Zerar encargos trabalhistas não cria empregos, diz especialista do Dieese

Com a crise, os empresários reduziram a margem de lucro, mas com a desoneração de Guedes, irão recompor. A lógica do capital não é uma lógica social, mas do lucro

Jornal GGN – Zerar encargos trabalhistas prometendo, assim, criar mais empregos, é mais uma promessa ilusória do governo Bolsonaro. É o que avalia a coordenadora de pesquisa do Dieese, Patrícia Pelatieri, em entrevista divulgada pela RBA nesta segunda (25).

Segundo Patrícia, até mesmo por economistas liberais rejeitam essa associação, porque não se sustenta. “Com a desoneração, é mais óbvio que ocorram ajustes internos nas empresas, aumentando a margem de lucro. Foi o que ocorreu com a desoneração feita pela ex-presidenta Dilma, que não gerou empregos. Há diversos estudos que desmentem a fala do ministro, que quer vender uma ilusão que não se sustenta.”

Na visão de Guedes, os empresários isentos de impostos contribuirão para o crescimento do país, uma colocação que foge do que Patrícia chama de “lógica do capital”.

“As empresas utilizam essa desoneração para fazer uma recuperação da margem de lucros, como eles mesmos já falaram. Com a crise, eles reduziram essa margem, mas com a desoneração, recompõem. A lógica do capital não é uma lógica social, mas do lucro.”

Ainda de acordo com a especialista, “o que define a geração de emprego são outros fatores, como a demanda do consumo.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  A política fiscal deve ser condicionada pela garantia de direitos, diz economista

3 comentários

  1. Pois é Patrícia, enquanto os progressistas não ganharem a guerra da mídia, continuaremos anestesiados vendo a banda dos reacionários passar.

  2. Quanto e quão alto se tem que gritar que :
    EM 2014 havia PLENO EMPREGO, com TODOS os DIREITOS TRABALHISTAS e CARTEIRA ASSINADA.
    Portanto não é direito trabalhista a razão para desemprego.
    Isto apenas aumenta lucros e precariza o empregado, que se torna cada vez mais dispensável ou trocável.
    Esta conversa fiada é escandalosamente vergonhosa!

    3
    1

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome