A atração intrigante da globalização financeira

Quase todas as principais crises financeiras de mercados emergentes das últimas décadas foram precedidas ou acompanhadas por surtos nos fluxos de capital.

Do Project Syndicate

 
Embora a maior parte do consenso intelectual por trás do neoliberalismo tenha entrado em colapso, a idéia de que os mercados emergentes devem abrir suas fronteiras aos fluxos financeiros estrangeiros ainda é um dado adquirido nos círculos de formulação de políticas. Até que isso mude, o mundo em desenvolvimento sofrerá volatilidade desnecessária, crises periódicas e dinamismo perdido.

CAMBRIDGE – Depois de adiar por décadas, a China finalmente adotou a globalização financeira, anunciando recentemente que eliminaria os controles de capital para permitir entradas estrangeiras de curto prazo sem restrições (o chamado hot money). Por outro lado, depois de décadas de ciclos de expansão e contração, a Argentina enfrenta outra crise macroeconômica e finalmente impôs controles de capital para evitar um declínio catastrófico em sua moeda.

Ambos os episódios revelam o domínio intelectual que a globalização financeira ainda possui sobre os formuladores de políticas, apesar de seu histórico de fracassos. Por que, afinal, a China abandonaria os controles de capital agora e o que levou a Argentina a demorar tanto para adotar as medidas obviamente necessárias?

O milagre econômico chinês tem muitas fontes. Além da virada para os mercados, a China se beneficiou das exportações e investimentos estrangeiros, migração interna e o legado maoísta de um sistema público de educação e saúde. É também o herdeiro civilizacional de um estado forte e eficaz, com uma liderança esclarecida, embora implacável. Seu povo almeja coletivamente a estabilidade. Mas um fator importante na ascensão da China foi a decisão de não abrir a economia aos fluxos de capital.

Leia também:  Lula voltou e é hora de construirmos a virada, por Ion de Andrade

Considere o seguinte histórico contrafactual. No final dos anos 90, quando o milagre econômico da China estava se tornando evidente, poderia facilmente sucumbir à ortodoxia predominante na globalização financeira. Se tivesse feito isso, o resultado provável teria sido um aumento no capital estrangeiro em busca de altos retornos chineses, rápida apreciação do renminbi, menor crescimento das exportações e perda de dinamismo. A máquina de exportação da China não teria se tornado a grande força que é, e sua economia pode ter sofrido muito mais volatilidade como resultado da inconstância do capital estrangeiro. De fato, a Argentina – com sua volatilidade macroeconômica periódica e crises financeiras recorrentes – oferece uma ilustração perfeita dessas desvantagens.

Quase todas as principais crises financeiras de mercados emergentes das últimas décadas foram precedidas ou acompanhadas por surtos nos fluxos de capital. Isso aconteceu na América Latina nos anos 80, na Índia em 1991, no México em 1994 e no leste da Ásia e na Rússia no final dos anos 90. O mesmo aconteceu com o Brasil, a Turquia e a Argentina no início dos anos 2000; Países Bálticos, Islândia, Grécia e Espanha no final dos anos 2000 e início de 2010; e as economias dos cinco mercados emergentes “Fragile Five” (Brasil, Índia, Indonésia, África do Sul e Turquia) em 2013. E isso é verdade na Argentina hoje.

Certamente, os fluxos de capital geralmente refletem problemas políticos ou desequilíbrios mais profundos em um determinado mercado emergente. Mas eles também costumam ser o mecanismo de transmissão necessário para crises e, portanto, aumentaram os custos eventuais para essas economias. Embora muitos princípios do consenso neoliberal – privatização, desregulamentação, integração comercial, imigração, disciplina fiscal e primazia do crescimento sobre a distribuição – estejam sendo desafiados ou rejeitados, a globalização financeira continua sendo uma exceção gritante.

A preponderância de evidências sugere que a globalização financeira – especialmente hot money sem restrições – agrava a instabilidade macroeconômica, cria as condições para crises financeiras e amortece o crescimento a longo prazo, tornando o setor comercializável menos competitivo. Poucos economistas listariam a globalização financeira como um pré-requisito essencial para o desenvolvimento sustentado a longo prazo ou a estabilidade macroeconômica. E os argumentos a seu favor presumem que todos os países já cumpriram requisitos regulatórios altamente exigentes. A maioria não tem e provavelmente não pode, exceto no longo prazo.

Leia também:  Lula voltou e é hora de construirmos a virada, por Ion de Andrade

Embora o Fundo Monetário Internacional tenha começado a conceder algumas restrições aos fluxos de capital, embora apenas como último recurso temporário para enfrentar as oscilações cíclicas, o dogma da globalização financeira permanece intacto. Uma razão, talvez, é que a economia do desenvolvimento não abandonou seu fundamentalismo em recursos / poupança, o que atribuiu o subdesenvolvimento à falta de poupança doméstica. A implicação era que as economias emergentes e em desenvolvimento deveriam atrair recursos na forma de ajuda externa ou, depois que o ceticismo sobre a ajuda se tornasse generalizado, capital privado estrangeiro.

Alternativamente, a ortodoxia pode dever sua resiliência ao poder de interesses financeiros entrincheirados que impediram novos controles sobre os fluxos de capitais transfronteiriços. As elites ricas em vários países – especialmente na América Latina e na África do Sul – adotaram a globalização financeira desde o início porque a viam como uma rota de fuga útil para sua riqueza. Nesses casos, a inércia política e os possíveis custos de reputação dificultaram subitamente começar a advogar uma reversão. As elites financeiras globais há muito confiam em uma narrativa que iguala o controle de capital à expropriação, e os formuladores de políticas responsáveis ​​não querem ser vistos como violadores dos direitos de propriedade.

Mais recentemente, as restrições aos fluxos financeiros tornaram-se menos anátemas, porque vários países em desenvolvimento conseguiram superar o “pecado original” dos empréstimos em moeda estrangeira. Na hierarquia agora aceita, os fluxos financeiros denominados na moeda local são superiores aos fluxos denominados em dólares porque não resultam em explosões de cargas de dívida sempre que a taxa de câmbio diminui demais. As formas de empréstimos que evitam esses efeitos no balanço patrimonial são compreensivelmente consideradas menos problemáticas.

Leia também:  Lula voltou e é hora de construirmos a virada, por Ion de Andrade

No entanto, no contexto atual de crescimento anêmico crônico e taxas de juros persistentemente baixas – ou até negativas – de longo prazo nas economias avançadas (“Japanificação”), existe o perigo de que os países em desenvolvimento sejam tentados a buscar um aumento de empréstimos externos. Esse caminho levará apenas a mais volatilidade, crises mais frequentes e menos dinamismo geral. Porém, mais países o estão escolhendo, e os proponentes do novo revisionismo intelectual parecem ter concordado com isso.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome