A culpa não é do PT, por Cintra Beutler

A culpa não é do PT, por Cintra Beutler

Se Lula não tivesse se candidatado. Se o PT tivesse abdicado de concorrer às eleições este ano. Se o PT tivesse formado uma ampla frente progressista e uma coalisão à esquerda para fazer frente ao Fascismo.

Esses foram alguns questionamentos feitos nas redes sociais logo após o resultado das urnas de ontem. Com pouco mais de 46% dos votos válidos, Bolsonaro vai para o segundo turno com chances muito claras de vencer a disputa pela presidência.

Há um claro estarrecimento causado por esse fenômeno, qual seja: de um candidato estreante, desconhecido do grande público há relativamente pouco tempo, pertencente a um partido sem relevância no cenário nacional e quase sem apoio de outras siglas, conseguir o feito de obter essa expressiva quantidade de votos. Porém, pouco importa agora saber os porquês dessa conjuntura, seja de que área for: sociológica, psicológica ou cultural. Teses abundam para tentar explicar tamanha manifestação das urnas. Fato é que agora o campo progressista tenta apontar culpados que possam justificar esse feito asombroso. E, quase que por extensão, culpa-se o PT. Contudo, o Partido dos Trabalhadores é o menos culpado por esse evento (se é que algum percentual de culpabilidade possui). A seguir explano porquê.

A imprensa, capitaneada pela Globo, e desde que Lula assumiu o cargo de presdiente, se esmerou em diariamente criticar dura e inescrupulosamente todo movimento do partido, sem abrir espaço para o contraditório e qualquer tipo de defesa, e pintaram um monstro exageradamente feio para a população em geral, ainda que com os erros cometidos pelos governos do PT. Pois é essa estratégia que foi adotada pela imprensa por todos esse tempo: execute-se esse tipo de difamação de forma rotineira. Faça-se dessa oposição irresponsável e risível o arroz com feijão dos jornais. Não dê chance para que se estabeleça algum diálogo ou ponderação em contrário. Como efeito, cria-se assim um estigma, uma mácula indelével e perene na percepção da sigla como o pior mal que já se viveu. Insere-se assim na cabeça do cidadão comum, a sensação de que um partido concentra em si as piores figuras e mazelas que possam ser encontradas no cenário político. Assim cria-se o antipetismo: um tipo de doutrina não encontrado em mais nenhum outro partido, e que está enxertado a ferro quente no imaginário e na consciência coletiva do boobus, ou o homem-massa brasileiro, o cidadão comum.

Leia também:  Por fora, bela viola. Por dentro, pão bolorento, por Rita Almeida

Consolidada e pavimentada essa via do antipetismo, Dilma Rousseff também sentiu em 2014 os efeitos nocivos desse movimento de antipatia a um único partido. Conseguiu milagrosamente se eleger para um segundo mandato, vencendo o boquirroto e fanfarrão Aécio Neves. Porém a governabilidade estava já há muito ameaçada e, com o apoio incondicional da imprensa, foi derrubada em 2016, num golpe branco jurídico-parlamentar, similar ao que ocorreu com Lugo no Paraguai.

Sérgio Moro e o STF também são responsáveis diretos por isso. O primeiro, como já sabido, por conseguir o feito de retirar Lula da disputa presidencial, demonstrando claramente que esse era seu objetivo final. E a máxima corte por corroborar e referendar todos os movimentos claramente golpistas e enviesados. O que desmascara e demonstra totalmente o viés político-partidário do Supremo.

Desse modo, percebe-se que o fenômeno Bolsonaro não é exatamente natural. Ele é produto de um vácuo causado pelo antipetismo – anos de marteladas unilaterais contra uma única sigla. Pregando para uma plateia de convertidos, em um ambiente que pode controlar seu discurso totalmente, ele é fruto das redes sociais, ambientes férteis para a incontida onda de boatos e fake news – fenômeno recente e também consequência do antipetismo. Desse modo, quem pariu Bolsonaro foram a imprensa e o Judiciário. Ainda que de maneira indireta, criando os meios e adubando o terreno para que Bolsonaro se avolumasse. Fica evidente que por mais ações que o PT tomasse, o protagonismo já não seria exclusividade sua e é completamente improvável alguma alteração notável nesse cenário atual. É imprevisível o resultado do caso em que Lula ou Haddad estivessem fora da disputa, como querem fazer entender os defensores da tese de culpabilidade do PT.

Leia também:  Moro usa poder de ministro a fim de intimidar, diz Kennedy Alencar

Tome-se ainda que o tucanato nunca foi devidamente criticado quanto o PT. Aliás, sempre foi contrário: o PSDB e seus interantes sempre foram escudados pela imprensa, e é quem em tese deveria ter sido o favorecido por tantos anos de ataques à sigla contrária. Mas o PSDB pouco lucrou com isso. O problema é que essa sensação de blindagem também foi sentida pelos adeptos da extrema direita, que cresceu nos últimos anos. Tanta contenção dos escândalos tucanos foram suficientes para mostrar aos eleitores de Bolsonaro que o PSDB é um partido que tem o apoio da mídia e, pela associação com a esquerda que está cristalizada no entendimento desses eleitores, o tucanato foi substituído quase que completamente como o contraponto ao PT. O resultado é ilustrado no desempenho de Alckmin: o tucanato desidratou de vez e não teve nem ao menos força para chegar entre os três primeiros colocados.

Embora a esquerda e o campo progressista ainda tenham relevância e se esforcem em fazer valer seus ideais, como o belo exemplo do movimento #Elenão, fato é que os zumbis seguidores do inominável candidato estão em um estado de torpor e hipnose tal qual Freud usaria para ilustrar em “A Psicologia das massas“. Tal estado de neurose é irreversível no ponto em que se encontra e, ainda que haja um frágil fio de esperança, o pior cenário é o mais plausível. Com apenas o apoio da ala progressista do espectro político, ainda que houvesse apoio do centro para Haddad – talvez – de forma alguma há a garantia de transferência de votos para o petista e teremos o inominável fascista subindo a rampa em 1º de Janeiro de 2019.

32 comentários

  1. Artigo lamentável

    Todos estamos carecas de saber o que a cidadã aponta no texto. A questão é inteiramente outra: dado esse quadro e o recado anterior, de 2016, qual deveria ter sido a estratégia adotada?

    Em um comentário no Tijolaço, um internatua perguntou: como passamos do Lula liderando as pesquisas lá atrás para a situação atual?

    Passamos dele liderando pra essa situação porque a candidatura do Lula era uma mentira e só os petistas enlouquecidos não quiserem enxergar isso… Todo mundo sabia que não deixariam ele ser candidato, até ele sabia disso…

    Muitos cansaram de falar que essa estratégia era suicida, o próprio Jacques Wagner disse isso ao Lula: propôs que a chapa fosse Ciro presidente e ele, Wagner, vice (Wagner era o poste preferido do Lula, não era o Haddad…).

    Qualquer político experiente sabia (é difícil acreditar que o Lula, com sua famosa intuição… não tenha percebido) que 2018 seria um 2016 ampliado, mas o cachimbo entorta a boca, essa é uma geração de políticos velhos (em todos os sentidos) e eles se agarram mais a um desejo do que a uma análise de conjuntura realista.

    Associar a questão judicial do Lula com a eleição foi um erro monumental!

    Transformamos a eleição num plebiscito que as pessoas leem assim: você é contra ou a favor da corrupção? Não podíamos ter dado essa oportunidade a eles…

    Agora, Fernando Haddad tem diante de si uma missão histórica: ser capaz de se sobrepor a mesquinharia da cúpula petista, aglutinar todas as forças que tenham um laivo que seja de democracia e desarmar a bomba de ódio do outro lado.

    E mesmo que ele consiga fazer todas essas coisas, o que o transformaria em um personagem de livro de história, ainda assim vai ser difícil ganhar do coiso dadas as condições históricas, sociais e políticas atuais.

    Em caso de derrota, o PT será um dos grandes culpados sim senhora. Temos que assumir as responsabilidades por nossos acertos e nossos erros. E nesta eleição, o PT tem errado a torto e a direito. Sinto muito.

  2. Não é do PT, mas as causas são esvaziadas também

    “Porém, pouco importa agora saber os porquês dessa conjuntura, seja de que área for: sociológica, psicológica ou cultural. Teses abundam para tentar explicar tamanha manifestação das urnas. Fato é que agora o campo progressista tenta apontar culpados que possam justificar esse feito asombroso.”

    Os “porquês dessa conjuntura” e os “culpados que possam justificar” apontam para causas. Se são verdadeiras e falsas, é necessária a análise. 

    Tem certeza que “pouco importa”?

    (deu um problema no envio do comentário; então, talvez haja uma repetição na página; desculpe a falha técnica)

  3. Sugestões de um militante amargurado

    (Pior que uma provável derrota eleitoral será uma derrota POLÍTICA e eleitoral)

    AÇÕES DOS DIRIGENTES DO PT PARA ESTE TENEBROSO MOMENTO

    Urgência nº1 :

    a) Preservar a integridade e o conforto físico de Lula 

    Intensificar contatos com organizações e governos estrangeiros para um necessário pedido de asilo político.

    AÇÕES POLÍTICO-ELEITORAIS

    1) Nenhuma concessão à direita golpista/fascista

    a) Intensificar e amplificar as denúncias no Brasil E NO MUNDO sobre as criminosas perseguições do judiciário e da mídia ao Lula e demais dirigentes do partido 

    b) Deve-se utilizar todos os espaços da propaganda eleitoral para esclarecer didaticamente a diferença das propostas da coligação PT/PCdoB e as propostas da chapa do Capitão Facínora & e o Vice-Jumento (Bolsa Família X Bolsa Bala  – Proteção as Minorias X Extermínio das Minorias  – Respeito a Todos os Credos e Raças X Perseguição aos Espíritas, Muçulmanos, etc..)

    c) Massificar em todas as mídias (PRINCIPALMENTE NO WHATSAPP) a fecunda ligação do Capitão Facínora e o sub-governo do bandido Vampirão (O apoio do Capitão Facínora para a aprovação de leis contra o povo)

    d) Conclamar (se possível orientando) a militância de esquerda e pessoas anti-fascistas para que ocupem as ruas e partam para uma guerrilha cibernética (PRINCIPALMENTE ATRAVÉS DO WHATSAPP) para desqualificar o Capitão Facínora, suas demagogas propostas e seus degenerados fake-news 

    É FUNDAMENTAL COLAR A IMAGEM DO CAPITÃO FACÍNORA AO GOVERNO DO ODIADO VAMPIRÃO GOLPISTA 

  4. O que o PT deveria ter feito

    Um amigo me disse que o PT deveria ter feito a reforma agrária e a reforma tributária.

    Eu disse que não teria adiantado.

    Mesmo seo o PT tivesse feito TUDO 100% certo e bom, não evitaria a campanha contra ele.

    Não sem DEMOCRATIZAR A MÍDIA antes.

     

    Como nossa ZÉLITE ( a autoprocalamda “elite” de zé manés que se acham grande bosta) é muito alienada e só assite ao Jornal nacional, mesmo fazendo o melhor governo de todos os tempos neste planeta, não adiantaria nada.

     

    DELENDA EST GLOBO!!!!

  5. A ÚNICA SALVAÇÃO SERIA HADDAD RENUNCIAR EM FAVOR DE CIRO…

    Concordo, inteiramente, com o que o José Paulo disse no post “Serrano: Tendência é Bolsonaro ganhar eleições e Brasil virar uma Venezuela de direita”, em seu comentário “Tendência não, certeza!” onde disse: “… Luis Nassif, ainda há tempo de o PT e Lula corrigirem esse erro de entregar de bandeja o país para a extrema-direita. ‘LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997. Art. 2º (…)§ 2º Se, antes de realizado o segundo turno, ocorrer morte, desistência ou impedimento legal de candidato, convocar-se-á, dentre os remanescentes, o de maior votação.(…)”.

     

    Haddad poderia até esperar uma semana para ver as pesquisas eleitorais internas do Partido; e, caso não deslanchasse, surpreendesse a todos renunciando a sua candidatura em favor de Ciro… 

     Sim, essa seria GRANDE ESTRATÉGIA da “Arte da Guerra”, a GRANDE CARTA NA MANGA DO PT e da Esquerda que surpreenderia os eleitores de todo o Brasil e desestablizaria a campanha de Bolsonaro, a Grande Mídia, o Sistema e toda a Extrema Direita. Porém, infelizmente, sabemos que isso jamais irá acontecer… Será que ninguém entendeu ainda? É lógico que o PT sabe que Haddad vai perder para o Bolsonaro no segundo turno; por causa das enxurradas de delações que ainda estão por vir (nem vazou ainda a delação do Marcos Valério) no segundo turno, contra Lula, o PT e o próprio Haddad (já com 32 processos, segunda a capa da Isto É)… Mas, talvez, é isso mesmo que o PT quer! Quem sabe, torcendo para os direitos trabalhistas regredirem aos do século 19, para a extinção dos sindicatos, para os militantes e blogueiros de esquerda serem perseguidos, torturados e extraditados pelas novas hordas de milícias bolsonazifascistas do novo governo de extrema direita. Quem sabe, até sonhando com o sacrifício de Lula na prisão; a fim dele se tornar um verdadeiro mártir de esquerda… Quem sabe, estão com saudade da Ditadura Militar e querem reviver aquele antigo sonho utópico da revolução cultural… Para, quem sabe assim, a esquerda morrer e, como uma fênix, renascer das cinzas do PT… Bem, o Brasil e os brasileiros que se explodam! Por isso, o ÚNICA SALVAÇÃO para a Esquerda, o Lula , o PT e para o Brasil seria Haddad renunciar em favor de Ciro Gomes; o único que, talvez (e só talvez), teria condições de derrotar Bolsonaro… Mesmo porque, se ele não conseguir salvar o Brasil da dança na beira do abismo, ninguém mais conseguirá! 

  6. O país morreu. Nosso povo é

    O país morreu. Nosso povo é um contumaz comedor de merda, ingrato, Lula sera assassinado na cadeia !!!

    Bolsonaro nunca fez nada para merecer essa idolatria doente !!!

    Tomara que a grande tragédia Nacional ocorra logo para a roda da história girar !!!

     

     

  7. Os diversos obreros da

    Os diversos obreros da Esquerda, que todos os dias, no silêncio dos que não têm visibilidade, se esfalfam por inserir concepções democráticas nas duras assembleias das organizações de classe, que ensinam letras básicas e noções de Direitos Humanos em cursinhos populares, que frequentam sebos e livrarias e grupos de estudo para avançarem no conhecimento do pensamento de Preobrajenski, Sartre e Belluzo, que organizam mídias populares e de formação do pensamento crítico, que conduzem estudantes aos pobres museus nacionais para proteção de uma memória coletiva da Escravidão e das ditaduras e militarismos

    estão agora pagando caro

    por esse partido de centro, conciliador, perpassado pela corrupção, pelos esquemas de caixa dois e militância paga, com seu núcleo de poder arrogante, de postura anti-intelectual e continuamente equivocado nas suas leituras de conjuntura e posições estratégicas (“tática”, alguém com uma cartilha me corrigirá),

    por esse partido de centro, com suas práticas de ataques e difamações aos colegas de outras organizações e partidos de classe,

    com frágeis noções de capitalismo baseado no aumento da demanda e do poder de consumo das famílias (quando não entregam deliberadamente a economia aos Levys e aos Meirelles)

    com amplo dinheiro público investido em Revistas Vejas e Redes Globos e desonerações fiscais e Krotons,

    e que dá no primeiro instante de governo as costas aos (cade vez mais raros) amigos que permaneceram em sua militância de base,

    por esse partido ser identificado como um partido de esquerda.

  8. Lula não teve uma real leitura

    Talvez, o PT não tenha culpa, mais que seu líder, Lula não teve uma real leitura dos seus eleitores, isso é fato…. 

    Foi dito aqui no GGN: 

    ‘O PT fundamentalmente deveria optado em apoiar outro candidato para eleições presidenciais e focar na Câmara dos Deputados…’

    Era possível sim ultrapassar 120 vagas spartanas na Câmara através da migração de algumas figuras famosas petistas para outras legendas para coopitar mais deputados, mas não, o Senado é o Top … Dilma tentou humilhar Aécio, Lindbergh tentou sobreviver dos votos da ressentida sociedade carioca, Suplicy pensava que ia se perpetuar na Câmara Alta, o próprio Requião (petista inrustido) não acreditava na onda Lavajatista a qual alavancou candidatos nanicos. E finalmente, queimou um dos seus melhores cartuchos, Haddad.

    OBS. Parabéns Gleisi.

     

  9. Pariu Mateus? Embale…

    Nassif: aprendemos que dois corpos não ocupam o mesmo espaço ao mesmo tempo. Também em política. Se a horda DaBala ai está é porque o SapoBarbudo não soube ocupar o espacço à altura, devidamente. LulinhaPazAmor haveria que ter terminado em 2005 e começado a limpeza da eira. Deu mole, especialmente nos da Caserna e colhe o resultado. Deu benesses aos desafortunados (aplausos), mas deixou correr solto a ladroagem dos políticos, especialmente do grupo PSDB/DEM/PPS/(P)MDB+Detritos-de-MareBaixa, sente agora o resultado. Por isso, digo e repito, a culpa é do PT…

     

    PS.: só lamento é que milhões de inocentos pagarão a conta…

    • Caro jcordeiro

      Explica melhor como é esse negócio de o Lula “deixou correr solto a ladroagem dos políticos”?

      É fake news ou não foi nos seus governos e nos da Dilma que a polícia federal mais abriu inquéritos na história do Brasil? Não foram os governos deles que criaram mais de 200 fóruns federais no país? Que deixaram, para o bem e para o mal, que o MP indicasse seus dirigentes e atuasse sem interferências? Não foram esses mesmos governos que aprovaram leis de combate à corrupção? …

      Sinceramente, acho que você poderia calibrar com “menas” força suas imputações de culpa porque a questão é mais complexa.

       

        

      • É e não é

        Meu caro, a questão é de fato complexa, mas precisa acabar de uma vez por todas com o uso da conjunção advserativa “mas” para explicar o que foi o PT no governo.

        Enquanto não cair essa ficha, a direita vai nadar de braçada se aproveitando desse “mas”…

    • Mano, sai dessa de que o Lula

      Mano, sai dessa de que o Lula “deixou correr solto a ladroagem”.

      Essa é a impressão que toda a imprensa quis passar e que foi o mote do “mensalão”: de que Lula teria consciência e domínio de toda sorte de sujeira e que não fez nada porque era conivente.

      Essa explicação é a que menos sentido faz.

      Lula errou em outros pontos, mas com relação a isso não há porque imputá-lo culpa.

  10. A “culpa” tem vários pais e mães: inclusive o PT

    Fazer uma análise de quem teve exatamente “culpa” pela asceção do fascimso é tarefa complexa que deverá levar ainda alguns anos de análises e pesquisas.

    E as respostas serão necessariamente múltiplas, como aliás explicam-se todos os fenômenos históricos.

    Mas algumas das razões são sim os históricos e graves erros que o PT cometeu ao longo de seus anos de e no poder, e sobre os quais a direção do partido foge como o diabo da cruz.

    Continuar ignorando uma necessária autocrítica, continuar achando que o caminho percorrido até agora foi isento de graves equívocos, continuar mitificando a direção do partido, Lula incluído, como se fossem os guias geniais e infalíveis, é o caminho mais curto para que o partido se transforme numa seita de pessoas acríticas.

    Talvez não seja o momento ideal para apontarmos com a profundeza analítica necessária os nossos desvios, dado que o inimigo avança rapidamente sobre as últimas trincheiras civilizatórias, mas negar-se peremptoriamente a reconhecer que não erramos, isto também é “freudiano”.

     

     

     

    • Perfeita consideração Max.

      Perfeita consideração Max. Concordo absolutamente com o que escreveu. A direção do partido não me parece apta ou com desejo de realizar essa reflexão. Não houve até o momento. 

      Essa atitute (ou falta de atitude) inclusive vem provocando o que eu costumo chamar de “engavetamento” da militância.

      Tenho vários amigos que parecem ter vergonha de declarar sua posição ideológica e engavetam suas posições a pretexto de não entrar em discussões perdidas. Eu, embora não seja um cristão religioso, costumo dizer que mesmo o cristianismo tendo errado de forma miserável ao longo de sua história, os princípios, os ideais cristãos estão lá e não devem ser abandonados.  O mesmo ocorre com os nosso ideais progressistas e humanitários. Devemos reconhecer os erros dos partidos da chamada esquerda e virar a página.

      O movimento contrário também é verdadeiro. Notei um enorme movimento de pessoas saindo do silêncio e dando voz ao apoio ao candidato da extrema direita. 

      De nada irá adiantar agora apenas ficarmos na retórica redundante de que sofremos um golpe. O golpe está posto. A questão primordial, na minha opinião, é como retomar o diálogo com quem ainda está apto a dialogar e montar uma estratégia que impeça que a tal onda conservadora aumente ainda mais.

  11. Parece que as pessoas ainda

    Parece que as pessoas ainda não entenderam que estamos vivendo um golpe de estado desde 2014, talvez um pouco antes.

    Foi para concretizar o golpe que o judiciário – que é parte importante do golpe –  afastou o ex-presidente Lula da disputa e o enterrou nas masmorras de curitiba mantendo-o incomunicável já há seis meses e de onde não ele sairá vivo.

    E o PT aceitou a sistuação ao substituir o Lula ANTES qua a candidatura fosse cassada no STF. Eles não cassariam a chapa porque precisavam de uma eleição onde o PT participasse e….perdesse.

    E teve uns resultadozinhos muito estranhos para o senado.

    Eles sabem que não conseguiriam derrotar o Lula em uma eleição se não praticassem uma fraude gigante, então o golpe, versão 3.0.

    De resto, haver[a segundo turno e eles não deixarão o PT vencer para presidente NEM QUE A VACA TUSSA.

    Ás vezes chego a pensar qe permitiram a realização de um segundo turno para  forjarem  um resultado acachapante e humilhante para o PT, tipo 70×30 ou até 75×25.

    GOLPE É GOLPE E NINGUÉM DÁ UM GOLPE DE ESTADO PARA DEVOLVER O PODER DEPOIS DE DOIS ANOS.

    Preparemonos para décadas de obscurantisto e isolamento, porque, acredito eu, nenhum país civilizado e democrático vai querer aparecer ao lado de uma ditadura fascista escancarada.

  12. E se o PT não aceitasse

    E se o PT não aceitasse substituir o Lula e o STF fosse obrigado a mostrar sua cara porca e cassar a candidatura do LUla?

    Será que cassaria a chapa ou não?

    Se cassassem a chapa e o PT não pudesse disputar o “coiso” teria a votação que teve?

    Sem o PT O coiso venceria no primeiro turno ou o Ciro e o Alckmin é que disputariam o segundo turno?

     

  13. A culpa não é do PT

    Eu concordo que a culpa final não é do PT. Concordo com a linha de raciocínio utilizada para demonstrar o desfecho.

    O que eu não consigo achar coerência é que o PT tenha tido em algum momento a mais vaga ilusão de que poderia sair vencedor. 

    Não sou analista político, mas acho que nesse caso aqui é até melhor. O PT sofreu um golpe em que forças enormes se uniram para derrubar o governo Dilma e trincar a ordem democrática. Muito esforço foi dispendido por parte da imprensa (praticamente toda a imprensa tradicional), pelo judiciário, pelo congresso e até por movimentos sindicais menos ligados ao movimento popular. Todos, mídia, judiciário e congresso, lutaram arduamente para que o golpe obtivesse sucesso. Assim, não seria razoável imaginar que apenas dois anos depois eles permitiriam que o PT voltasse ao poder. Não mesmo.

    É evidente que não dá para saber qual seria o cenário da eleição sem o PT. Fato não ocorrido não pode ser analisado além das hipóteses… Agora, dava para saber, pela lógica de conjunturas, que não seria agora que o PT voltaria, mesmo que a maioria da população assim o quisesse (o que não foi o caso até agora).

    Até mesmo as pesquisas que indicavam vitória do Lula, caso pudesse concorrer, pode ter sido manipulada para que assim o pensassem, enfraquecendo o rigor de raciocínio de quem montou a estratégia eleitoral do partido.

    Não é possível que um comitê de campanha, em 2018 e após o que houve nas eleições americanas, não tivesse em conta que as mídias sociais, meios de comunicação instantâneo e outros, fossem ser as ferramentas utilizadas para promover a derrocada do petismo. Uma evidência disso (ao menos para minha linha de raciocínio) é que a tal “onda” que quase elegeu o candidato ontem, só surgiu na última semana, quando a campanha do real candidato da mídia e poderes se mostrou incapaz de ir adiante. Quando Alckimin evidenciou que não mais fazia parte da corrida, toda a potência da campanha bolsonarista foi amplificada a ponto de praticamente definir a eleição.  Eles não entregarão o poder de volta aos partidos mais próximos ao povo de forma pacífica e simplifcada. Todos os artefatos utilizados já estavam ai. As entrevistas, os debates, as notícias, ações da justiça com as delações, as pesquisas.

    Tudo estava pronto e foi sendo usado conforme a campanha andou. No primeiro sinal de crescimento do Haddad, os artefatos começaram a ser ativados, um a um conforme a necessidade. 

    Veja o que houve com candidatos ao senado, por exemplo. Requião, Dilma e Suplicy apareciam com considerável vantagem nas pesquisas. Ai, no último momento despencam? Não são candidatos com eleitores tão voláteis assim. Me parece claro que houve uma condução para que as pesquisas os deixassem em uma zona de conforto e não atentassem, por exemplo, ao fato de haver dois candidatos a serem votados. 

    A delação do Palocci. O racha no PSDB… Tudo foi acontecendo de forma bastante organizada.

    A culpa não é do PT nesses casos, mas há sim a responsabilidade de não haver tido uma reflexão sobre tudo o que estava acontecendo e que essa eleição não seria ganha apenas no debate, propostas e diante de normalidades institucionais.

    Nós, eleitores do campo à esquerda, também somos responsáveis. Muitos de nós nos encolhemos, perdemos o desejo pelo debate, paramos de buscar formas de convencimento de ideias. Em tempos de pós verdades, não sabemos ainda como lidar com um opositor que não opera segundo lógica alguma, sem nenhuma noção institucional e sem nenhum compromisso com projetos de país. 

    Em tempos de relações líquidas, como bem nos ensinou Bauman, pouco tem importado o conhecimento científico, histórico, político. As ideias são ratificadas por grupos em mídias sociais e em aplicativos como whatsapp. Você pode apresentar um baú de livros, resenhas, teses, artigos e o que mais houver, que pesquisou determinado assunto. Se o pretenso ouvinte quiser ele ignora tudo e diz  “não acredito” na sua cara, sem nenhuma vergonha de estar sendo ignorante. Aliás a ignorância passou a ser algo relativizado e ninguém parece se importar com o não saber, já que a liquidez das relações permitem a mudança de espectros com a facilidade que se abre uma lata de refrigerante.

    Os tempos são difíceis? Sim, são. Mais difíceis até do que imaginamos. Vamos assistir ao desmonte de uma estrutura de concessões sociais? sim, iremos. Nossa sociedade irá endurecer, dividir-se um pouco mais e a reconstrução precisa ser considerada. A forma? Não se tem a mais vaga ideia.

     

     

     

     

  14. bom post.

    Concordo com o descrito.

    Mas agoa não devemos perder tempo com essa discussão.

    Devemos montar uma FRENTE DEMOCRATICA ampla e conquistar os que não votaram no primeiro turno.

    Hadad so pode contar com os votos do Ciro e Boulus. Os demais ou votam na besta ou vão para a praia( para quem pode!).

    Um ponto: na familia de minha mulhae e tambem meu proprio irmao manifestaram um sentimento anti- pt argumentado a corrupção. Nenhum deles é fascista ou demonstra ser. Na verdade nem do Bolsonaro gostam. Mas ele representa agora o anti-petismo, é o que conta. 

    Os estrategistas do pt devem conversar com essas pessoas ( tem um termo tecnico que não me lembro), as motivações e tentar descubrir maneiras de como desarmar esse preconceito. 

  15. O PT é culpado! De nao deixar de ser um partido…

    É o fim da picada culpar o PT por nao ter desistido de sua existência como partido e suas candidaturas “por causa do anti-petismo”. Queriam o quê, que o PT simplesmente abandonasse a luta? Deixar todos os seus votos e militantes de herança para um candidato de si mesmo? Ora, ora.

  16. 120 vagas spartanas

    Talvez, o PT não tenha culpa, mais que seu líder, Lula não teve uma real leitura dos eleitores, isso é fato…. 

    Já foi dito aqui no GGN: 

    ‘O foco do PT deveria ser na Câmara dos Deputados, era possível sim, ultrapassar 120 vagas spartanas no parlamento através da migração de algumas figuras famosas petistas para outras legendas’…

    Mas não né, o Senado é o Top, Dilma tentou humilhar Aécio, Lindbergh tentou sobreviver na ressentida sociedade carioca, Suplicy pensava que ia se perpetuar na Câmara Alta, o próprio Requião (petista inrrustido) não acreditou na onda Lavajatista a qual alavancou muito candidato desconhecido.

    O ex-presidente, fundamentalmente deveria ter optado em apoiar outro candidato para eleições presidenciais por causa da aguda polarização e da saudável alternância de poder.

    E finalmente, queimou um dos seus melhores cartuchos, Haddad, por que ganhando não governa.

     

  17. A arrogância petista de sempre

     “Contudo, o Partido dos Trabalhadores é o menos culpado por esse evento (se é que algum percentual de culpabilidade possui). “

     

    Se existe um grande culpado, esse culpado é sim o PT A seguir explano porquê.

    Em tópicos:

    1 – Imputar toda culpa a direita golpista e a mídia é a saída mais fácil, esses dois entes fazem o seu papel, caberia ao PT e a esquerda tradicional  batalhar com suas armas;

    2 – Mas quais armas? desde o primeiro congresso o PT enveredou pela via da burocratização e pela luta dentro da institucionalidade: fecharam diretórios de bairro, proibiram as bases de escolher seus condidatos, etc,ora já esqueceram do abraço fraterno no caminho da institucinalidade?

    3 – Acabou-se o trabalho de base, em 13 anos de governo e um monte de prefeituras e eatdos nunca recebi um panfleto político, nunca vi nem ouvi um militante do PT nas ruas, onde estava a mídia petista para contrabalançar a mídia golpista? Por onde andou os campeões da militância social durante todos esses anos? Vagabundeando nos gabinetes, sindicatos, DCE’s de universidades públicas, organizções estudantis, etc….e as ruas, às favas! “O povo sempre reconhecerá seu líder e benfeitor” 

    4 – Burocratas, carreirista, corruptos (não venham com honestidade petista, no máximo um rouba mas faz) avessos a volta para suas profissões de origem, agarrados ao osso dos cargos e delícias do mundo burguês, os petistas chafurdaram na institucinalidade burguesa, jamais aceitariam apoiar algo racional e benéfico para TODO  o campo da esquerda e do povo, eles devem sempre encabeçar o processo, iluminados e crentes que são os únicos salvadores;

    5 – Confiantes (apenas) no voto do povo (ao mesmo tempo que desconfiam e abominam as massas quando o assunto é dividir o poder dentro do partido) os petistas, arrogantes e ultrapassados que estão em termos de leitura social, cultuadores da ignorância e do anti-intelectualismo (estudar e analisar é coisa de burguês!) entraram de cabeça na disputa pela PAUTA DE DIREITOS: feminismo, machismo, racismo, misoginia, etc = o povão está defecando para estas questões. Um povo forjado na escravidão, na pobreza, no abandono, nas ditaduras, na seca, na fome, etc…essa somatória de aberrações não resultou na soliedariedade, mas sim no salve-se quem puder e dane-se o outro. Só mesmo o PT, a esquerda partidária e os movimentos sociais deliram com um povo simpático, fofo e bacana. Esta é a supercialidade do povo brasileiro.

    A cegueira política + a falta de análise e estudo (a apologia à ignorância) + a crença mítica no bom selvagem brasileiro + a arrogância dos iluminados condutores dos burros de carga + a arrogância transmutada na negação da crítica e da auto-crítica +  a vagabundagem e a inexistência do trabalho de base = aniquilação da esquerda tradicional.

     

  18. É engraçado…
    Nos anos de

    É engraçado…

    Nos anos de 1980 e 1990 a esquerda brasileira se resumia a Lula e Brizola. A sensação da época é de que essas figuras e suas siglas eram representantes de um passado que a classe branca média considerava radical e tosca.

    Lula e sua imagem nada simpática à classe média falava em calote da dívida externa, bradava contra austeridade fiscal, contra FMI, contra privatizações e toda a míríade de ações antipovo que o neoliberalismo tupiniquim tomava.

    Eu consigo entender a crítica à esquerda feita pelos saudosistas da “esquerda raíz”, por assim dizer. A minha crítica, afinal, também vai por esse caminho. Ocorre, caros, que se o PT e Lula não tivessem abrandado o discurso, se não surgisse o “Lulinha paz e amor” (que foi uma estratégia marqueteira em limpar a imagem de Lula como inimigo da classe média), eu aposto que o PT nem Lula teriam a trajetória que tiveram.

    O plano Real reelegeu FHC em 1997. A imprensa de massa da época era só elogios a FHC. A corrupção grassava (como até hoje) e a associação desta com o tucanato nunca foi feita. O PSDB deitava e rolava com a complacência e benevolência da Globo et caterva.

    Posso concordar em parte que em virtude das cagadas de FHC, Lula conseguiu um feito inédito até ali. Porém, não foi por causa da imprensa que Lula foi presidente. Do contrário: quanto mais propaganda negativa contra, melhor. Em 1989 teve inclusive debate editado para o queridinho da Globo poder superar Lula. Assim, entendo que a conquista de Lula em 2002 estava muito na identificação do povo mais humilde com sua figura. Essa projeção do povo em seu representante (óbvio que o caudilhismo é prejudicial e depender desse tipo de estratégia sempre é perigoso) foi o mote que se seguiu nas eleições seguintes, com a figura de Lula sempre associada ao PT.

    Agora, voltando para 2018: engenheiro de obra pronta sempre fala com propriedade. Sempre tem uma opinião cabal que poderia mudar o cenário radicalmente.

    OK, supondo a ausência do PT no pleito. Quem surgiria como figura que pudesse barrar o Bolsonaro? Lembrando que Bolsonaro só surgiu por conta do antipetismo e surfou nessa onda até agora. Portanto, o inominável já é realidade pelo menos há uns 3 anos, desde a queda de Dilma.

    OK, supondo que essa figura fosse Ciro. Ciro só tem fôlego no seu quintal político, o Ceará, e nos outros estados para um eleitorado muito mais letrado. Quem garante que, mesmo com o apoio do PT, Ciro pudesse ter algum fôlego no primeiro turno? Recordando que o Bolsonaro por pouco não se elege no primeiro turno.

    Talvez a parte que coubesse ao PT seria Lula não concorrer (porque pessoalmente considero que o tempo dele já passou e ele poderia da espaço para arejar o espaço para novas lideranças). Mas essa é uma opinião pessoal e eu não acredito que algum candidato petista se descolar totalmente da imagem de Lula seria uma boa estratégia.

    Assim, o PT está na dele, concorrendo como qualquer outro partido. Qualquer manobra do PT seria irrelevante para mudar o cenário de fascismo descarado que estamos vivendo. É óbvio que corremos o risco do inominável assumir a presidência? Sim, concordo. Mas novamente: se o brasileiro ignorante flertou com essa direita raivosa e descontrolada, não foi por conta das atitudes ou omissões do PT. Estamos diante de um fenômeno que é muito mais subjetivo e tácito do que propriamente palpável ou facilmente atribuível a um tipo objetivo de conduta, especialmente do PT. O eleitor de Bolsonaro não é racional, pois está movido pelas paixões anti-esquerda e pelo ódio. Isso já existia, claro. Só que agora se avoluma e encontra um encaixe perfeito na figura do Bolsonaro. E esse infeliz só é quem é pelo fato do vácuo político criado por anos de antipetismo e propaganda negativa. Essa é a explicação mais racional e sensata. Qualquer elucubração que não mencione esse fato é especulação vazia.

    • E a nossa parte?

      E esse infeliz só é quem é pelo fato do vácuo político criado por anos de antipetismo e propaganda negativa. Essa é a explicação mais racional e sensata. Qualquer elucubração que não mencione esse fato é especulação vazia.

      Ou seja, nós não temos responsabilidade nenhuma, foi o antipetismo e a propaganda negavtiva. Meu deus, quanta cegueira!

      Nós estivemos 12 anos no poder, não 12 dias!

      Nós chegamos ao poder com uma autoridade moral que na primeira oportunidade jogamos no lixo.

      Quando essa autoridade moral se foi, a direita hidrófoba começou a sair do armário sem se sentir passando vergonha.

      O nosso ponto de vista político podia não ser aceito por essas pessoas, mas nós não éramos considerados ladrões como todo o restante da classe política.

      É um delírio imaginar que Zé Dirceu era “consultor” e Lula não sabia como as alianças estavam sendo formadas, no mesmo toma lá dá cá de sempre.

      O problema, e veja que problema…, é que isso não tem mais volta! Você nunca perdoa o pecado do santo… o do pecador sim, mas o do santo? Esquece. Não será mais o PT nem a minha ou a próxima geração que vai livrar o Brasil dessas trevas, isso agora, é trabalho pra 30, 40, 50 anos.

      E tudo, sim senhor, porque no poder, o partido dito “dos trabalhadores” entrou na mesma dança que o partido dos patrões (e não interessa nada o que tenha feito de benéfico para o povo, pois a questão é de pedagogia política não de bolinhas de powerpoint com número de obras..) e achou que era possível realizar a grande conciliação brasileira.

      Florestan Fernandes avisou há muito tempo, ou se faz uma revolução proletária, mesmo que seja por dentro da ordem, ou a burguesia deita e rola.

      O problema é que eles vão deitar e rolar em cima do povo.

  19. A culpa é sempre dos outros

    Ontem cheguei para um direitoso que se diz de esquerda radical e informo-lhe: Um Eleitor do Bolsonaro matou um Eleitor Negro e Pobre do PT na Bahia. O Tolão pergunta-me: a culpa é de quem?

    Ele mesmo responde: “Ora, a culpa é do PT.

    Eu disse a ele: “Ao culpar o PT pelos crimes cometidos pelos fascistas, tu facilita o trabalho sujo destes. Se o PT for responsabilizado pelas cagadas dos fascistas, eles vão matar mais gente, já que os culpados não são eles, mas os outros”.

    Então o Tolão começou a dizer que eu o entendi errado, que não foi isso o que ele disse.

    Tem muita gente que está votando no Bolsonaro não por ser anti-petista mas por causa dos níveis de violência. Antes tais níveis de violência, o Bolsonaro promete que vai armar a população e a população, inclusive quem não tem dinheiro nem prá comprar uma faca de cozinha, acha que vai comprar uma metralhadora e garantir sua própria segurança, já que não há segurança pública. Aí é que a violência vai aumentar exponencialmente. Enquanto isso, deixa-se a violência correr solta, tendo em vista que um das estratégias de manipulação dos parasitas sociais é:

    “Criar problemas, depois oferecer soluções

    Este método também é denominado “problema-reacção-solução”. Primeiro cria-se um problema, uma “situação” destinada a suscitar uma certa reação do público, a fim de que seja ele próprio a exigir as medidas que se deseja fazê-lo aceitar. Exemplo: deixar desenvolver-se a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público passe a reivindicar leis securitárias em detrimento da liberdade. Ou ainda: criar uma crise econômica para fazer como um mal necessário o recuo dos direitos sociais e desmantelamento dos serviços públicos”.

     

    https://resistir.info/varios/manipulacao.html

  20. Bulling

    A culpabilidade do PT está na medida que não reagiu, como uma criança medrosa que se encolhe diante de seus bullies… uma criança de dois metros de altura (momento em que Lula teve 83% de aprovação).

  21. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome