Cria corvos…, por Fernando Horta

Cria corvos…, por Fernando Horta

Há um ano se dava o famigerado golpe na democracia brasileira. Creio que já podemos avançar sobre a antiga discussão que indagava se houve golpe ou não. Temer e seu grupo de criminosos organizados na política brasileira fizeram esta discussão não ser mais necessária. Mesmo quem apoiou a farsa do impeachment, seja por ignorância, ódio ou esperança de que algo melhorasse, hoje já forma fileiras contra a máfia que cortou as amarras que lhe impunha Dilma Rousseff, para transformar o Brasil numa quitanda. Vende-se tudo, desde que no pagamento estejam incluídos votos para salvamento dos – hoje já – notórios corruptos que assaltaram o poder.

Aos apoiadores e defensores da violação das instituições brasileiras, sobra a defesa desesperada da tal “Lava a Jato”. Não passa desapercebido o fato de que cada vez mais a Lava a Jato demanda maiores investimentos em mídia para manter a sua legitimidade. Agora é um produto filmográfico de péssima qualidade e financiado por investigados pela própria operação. A Lava a Jato de fato só se sustenta dentro de suas bolhas de comunicação social, uma vez que a própria lisura do juiz-justiceiro é colocada em xeque, juntamente com relações nada católicas entre sua esposa, sócios e padrinhos.

As risadas proferidas por Moro na estreia do filme, quando este retrata o seu próprio crime de vazar conversas pessoais para uso político, é uma bofetada na cara do STF e joga exatamente contra o título do filme. A lei tanto não é para todos, que o juiz que dolosamente a infringe pode sentar-se num cinema público e rir-se – livremente – enquanto seu crime é recontado e mantido para a posteridade. Cada juiz sério neste país é diminuído e espezinhado toda vez que Moro ri de seus crimes, e ainda se acha no direito de pautar os debates sobre “crime e castigo”.

Nos primeiros anos da Lava a Jato, a propaganda se concentrava na construção da figura de Moro como “impecável tecnicamente”. Me recordo de receber inúmeros e-mails, mensagens e contatos neste sentido. Impecável tecnicamente, formado em “Rarvardi”, diziam os publicitários que já naquela época trabalhavam para a Lava a Jato. Quando pudemos ler Moro, ver suas sentenças, ouvir o conteúdo de suas falas o nível técnico, linguístico, lógico, cultural era tão baixo que mesmo “Ravardi” precisou ser investigada. No fundo as histórias dele e de Dallagnol são muito parecidas, com problemas quando da entrada para os cargos judiciários que ocupam, cursos comerciais de pós-graduação supervalorizados e uma série de incongruências acadêmicas que parecem não ser novidade dentro do campo do direito, mas que estarrecem pesquisadores de outros campos.

Leia também:  Chamado de "canalha", Moro rebate Lula: "Não respondo a criminosos"

Do discurso da “impecabilidade técnica” passamos ao discurso da fortaleza moral. Seja o que for que Moro esteja fazendo ele é honesto e faz “pelo Brasil”. Os números do desemprego entre os mais pobres só crescem. Mais pobres cujos empregos foram destruídos quando a Lava a Jato de Moro destruiu as cadeias produtivas do petróleo e construção civil que empregam, direta ou indiretamente, um enorme número de trabalhadores e com os menores níveis de ensino. Emprego da população mais pobre e vulnerável, portanto. Moro trocou isto por um ideal fascista de “combate à corrupção” que nem a Alemanha saída da segunda guerra aceitou. Ao invés de investigar e punir pessoas, Moro inviabilizou as empresas colocando milhares de inocentes cidadãos brasileiros de volta na pobreza.

Sobrava a “retidão moral” do juiz que só se veste de preto, como se sempre em luto pelas leis que mata diariamente em seus despachos. Num primeiro momento, levantou-se pequenos indícios desabonadores em processos anteriores de Moro, que já havia ido parar no STF e CNJ por abusos constantes contra advogados e réus. Em seguida, indícios sobre a conduta de sua companheira de vida que “mora com ele”. O caso nunca bem explicado das APAE. Agora, surgem depoimentos que implicam o juiz em enriquecimento usando o cargo a partir de padrinho que trabalhou efetivamente nos processos e construiu “acordos” que o denunciante diz que exigiam pagamentos secretos para a aceitação pelo paladino-juiz. Não estou entre os de moral elevada que – mesmo sendo espezinhados pelo juiz – defendem que a ele seja dada a “presunção de inocência”. Mais mundano e terreno, jogo pelo princípio da reciprocidade. Não acho que Moro mereça nada que não tenha dado aos seus réus. Acho ainda que deve ser processado por crime de lesa-pátria e alta traição, caso fiquem comprovados os acordos com o exterior sem a participação do congresso.

Leia também:  Pedido de liberdade de Lula está com juiz para decisão

O resultado disto é que Moro erode dia a dia. O filme vem em um momento desesperado, exatamente como foi o lançamento de suas redes sociais e depois a desastrada parceria do juiz com historiador acadêmico “moderninho”. Sempre, quando o juiz tem suas mundanidades expostas, correm uma série de ferramentas de publicidade a serem colocadas em operação. Repetindo o mesmo processo que o mesmo juiz fez, socorrendo seu amigo-padrinho-advogado das acusações que apareceram contra o grupo de Curitiba. Ocorre que o filmograma, além de incorrer em imoralidades em seu financiamento, ainda traz um título que se desfaz nas risadas do próprio protagonista “star-juiz-justiçeiro de preto” quando da “avant-première”.

Quando a justiça precisa da publicidade para se fazer justiça é porque não tem consistência interna para ser o que se afirma. A publicização (e não publicidade) do resultado do processo judicial é condição essencial para regimes democráticos. A publicidade ativa, com duplo objetivo de criar um justiceiro aos olhos da anormalidade psicológica punitivista e de tornar os réus culpados antes dos processos, é característica de regimes de exceção. E regimes de exceção fracos e sem legitimidade, ainda por cima.

A mentira que foi e é a Lava a Jato já começa a não conseguir se sustentar mesmo com pesados e secretos investimentos em publicidade. Moro, que mostrou inconsistência e mediocridade técnica, não convence mais no papel de um Eliot Ness do trópico de Capricórnio, mas a Lava a Jato pode ainda continuar a prejudicar o país em níveis muito mais severos do que o dinheiro que diz recuperar, e que ninguém sabe direito para onde vai. Se o judiciário não souber conter seus monstros – alguns recebendo até aplausos de uma esquerda lunática – o povo tem obrigação de perceber os absurdos e se precaver deles.

A capa do corporativismo judiciário vai servir de camisa de força levando TODOS os seus membros para o mesmo fundo fétido que Moro e sua “força-tarefa” estão em acelerada velocidade para atingir. Um ano do golpe e tudo – efetivamente tudo – piorou, mas o que mais se deteriora é a “operação lava a jato” e seus partícipes. Dos rótulos de virtuosidade para a nudez moral, Moro transpõe este caminho sorrindo e comendo pipoca. Talvez inebriado pelo tapete vermelho que lhe estenderam. Não vai entender o que lhe ocorrerá. Um Luís XVI de toga.

19 comentários

  1. O mais nojento é ver gente

    O mais nojento é ver gente que pegou as ilegalidades de Moro – o grampo de Lula e Dilma, de Lula e Eduardo Paes ( em que o fdp do Paes mostrou seu amor por Maricá ) e o mais crimonoso de todos, o de Dona Marisa com seu filho – para arrotar seu moralismo de fachada e hoje quando é o amigo que foi pego do mesmo jeito reclama do procedimento. O exemplo acabado disso é de RA. Quando era Lula a vítima, tudo valia. Quando foi o amigo Aécio que foi vítiam duma daquelas capas da Al-Veja, chamou a turam que a fez de nojentos. Nem mesmo teve a hombridade de falar isso na cara e na hora dos que fizeram isso. Só não saiu de vez de cena porque teve acolhida na mídia que apoia Temer 100 por cento. Não, por incrível que pareça, não é a Globo desde o caso Joesley. É a família Saad, dona do grupo Bandeirantes. 

  2. Poxa vida Fernando, esse

    Poxa vida Fernando, esse texto foi excelente. Uma descrição quase perfeita dessas pessoas e suas cegueiras intencionais ou não. O prof. Aldo Fornazieri também fez uma descrição muito boa mas exaltando a parcialidade e a vaidade.   Parabéns. 

  3.  Texto  simples e direto.

     Texto  simples e direto. Parabéns.O mais triste é a constatação q o ódio insano se sobrpóe a verdade tão óbvia. Penso q  aqueles q bateram panelas tb foram lobotizadfos. Triste

  4. “Alguns até recebendo

    “Alguns até recebendo aplausos de uma esquerda lunática ” luciana genro, aquela que deixa exposto a seu complexo de Édipo toda vez que pega carona na mídia porca ao critcar Lula  por este não ter preterido seu pai à Dilma, “não acho que moro mereça nada que tenha dado aos seus réus” concordo em gênero , número e grau. Chega de pacifismo otário. O príncipe do mal vai ter que abrir um ala duas vezes mais quente no inferno pra fazer este cara pagar o que fez ao povo mais humilde deste sub-país. Ainda acho que este cara disputa com o janot o t´tulo de pior brasileiro da hisstória. Pra mim, joaquim silvério era um patriota perto deste dois.

  5. Repito pela milionésima vez:

    Repito pela milionésima vez: o grande responsável pela DEGRADAÇÂO no Judiciário brasileiro é o Supremo Tribunal Federal. 

    Todas os excessos, as safadezas,  as extrapolações, seja na primeira, na segunda instância, no STJ,  agridem, ferem, a Constituição, cuja guarda é(ou seria) do Supremo. Sem falar nos aspectos administrativos-funcionais, a exemplo da verdadeira farra, da imoralidade no que diz respeito à remuneração dos seus membros. 

  6. CRIA CORVOS

    Embora concorde com as críticas que se fazem ao Juiz Moro, sinto-me confuso pela contradição entre as posições adotadas pelos progressistas quanto às suas decisões. Quando se trata de indivíduos como Cunha, Collor, Temer, etc.. a Lava Jato é

    “aceita” e reina silêncio sobre ela. Quando se trata de indivíduos “do lado certo” (sic!), a Lava Jato é atacada. Afinal, a crítica vale para todos ou só para alguns?

    • Corvos
      Francisco, a crítica vale para uma operação que é seletiva e que desrespeita as leis
      Para uns há PROVAS irrefutáveis. Estes devem ser tratados com as penas previstas. Para outros há APENAS frágeis convicções. E frágeis convicções não deveriam CONDENAR. Consegue entender está básica diferença?

  7. Fernando em grande estilo,

    Fernando em grande estilo, rs…

    Cria corvos… mas a Justiça já não era para ser cega? Fora que Moro está sempre de luto pelas sentenças que assassinam as leis, os outros juízes todos, a própria Justiça, rs…

    Tá interessante assistir o desmonte que os fatos providenciam da imagem que a publicidade tentou passar. Mas isso os publicitários já deviam saber: produto ruim pode até vender num primeiro momento mas o pessoal xinga em dobro depois: porque o produto era ruim e porque o pessoal foi enganado. Que sirva de lição: “nunca ninguém me engana, eu é que eventualmente me deixo enganar”, dizia o sábio.

    E com a carreira de juiz já praticamente jogada no lixo – da História, dos anais da Justiça etc. – vai ser difícil vender o Moro Candidato mas num rascunho inicial daria para chutar uma imagem similar à do Bolsonaro. Só que Bolsonaro não ganha zilhões de aposentadoria…

     

    Muito bom, caro Fernando, parabéns!

  8. Excelente texto, na jugular

    Excelente texto, na jugular de Moro, do STF, dos que foram cúmplices ou agentes diretos enfim, dessa degradação do Judiciário…..    O bom é a gente constatar que o patético filme “saiu na hora exata!” – com certeza quem bancou o filme e quem se envolveu no projeto imaginava que estaríamos no auge da popularidade da Lava Jato e de Moro….   Ocorre justamente o contrário: é o início da desmoralização de ambos! 

     

    • Não seria…

      …”a degradação do Judiciário” a sua podridão, só agora revelada…afinal, as togas sempre esconderam seus segredos.

  9. Lacrou !

    “A publicidade ativa, com duplo objetivo de criar um justiceiro aos olhos da anormalidade psicológica punitivista e de tornar os réus culpados antes dos processos, é característica de regimes de exceção.”

     

     

  10. Bastardos Inglórios
    Moro sentado assistindo o filme e dando risadas, me lembra a cena do filme Bastardos Inglórios em que Hitler se “delicia” com um filme tosco de propaganda nazista …

  11. Finalmente a ficha caiu, não é?

    O historiador que assina este artigo já cometeu diversos erros, sendo duramente criticado pelos leitores. Em uma série de textos diversionistas ele quis negar a articulação e o planejamento das ações golpistas, por parte do alto comando estadunidense. Ante as duras críticas quis tripudiar dos leitores, apelando para outros textos, de modo a convencê-los de que a tese dele, autor deste e dos textos criticados, era a correta. É claro que os leitores do GGN não foram nessa onda e continuaram a fazer críticas ainda mais duras ao autor, que por teimosia e vaidade insistia em não rever as bobagens que havia escrito.

    Neste Texto Fernando Horta dá a entender que a ficha caiu e que compreendeu ser a Fraude a Jato aquilo que eu e muitos outros afirmamos há três anos: uma ORCRIM institucional. FH não escreve isso de forma direta, mas o penúltimo parágrafo, se lido e interpretado corretamente, diz exatamente isso, porém de forma elegante. FH faz isso para se preservar de eventuais perseguições e processos judiciais, compreende-se. Mas ele vai na ferida ao afirmar e mostrar, ao logo de todo o artigo, que sérgio moro cometeu diversos crimes e se compraz ao vê-los retratados em filme cujo personagem símbolo é ele, sérgio moro, e cujos indícios de ter sido financiado pelo crime organizado são muitos.

  12. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome