A recompensa do delator, por Frederico Rochaferreira

A recompensa do delator, por Frederico Rochaferreira

Muitas das condenações e prisões no âmbito da Lava-Jato teve como objetivo forçar uma delação contra o ex-presidente Lula. Uma delas foi a do ex-presidente da empreiteira OAS, Léo Pinheiro.

O juiz Sérgio Moro o condenou em tempo recorde a 16 anos de prisão. No acordo de delação, Léo Pinheiro inocentou Lula e a delação foi suspensa1.

O TRF-4 então aumenta a pena de Léo Pinheiro para 26 anos e o empreiteiro muda a versão2. Mesmo sem apresentar provas, Léo incrimina Lula, era o que a “justiça” queria. Amparado na muleta da deduragem, o juiz Sérgio Moro condena o ex-presidente, tirando da corrida presidencial o principal candidato3.

A partir daí, todas as manifestações nacionais4 e internacionais contra as práticas ilegais da Justiça brasileira no caso Lula, foram ignoradas, como a recomendação do Comitê de Direitos Humanos da ONU para que o Estado brasileiro garantisse os direitos político do ex-presidente5 e a carta de juristas europeus enviada ao Supremo Tribunal Federal, apontando “sérias irregularidades” no processo contra Lula6.

Do mesmo modo, todos os recursos apresentados pela defesa do ex-presidente nas instâncias superiores, foram negados. Só no âmbito do tríplex do Guarujá, foram apresentados 78 questionamentos judiciais entre fevereiro de 2016 e junho de 20187.

Como recompensa aos serviços prestados por uma delação sem provas, mas que serviu de base para a condenação e prisão de Lula, o juiz Sérgio Moro trocou os 26 anos de prisão de Léo Pinheiro, (OAS) por 2 anos em regime aberto8.

Leia também:  Jornalista crítico do PT adere ao “Lula livre” com artigo na Folha

Com Lula impedido, o caminho ficou livre para Jair Bolsonaro assumir a presidência em meio à acusação de criar uma organização criminosa de fake news para tirar do páreo o candidato do PT, Fernando Haddad9 e assim como Moro recompensou Léo Pinheiro com a liberdade por sua delação, Bolsonaro recompensou Moro com o Ministério da Justiça e o genro do delator, com a presidência da Caixa Econômica Federal.

 

Referências:

1.    https://www.brasil247.com/pt/247/parana247/291506/H%C3%A1-11-meses-L%C3%A9o-Pinheiro-inocentou-Lula-e-MP-n%C3%A3o-aceitou-dela%C3%A7%C3%A3o.htm

2.    https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/desembargadores-aumentam-em-10-anos-pena-para-leo-pinheiro-da-oas/

3.    https://jornalggn.com.br/noticia/relembre-moro-usou-depoimento-sem-provas-para-condenar-lula-indica-parecer-de-janot

4.    https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/306827/Juristas-pela-Democracia-condenam-Moro-no-caso-Lula-%E2%80%9Cparcial-e-pol%C3%ADtico%E2%80%9D.htm

5.    https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2018/08/18/interna_politica,981207/stf-deve-ignorar-documento-da-onu-sobre-candidatura-de-lula.shtml

6.    https://www.sul21.com.br/ultimas-noticias/politica/2018/08/juristas-europeus-enviam-carta-ao-stf-apontando-irregularidades-serias-no-processo-contra-lula/

7.    https://gauchazh.clicrbs.com.br/politica/noticia/2018/07/defesa-de-lula-entrou-com-78-recursos-no-caso-triplex-cjj32vcdh00ua01mknrfep2q9.html

8.    https://g1.globo.com/pr/parana/noticia/renato-duque-leo-pinheiro-e-outros-reus-sao-condenados-em-acao-penal-da-lava-jato.ghtml

https://oglobo.globo.com/brasil/haddad-acusa-bolsonaro-de-criar-organizacao-criminosa-para-espalhar-fake-news-23164916

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. “Ao vencedor as batatas”

    Esse é o tipo de texto a ser enviado ou fixado nas paginas facebook porque apresenta dados concretos. Quando Sergio Moro aceitou seu quinhão, ri com meus botões. Eles mesmos se desmascaram.  Falta a imprensa ser menos irresponsavel e informar corretamente o seus concidadãos.  

  2. Quem acompanha o caso sabe

    Quem acompanha o caso sabe que Lula é inocente. Os que não acreditam na sua inocência são os que não se interessam ou que têm interesse na condenação independente de prova. Agora, quem julga que Lula vai ser inocentado, ou é inocente que sabe de nada ou não acompanha os diversos casos pertinentes. Alguém se lembra de quando José Dirceu dizia que queria ser julgado pelo STF o mais rapidamente possível para ser inocentado ?  Como não havia qualquer prova do que lhe acusavam (confirmado pelo “petista” Ives Gandra), julgava que o STF jamais o condenaria. O inocente não sabia dos fatos que dominavam o STF. E a destruição política, quase física, de José Genoino ? E a destituição de Dilma ? Quais foram as bases legais ?  E…?  E… ?

  3. é o quepoder-se-ia chamar de

    é o quepoder-se-ia chamar de recompensas infames aos que praicam atos ilegais num estado de exceção,,,,

  4. Não, ao caso

    Será que as autoridades envolvidas na possível farsa convicta da acusação contra Luis Inácio “LULA” da Silva, na possível farsa convicta do julgamento de Luis Inácio “LULA” da Silva e na possível  farsa convicta das condenações de Luis Inácio “LULA” da Silva conseguem interagir, sem incômodo e/ou constrangimento, com suas consciências? Será que quando falam, pensam ou ouvem algo sobre honra, moral, ética, dignidade, isenção, imparcialidade, preconceito perseguição, egoísmo, ambição, ganância e traição, se sentem à vontade? Afinal, quanto aos delatores e as delatoras, sabemos que por natureza são abomináveis e deploráveis alcagüetes, X9, dedos duro, traíras, vendidos e entregadores. Porém, quando autoridades se tornam delinqüentes por ganância, por egoísmo, por ambição, por mais poder, por mais dinheiro, por mais status, por pura vaidade, e correm o risco de jogar no lixo a sua autoridade e a sua reputação, formamos a firme convicção que o que mais merecem é o nosso desprezo, o nosso descrédito, o nosso desrespeito, a nossa desconsideração e a nossa repugnância.

     

  5. E…

    … o governo Temer, em novembro passado, teve o desplante, o cinismo e a pouca vergonha de, dirigindo-se à ONU, acusar Lula, “merecidamente condenado”, de ofender as instituições brasileiras para tentar mostrar-se inocente e perseguido político. Por sinal, na mesma data em que o político direitista, que posava de “juiz” para perseguir o ex-presidente na primeira instância,  sem jurisdição legalmente cabível, foi convidado para ministro pelo candidato eleito, em consequência da condenação de Lula, que era, provavelmente, imbatível se concorresse, diziam todas as pesquisas.

  6. nem delação foi…

    a primeira sim, mas, como inocentava, foi cancelada

     

    a segunda, pelo que pude entender, não tem nada a ver com a lei. Foi uma declaração especial direcionada ou combinada para um caso particular não prevista na lei original

     

    usou uma lei geral para delações que ainda não existe

     

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome