A autofagia do Ministério Público Federal, por Luis Nassif

Em outros tempos, havia a preocupação dos procuradores de preservar a instituição em seus embates internos. Hoje em dia, nem isso. 

Há tempos o Ministério Público Federal (MPF) abusa de denúncias vazias com propósitos políticos. Conseguiu bons aliados com setores menos responsáveis da CGU (Controladoria Geral da República) e do TCU (Tribunal de Contas da União), transformando pequenos deslizes administrativos, ou decisões fundamentadas, em suspeitas graves. Qualquer decisão administrativa pode ser questionada: não teria sido melhor assim ou assado? Basta transformar o questionamento em suspeita para crucificar o alvo no tribunal da opinião pública.

As suspeitas lançadas por Marcos Vinicius Ribeiro, secretário de Planejamento e Projetos da Escola Superior do Ministério Público da União, contra a antiga administração, contem a mesma baixaria das suspeitas lançadas contra o ex-reitor da Universidade Federal de Santa Catarina pela Polícia Federal e pela CGU. E reforça o processo de autofagia em que se meteu a corporação, quando permitiu que a guerra cultural se instalasse internamente, matando qualquer intenção de pluralidade do órgão.

Em outros tempos, havia a preocupação dos procuradores de preservar a instituição em seus embates internos. Hoje em dia, nem isso.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Por quem as panelas batem, por Cleiton Leite Coutinho

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome