A chantagem de Meirelles na manipulação da dívida, por J. Carlos de Assis

A chantagem de Meirelles na manipulação da dívida

por J. Carlos de Assis

Henrique Meirelles é um chantagista. Não tem a menor intenção de promover equilíbrio das contas públicas no país. Está simplesmente chantageando os brasileiros, pobres e ricos, com propostas diversionistas. Enquanto houver um déficit – por exemplo, os R$ 159 bilhões que acabou de anunciar – o Governo tem desculpa para cortar gastos públicos essenciais, massacrar salários e promover mais uma rodada de privatizações – dessa vez as joias da coroa do setor energético, as grandes hidrelétricas do Nordeste e do Sudeste.

Pessoas de boa fé acreditam que a política econômica de Meirelles fracassou. É um equívoco. Ele e Temer estão fazendo exatamente o que está escrito na Ponte para o Futuro, a cartilha que o sociólogo Moreira Franco, absurdamente ignorante de economia, ajudou a escrever para orientar o Governo ilegítimo.  A pauta de Meirelles não tem nada a ver com o enfrentamento da crise. Seu objetivo é tirar o espaço econômico e social do setor público para abrir espaço para o setor privado externo e interno.

Vimos isso na emenda que congelou os gastos públicos por 20 anos e na lei que desfigurou a CLT; o propósito de ambas é estrangular os serviços públicos, para favorecer a entrada neles do setor privado, e para reduzir drasticamente o custo do trabalho a fim de ampliar as margens de lucro do setor financeira e da burguesia em geral. O próximo bote que está sedo preparado é o da Previdência. E o mais apetitoso dele, para o setor privado, como acima mencionado, é o assalto às grandes hidrelétricas.

O plano de Meirelles é dizimar o setor público brasileiro. Só assim o capitalismo financeiro mundial verá aberto no Brasil uma avenida de oportunidades especulativas para exploração. É evidente que muita gente de boa fé acredita nas intenções de equilíbrio fiscal do ministro chantagista,  mas o exagero da proposta começa a suscitar reações no Congresso. Está cada vez mais claro que Meirelles perdeu a direção do barco. Exceto o programa de privatização de tudo a qualquer custo, nada pode oferecer à sociedade.

Seus discursos estão ficando enfadonhos e repetitivos. Mente de forma inescrupulosa. Na última entrevista, disse que se fosse resolver o problema do déficit com empréstimos (dívida) os juros iriam subir. Farsante. Os Estados Unidos fizeram déficits de 7 trilhões de dólares de 2009 a 2014, e não houve qualquer aumento da taxa básica de juros de zero po cento. Em qualquer economia em contração, como a nossa, o gasto deficitário, segundo o padrão keynesiano, é a única forma de retomada da economia.

É fato que Meirelles e a burguesia não gostam de financiamento deficitário porque, indiretamente, isso favorece a expansão do gasto e dos serviços públicos. Eles só gostam de déficit quando se trata de financiar os interesses deles. Entretanto, a política de Meirelles é tão idiota e perniciosa que os próprios empresários estão indignados diante da falta de perspectiva de negócios. Claro, não é o caso dos bancos e dos especuladores financeiros. Estes estão nadando de braçadas na política Meirelles/Temer.

O que fazer? Se Temer e seu ministro da Fazenda não fossem dois cretinos evitariam aumento de impostos e tomariam no mercado empréstimos para financiar o déficit público a fim de financiar uma política de gastos públicos reais, abandonando essa estupidez de fazer déficit exclusivamente financeiro para pagar mais dívida financeira, como vai acontecer com os R$ 149 bilhões. Nesse caso, não teremos desenvolvimento, nem retomada da economia, nem retomada da arrecadação fiscal. E, naturalmente, não teremos nenhuma perspectiva de recuperação do emprego, a meta essencial de qualquer economia.

 

 

6 comentários

  1. O povo devia fazer

    um boicote geral. Comprar o estritamente necessário.

    Digo isso porque se os verdadeiros empresários perceberem que estão indo para o buraco junto com a maioria do povo , eles vão acordar e tomar alguma atitude.

    Infelizmente o que ainda mantem esses empresários apoiando esse governo é essa questão do corte do custo da mão de obra.

    Esse sempre foi o sonho do empresariado brasileiro , mão de obra barata , mesmo que isso resulte na diminuição do consumo e consequentemente na diminuição do seu faturamento. E em vários casos levando uma boa parte desses empresários à falência.

    Mas  , por incrível que pareça , eles não tem essa percepção da realidade. A busca é sempre pelo lucro imediato.

     

    • Tem de boicotar sobretudo bancos privados

      Itaú, Bradesco e Santander é que comandam hoje o Brasil, destruindo a nação e transformando-nos numa colônia. O resto dos poderes apenas obedece. O povo é mantido à distância do poder por um cordão de isolamento.

      Ter conta nestes bancos é financiar o golpe é a destruição da nação.

      Se muita gente transferir suas contas para bancos públicos (que sob o governo Temer são sabotados) pelo menos a gente cria confusão no sistema.

  2. A chantagem de Meirelles na manipulação da dívida, por J. Carlos

    Concordo plenamente com a argumentação e reconhecimento da realidade.

    A “Ponte para o futuro” foi o compromisso assumido pelo grupo de Ali Babá para a concordância dos mentores do golpe: finança nacional e internacional e interesses estratégicos estrangeiros.

    Por isso os 40 ladrões, mais para 400, tem campo livre para agir. 

    Não cometem erro algum na condução do governo. Lá estão para reduzir o Estado brasileiro a gerência fictícia das políticas públicas, na realdade entregues à gula do bando.

    Não tem a mínima idéia de levar o Brasil a qualquer avanço salve o retorno aos tempos coloniais. O país que se dane.

    Preocupação com a economia ?

    Economia ? O que é isso ?

    São vermes e nada mais.

    Na fossa séptica que nos tornamos são todos iguais.

     

  3. incorporando a hiena *

    Sonha Piragibe, sonha. A pérola da argumentação do Economic Nightmare Team e do mercado, na defesa do holocausto que promovem, é o “crescimento de 2%” no ano que vem. Esse é o exemplo mais cabal da inércia do credo neoliberal. Qualquer observador mediano vê que a receita do bolo desandou e a tendência é ficar pior. Apostar em crescimento com um rombo, prá deixar barato, de 200 bi este  ano (139 LOA + 40 contingenciamento + 20 waiver) e um provável buraco, senão maior, ao menos semelhante em 2018 é negar os fatos e só se sustenta na mais pura Fé. Nesse ritmo a dívida bruta em poucos meses vai bater em 5 trilhões, ~80% do PIB.

    Agora, ver o Postiço et caterva se afundarem dá certa satisfação mórbida, mas ver a imprensa e a comunidade coxinha acreditarem e manterem a crença em uma equipe econômica que cometeu um erro de planejamento dessa magnitudade apocalíptica  (44% do resultado primário) não tem preço.

    * feia, come carniça, faz sexo uma vez ao ano, e ri….

  4. É isso

    Quanto maior o déficit público, quanto maior a desgraça, mais fácil fica a destruição do país e por exemplo a venda da petrobrás.

    E nisso a globo e o mercado estão com eles.

    Alguém imagina que o temer e meireles estão preocupados com o país? As instituições querem um aumentinho de salário e a compra do ap em maiami e pronto.

    Depois do golpe, o caos. E eles estão usando o caos para suas ações mais corruptas.

    Para quem tem o stf que temos…

  5. Meirelles acerta em tudo para a Troika brasileira

    Troika brasileira = Itaú + Bradesco + Santander (Quem tem conta neles está financiando o golpe e a extinção da nação brasileira).

    É o poder de fato que governa. Presidência da República, Congresso Nacional e STF hoje são meros gestores dos bancos. E são demitidos (com golpe se for preciso) se não produzir resultados para os acionistas dos bancos.

    Meirelles produz resultados: pagou mais de R$ 400 bilhões de juros reais nos últimos 12 meses. Agora quer criar mercado bilionário de previdência privada tornando a previdência pública tão ruim a ponto de não funcionar. E quer transferir patrimônio público a preço de banana para os investidores do “mercado” depois cobrar tarifas extorsivas “de mercado”, em nova rodada de privataria descontinuada nos governos petistas.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome