Alguns resultados da eleição de 2020, por Fábio de Oliveira Ribeiro

A imprensa usou a eleição de 2020 como laboratório e fez campanha eleitoral presidencial antecipada para Sérgio Moro.

Foto RBA

Alguns resultados da eleição de 2020

por Fábio de Oliveira Ribeiro

Em Osasco SP o ex-prefeito petista Emídio teve uma votação mixuruca, bem abaixo das expectativas do PT. Em São Paulo os petistas conseguiram levar Boulos facilmente para o 2° turno rompendo o isolamento do PSOL e desafiando a hegemonia política da Folha/Estadão.

O fantasma de Marielle Franco decidiu a eleição carioca ao eleger sua companheira e rebaixar o desempenho eleitoral de Carlos Bolsonaro. Suplicy confirmou a tendência que ele mesmo criou: para sobreviver após o golpe de 2016 é preciso ser maior do que o partido que foi golpeado.

O bolsonarismo saiu muito enfraquecido das urnas. O resultado das eleições municipais não prejudicará necessariamente o lulismo, pois ele sempre existiu num espaço político maior do que aquele que é ocupado pelo PT.

A imprensa usou a eleição de 2020 como laboratório e fez campanha eleitoral presidencial antecipada para Sérgio Moro. Essa demonstração de desespero político poderá ser prejudicial. Ao jogar Bolsonaro no lixo os jornóialistas facilitarão o retorno da esquerda à presidência? A conferir.

Os bolsonaristas não repetiram o sucesso de comunicação que tiveram na campanha presidencial. Os petistas podem ter sido vítimas do efeito bolha. De maneira geral é possível dizer que o jornóialismo opinativo conseguiu prejudicar mais o PT do que a direita, rebatizada como “centro”.

Os hackers não conseguiram interromper a eleição ou comprometer a apuração dos resultados. Mas o Judiciário não foi capaz de reprimir imediatamente o fascismo digital que nessa eleição se tornou um complemento inseparável da violência política real.

Luís Barroso apoiou o golpe de estado contra Dilma Rousseff dizendo que o Brasil merecia passar por um processo de refundação. Eleito presidente, Bolsonaro disse que quem tem arma de fogo é para usar. As eleições de 2020 foram as mais violentas dos últimos 50 anos. Um candidato a vereador chegou a ser morto a tiros durante sua live. Portanto, podemos dizer que nosso país começou a ser refundado pelo terrorismo político da extrema direita.

Barroso e Bolsonaro são os dois lados da mesma moeda antidemocrática. É difícil dizer qual dos dois é mais perigoso para o futuro da democracia brasileira.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora