente criticando o comportamento dos políticos mas fazendo igualzinho…

  32. Convergências

    Começam a convergir algumas opiniões.

    A indignação de Temer com a delação de Machado tem o mesmo nível de falsidade da indignação de Dilma com a delação de Delcídio.

    Pior ainda, com a falsa indignação de Dilma com a matéria veículada pela Istoé sobre a delação de Marcelo Odebrecht, onde ela teria intermediado pessoalmente um “acerto” de 12 milhões.  Dilma, ao contrério de Temer soltou uma notasobre o assunto, talvez porque suas feições de indignação sejam tão ou mais reveladores que as de Temer, segundo o marqueteiro.

    “São mentirosas e infundadas as informações veiculadas pela imprensa neste sábado, 4 de junho, noticiando que a Presidenta Dilma Rousseff teria pedido pessoalmente ao empresário Marcelo Odebrecht a doação de R$ 12 milhões para a campanha da reeleição presidencial em 2014.

    A base desta calúnia seria a suposta delação feita pelo empresário ao Ministério Público Federal. Mais uma vez são veiculadas informações de maneira seletiva, arbitrária e sem amparo factual.

    A Presidenta da República Dilma Rousseff reitera: JAMAIS intercedeu pessoalmente junto a qualquer pessoa ou empresário buscando benefícios financeiros para si ou para qualquer pessoa.”

    A delação da Odebrecht que é citada pela Istoé é tratada como suposta. Tão suposta quanto foi tratada num primeiro momento a delação de Delcídio, veículada pela mesma Istoé, que aparentemente, supõe muito bem.

    Qualquer tentativa de destrinchar o grupo que tomou de assalto o Estado brasileiro, formado por PT e PMDB, separando-os em bons e maus, não se sustenta nos fatos. Não passa pelo “teste de integridade”.

    O cargo que Sérgio Machado ocupou entre 2003 e 2014, e que usou para praticar concussão, é de livre nomeação do Presidente da República ?

    Sério que alguém minimamente informado acredita que quem nomeou Sérgio Machado acreditava nos ótimos serviçoes prestados por ele a frente da Transpetro ? Na sua retidão ? Na sua honestidade ?

    Porque será que não “mexeram” com Machado até ele mesmo pular fora em 2014 ?

    E quanto aos políticos citados na matéria : Henrique Alves, Gedel, Eliseu Padilha, Moreira Franco. Todos ministros nomeados por Lula e Dilma.

    A coesão desse grupo político, só quebrada pelo evento da lava-jato, é assustadoramente evidente.

     

    • Esse cidadão está por aqui

      Esse cidadão está por aqui também?
      Ridículo!
      Quando leio o Jânio, tomo um cuidado danado pra não descer uma linha sequer após o final pra não ler uma palavra desse cidadão. Fica no rodapé literalmente.
      A democracia e a internet acaba dando espaço para esses tipos. Faça jornalismo, seja competente e trabalhe árduo para querer aparecer. 

  33. temer só assumiu por

    temer só assumiu por negligencia do judiciário por isso defendo a terceirização do mesmo

    vide que ele é muito oneroso e ineficiente para o estado e acredito q o povo aprovaria essa idéia

  34. Puts ! Mandou bem Nassif !

    Quem vai Temer quem não era, mas que é e que voltará a não ser?

    Este governo terá um tempo e tempos e metade de um tempo, depois vai pro abismo de onde saiu.

  35. Ouvi o pronunciamento de

    Ouvi o pronunciamento de Temer. Sem dúvida que Dilma é oradora sofrível, é fato. Mas Temer pensa que ele é um orador à la Lincoln – e isso torna seus pronunciamentos mais ridículos do que os de Dilma. Só faltou ele dizer ‘”agora fá-lo-ei como pessoa humana” rssss 

  36. Isso tudo não acarreta a

    Isso tudo não acarreta a volta da Dilma.

    As investigações vão avançar de Partido A a Partido Z

    Das instituições públicas às privadas

    Muita coisa ainda vai aparecer, ainda é só a ponta do iceberg

  37. Senhores SENADORES que não

    Senhores SENADORES que não estão envolvidos na Operação Lava Jato, afastem-se desse PMDB “podre” e repensem seu voto pró IMPITIMAM. Não ficará pedra sobre pedra…a Justiça não vai se submeter a coisa alguma – com ou sem Janot no MPF – e vocês serão alcançados – o povo não perdoa…e todo o Brasil sabe o que vocês estão apoiando e por quê estão apoiando: abafar a Lava Jato e anistiar/esquecer/suprimir/santificar os ladrões e corruptos. Ao menos sairão honrados…sem máculas…e exemplo a novas gerações de políticos.

  38. Retificação

    Também concordo Nassif. Acho que a luta deve ser concentrata na reforma da Constituição.

    Redefinir todas as estruturas do estado, das instituições, logicamente abrangendo os eixos principais, para o funcionamento normal das instituições e que não se antagonize com os três poderes. Do jeito que estão as coisas os orgãos subordinados adquiriram poderes hipertrofiados colocando principalmente o executivo na parede. Inversão de valores, sem contar com a exclusividade da palavra, como se fosse portavoz do STF, o bisonho Gilmar Mendes.

    A reforma deve ter como ideários os eixos da reforma política, econômica e social.

    Cada eixo deve ser dissecado ao extremo sempre olhando para a nação como um todo – os mais de 200 milhões de brasileiros.

    Seria a oportunidade de ouro para aperfeiçoar a nossa Constituição após mais de 30 anos do fim da ditadura, deixando-a mais enxuta e estipulando prazos definidos para regulamentação de capítulos e artigos, como por exemplo, a regulamentação dos meios de comunicação.

    Naquela altura tinhamos apenas dois partido: o do “bem”, ARENA, e o “mal”, MDB.

    Naquela constituinte, o povo não conhecia os DNAs de muitos políticos, que hoje arreganharam as suas paixões perversas.

    Basicamente todos aqueles que sairam da luta armada contra a ditadura, tinham “credencial” para trabalhar a favor da maioria da população. E hoje vemos que não eram nada daquilo. Eram verdadeiros embustes. É só olhar todas siglas partidárias de hoje, como o PSDB, PMDB, DEM, PPS…tem em suas fileira “expoentes” que militaram na luta armada. Aloysio Nunes e Serra, não me deixam mentir. 

    Hoje os tempos são outros com as novas conquistas tecnológicas nos meios de comunicação como as redes sociais.

    Ou nós fazemos isso na marra, ou então seremos para sempre um arremedo de país.

  39. Os que têm mais força para se
    Os que têm mais força para se fazer eleger para uma Constituinte estão entre os que pediram o afastamento de Dilma. As entidades classistas como OAB, igrejas, as fortes associações de médicos, a mídia hegemônica; os milhões de brasileiros vestindo amarelo.

    A esquerda foi desmobilizada pela campanha sórdida.

    Uma Constituinte agora será uma derrota mais clamorosa do que ss das ruas.

    Deixe como está, pelo menos o que está posto como cidadã servirá como armamento de guerra contra a direita que se encontra mobilizada, unida e sedenta.

    Cuidado com a culatra.

  40. Dilma volta. 
    Nada de

    Dilma volta. 

    Nada de eleiçoes pra presidente e vice.

    ___________

    Ontem assistia o telex free/las vegas, em programa da gnews, que votou no psdb em 2014, e que nunca aparece na comissão  e que se diz “educador” dizer que vai votar no “conjunto da obra”.

    Pois quero ter conhecimento do seu “conjunto da obra”. O do Dilma eu já sei.

  41. recomeço

    – >” A campanha pelas eleições gerais poderá ser tão ampla quanto a das diretas nos anos 80.” (link)

    – “Ontem previ o crescimento da campanha por novas eleições. Retifico: a campanha a ser deflagrada será por uma nova Constituição.” 

    o mais forte argumento contrário à campanha por novas eleições gerais é a avaliação de uma correlação de forças altamente desfavorável: “O mais provável é que eleições gerais agora, além de legitimar o impedimento como águas passadas, produziria uma representação ainda mais conservadora.” (link)

    historicamente os austericídios são um dos caminhos para a ascensão do fascismo (link). no Brasil da crise econômica, após se dissipar a miragem da inclusão social pelo consumo, o Congresso está dominado pela bancada dos fundamentalismos. Bolsonaro dedicou seu voto pelo golpeachment a um torturador, “o pavor de Dilma Roussef” (link), tornando-se o mas visível representante (link) dos setores que defendem liquidar a questão democrática à bala.

    na outra ponta, há uma gigantesca base social refratária ao atual modelo representativo. os votos nulos, brancos e abstenções foram superiores a votação recebida por Aécio no 1º turno (link). nas eleições de 2014 no Rio de Janeiro, o total de nulos, brancos e abstenções superou a votação de Pezão (link). o candidato do PSOL empatou tecnicamente com o candidato do PT no município do Rio de Janeiro. em Niterói ficou em 2º lugar.

    uma campanha por eleições gerais, reforma política e reforma do Judiciário, neste agudo cenário de crise, com  radicalização e intensa mobilização social, irá resgatar amplas parcelas da sociedade que haviam se desencantado pela política. haverá então não só um projeto unificador como a consciência de sua urgência.          

  42. A cupidez com que deputados

    A cupidez com que deputados reclamam por não terem conseguido mais “espaço” no governo de Temer como merecida “recompensa” por sua votação pelo afastamento de Dilma é uma prova consistente de que o Golpe não veio apenas para acabar com as investigações da Lava Jato sobre os corruptos. Veio também com a promessa de abrir mais “espaço” para a livre continuidade da prática da corrupção.

    Deputados estão reclamando que o Senado está sendo amplamente “contemplado” com cargos, justo porque Temer ainda precisa de votos de senadores para implantar em definitivo o seu governo, enquanto que os deputados foram esquecidos por ele, porque já votaram e o processo do golpe já se encerrou na Câmara. Com isso, ameaçam rebelião. Todos eles – todos – são o quê, e o que querem? São autênticos patriotas e só querem uma oportunidade para dar sua grande contribuição para o progresso e o bem do país? Ou são apenas corruptos procurando as melhores veias para sugarem o sangue da Nação?

  43. Nassif bloqueado tb?

    Por muito menos do que o que descreve o Nassif aqui fui bloqueado pelo Moreno no twitter meses atrás.

    De lá para cá, se tinha algum resquício de noção o Moreno jogou lá de cima da Ponte para o Futuro.

    Retrato (ou print-screen) do Brasil atual: block na fuça!, por Romulus   

    Retrato (ou print-screen) do Brasil atual: block na fuça!, por RomulusAddThis Sharing Buttons18ROMULUS   DOM, 17/04/2016 – 07:55   ATUALIZADO EM 17/04/2016 – 11:14

    – o que o twitter tem a nos dizer sobre a malaise que nos aflige e nos separa

    Por Romulus

    7:30AM de domingo na Suíça. 2:30AM no Brasil. Acordo antes do despertador. Por que o sono me foge nos últimos dias? Ora, que pergunta…

    Como de hábito, ainda grogue pego o celular para rápido passeio pelo Twitter. Ataca-me a taquicardia até conseguir me assegurar de que o Brasil não acabou enquanto dormia “tranquilo” ao pé dos Alpes. Tem sido essa a rotina todo dia.

    Vou vendo um a um meus seguidos da imprensa familiar e da blogosfera. Procuro sempre a visão mais plural, mesmo que uma postura editorial esteja mais próxima de mim e da minha visão.

    Dou falta de um, que teima em não aparecer na minha timeline. Decido procurá-lo. O resultado da minha busca é a foto – ou print screen melhor dizendo – que ilustra este post (link para o twitter aqui).

    – Fui bloqueado por Jorge Bastos Moreno, de o Globo.

    Sigo-o desde 2009, quando abri conta no Twitter. Leio sua coluna há muito mais que isso. Nem saberia dizer quanto mais, pois, tendo crescido no Rio e tido acesso aos então dois grandes jornais da cidade, certamente vi sua coluna mesmo antes de poder lê-la.

    Na Suíça não se distribui O Globo. Dessa forma, minha relação com Moreno desde a infância foi cortada por um súbito BLOCK. Quando? Em algum momento entre a noite de ontem e a manhã de hoje. Pena… saiba ele que o meu sentido da ponte que nos liga continuará aberto.

    Não há muito tempo para lamentar agora. Como pragmático que sou, corro disparado para fazer um “damage control”, i.e., um controle de danos, para evitar um mal maior. Vou direto a seu colega de casa e de ofício, Ricardo Noblat, relatar o ocorrido e fazer alguns pedidos.

    Primeiro lhe peço que – antes de me bloquear ele também – diga-me que não tolera bem minhas críticas. São elas bastante contundentes, reconheço. Mas sempre educadas e embasadas em fatos e na visão crítica que Deus me deu e que a vida e a academia aprimoraram (ou pioraram?).

    Em segundo, peço a Noblat que interceda junto a Moreno, para que esse reconsidere e desbloqueie o meu perfil no Twitter. Faço então a Noblat e a ele – e agora também aqui – a promessa de não mais o criticar. Nem mesmo sobre iluminação da foto de seu avatar, se ele assim quiser.

    Ainda escrevendo a Noblat, ocorre-me um pensamento:

    Ora, este é um retrato do Brasil atual. Polarizado, radicalizado e – mais importante – com pontes entre os polos derrubadas.

    Como será possível reconciliação e entendimento entre aqueles que não se falam?

    Nós todos fomos tragados por uma crise política sem precedentes desde 2014. Desde então nossos políticos – sem entrar aqui na discussão importante de quem começou e quem fez pior – resolveram deixar de lado a política. Mas que raios é essa tal política?

    O Google me socorre e dá como uma de suas definições “habilidade no relacionar-se com os outros, tendo em vista a obtenção de resultados desejados”. Traduzo essas palavras como a arte de pressionar o outro pelo seu ponto de vista quando a conjuntura o permite e, da mesma forma, ceder à pressão do outro quando a conjuntura passa a lhe ser favorável e não a si. A conjuntura sempre muda. É da vida. Se se quer ser político (na vida comum ou como profissão) há que se aceitar esse baile de dois pra lá, dois pra cá. Alguns atributos facilitam: ter estômago forte para engolir e digerir, fígado leve para ajudar a desintoxicar e memória fraca para esquecer rápido os pisões que levou do outro no baile.

    Pois bem. Nossos políticos – os “profissionais” desse ofício – perderam a ginga. Estão duros e não sabem mais dançar esse baile. Isso já é muito ruim. Mas pior ainda é que essa trava nas cadeiras ataca também a sociedade. Estamos cada vez mais suscetíveis a críticas e divergências, que causam reação contrária maior do que o saudável recomendaria.

    Como já percebera há anos (tenho um maldito quê de Cassandra), as redes sociais têm muito a ver com isso. Estamos nos acostumando a ver timelines filtradas por algorítimos, que nos mostram o que se parece conosco e escondem o diferente. Já não temos tanta paciência para ouvir “na vida real” as opiniões daquele petralha/coxinha de que discordamos. Vamos nos afastando… às vezes de amigos de décadas. (Vivi isso em 2014 em primeira mão)

    Onde isso vai dar, meu Deus? Não sei. Mas desconfio que não seja um lugar bom.

    Será algo mais a deixar meu sono leve? Apesar da Primavera, ainda amena, chegando aos Alpes? (longo suspiro)

    Melhor não pensar muito mais sobre isso agora. Então paro aqui e fecho o post repetindo meu apelo:

    – Ô, Moreno! Logo você tão gaiato e bonachão… para de babaquice e me desbloqueia, rapá!

    Saiba você que, mesmo não estando na política (profissional, bem entendido), minha memória para os pisões é fraquíssima – quase um Alzheimer – e esquecerei essa bobeira sua três segundos depois que você me desbloquear.

    Se você assim o quiser, nunca mais o criticarei. É o preço a pagar. Não quero “ficar de mal”.

    Estamos combinados? To aqui esperando.

    Um abraço e se cuida nesse domingo de fortes emoções. 

  44. COISAS DE PINDORAMA

    Com certeza, a direita golpista adoraria ter a chance de jogar no lixo a Constituição Cidadã e de escrever uma nova à imagem e semelhança da bancada BBB, da mídia corporativa e do ‘governo interino’. Porém, o mais assustador mesmo é a ingenuidade incompreensível daqueles que pretendem pugnar contra o golpe e propõem pseudo soluções inconstitucionais. Especialmente no que tange à equivocada e reiterada sugestão de realizar eleições antecipadas, inclusive para constituinte, numa conjuntura na qual é evidente a intensa piora da correlação de forças políticas responsável pela eleição do congresso nacional mais direitista e retrógrado de todos os tempos.

  45. Acho que sei porque Mouro

    Acho que sei porque Mouro desempenha um papel tão importante na representação do país.

    Aliás,  o STF, na maneira de se conscientizar, corresponde a uma forma digna dos salários da justiça.

    O interino quer aprovar projetos de impotência e limitação dos meios, que deixam o país irrecuperável.

    Vocês notaram que, por inquietações com a Lava Jato, corruptos do congresso governam para o Temer?

    Todos os casos se concretizam por condições de nomes envolvidos em situações e circunstâncias exteriores. 

  46. Está certo que a iniciativa

    Está certo que a iniciativa política ainda segue com a frente “neoliberais+classe média lutando para assegurar a continuidade de um país com privilégios e sem direitos amplos e universais”. Esta frente trava uma luta de vida e morte.

    Ao mesmo tempo tem razão Dilma quando afirma que o povo tem que ser chamado para arbitrar. 

    A saída é conseguir rachar a aliança entre “neoliberais + classe média lutando para manter privilégios” – onde estão incluidas, por exemplo, as corporações no interior do Estado (sobretudo do judiciário), mas também médicos, advogados etc. Em relação ao passado, essas corporações evoluiram em um aspecto positivo, porque  alargou-se a meritocracia. São elitistas, “coxinhas”, mas não são – parcela importante – parasitas. Apenas tem espírito corporativo, acreditam, com razão, que a inclusão social ameaça suas conquistas (encarece o serviço de domesticas, diminui as vagas nas universidades, etc.), a começar pela remuneração. E não gostam do PT.

    Duas iniciativas poderiam rachar a aliança entre neoliberais e classe média: uma frente entre os “honestos”, algo que já se desenha na câmara dos deputados, que vale para o programa contra qa corrupção e pode valer para um programa de refroma eleitoral. E um debate sobre as prioridades do orçamento, a falácia de se ignorar a conta de rolagem da dívida em todos os debates e o significado dos altos juros e do spread bancário no Brasil.

    Tirar, portanto, o foco “nos de baixo” e levar o foco para “os de cima”.  Sempre se põe a culpa nos de baixo, porque ninguem fala, e não há conhecimento sobre o que acontece lá em cima.

    Um jurômetro na Avenida Paulista, ao lado do impostômetro, poderia ser uma iniciativa. E embutir nas notas fiscais uma informação quanto se está pagando ali de juros ……

     

  47. O juiz Sergio Moro sabia de

    O juiz Sergio Moro sabia de toda essa roubalheira que agora vem à tona, mas o foco deles(Moro, MPF, PF, Globo) era derrubar o governo e não luta pelo bem do pais ou luta contra a corrupção…era só tirar o petê

  48. DESgoverno tmer

    Patos de manobra bateram cascos às ruas bradando contra a corrupção ….. Revela-se hj qye puseram no poder os mais graduados no quesito ladrão

    ….. k d os patos?……”ah era contra corrupção dos corruptos do lado de lá….os meus tão agora na boa…eu aceito quaá kuá quá sic quá cuá …. lá vai  pato aqui pato aculá”

  49. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome