Do fundo da noite que me cerca, por F. Ponce de León

E a falácia da polarização (e da terceira via) ainda está a ludibriar e a imobilizar muita gente

Ury Hochbahnhof

Enviado por Felipe A. P. L. Costa.

Do fundo da noite que me cerca.

Por F. Ponce de León, do blogue Poesia Contra a Guerra.

Do fundo da noite que me cerca,

Preta qual fosso de polo a polo.

William Ernest Henley (1849-1903).

1.

Nossa história política recente abriga um sem número de momentos vergonhosos. Cito aqui alguns exemplos.

Em 2003, as câmeras de TV flagraram o chilique e a falta de decoro por parte de um deputado federal do Rio de Janeiro diante da deputada gaúcha Maria do Rosário (PT/RS). (A ofensa e a chuva de perdigotos reapareceriam anos depois – ver aqui.) Jamais engoli o fato de o criminoso não ter sido prontamente cassado.

Em 19/3/2013, chamou a atenção o clima de velório estampado no rosto de William Bonner e colegas (Jornal Nacional, Rede Globo) ao noticiar a aprovação da chamada PEC das Domésticas (ver aqui). O que estava em questão era tão somente uma Proposta de Emenda à Constituição cujo propósito era cortar alguns dos derradeiros laços que ainda unem a vida dos trabalhadores domésticos (cozinheiras, faxineiras, babás e outros) ao regime escravocrata.

Em 17/4/2016, um domingo, outro deputado criminoso da bancada fluminense esteve à frente da sessão para votação do processo de afastamento da presidenta Dilma Rousseff (ver aqui). Muita gente sabia que tudo aquilo era um teatro, um mero jogo de cartas marcadas. (Foi seguramente um dos episódios mais degradantes de toda a nossa história política.) Várias emissoras de TV transmitiram a sessão ao vivo. Fiquei particularmente enojado ao perceber que a Globo estava a manipular toda aquela encenação como se estivesse a transmitir uma partida de futebol.

Em 2/8/2016, não precisei de mais do que uns poucos segundos diante da TV (Programa do Jô, Rede Globo) para perceber que o entrevistado daquela noite (ver aqui) era não só um sujeito mentalmente perturbado, mas também um procurador de justiça muito mal-intencionado.

2.

Estamos a menos de cinco meses das eleições gerais previstas para 2/10/2022 (para detalhes, ver aqui). E a falácia da polarização (e da terceira via) ainda está a ludibriar e a imobilizar muita gente. É lamentável, pois é um tremendo equívoco.

Considere o espectro político – o espectro direita vs. esquerda, mais especificamente. Para fins de ilustração, vamos admitir cinco posições: a direita (centro-direita e extrema direita), o centro e a esquerda (centro-esquerda e extrema esquerda).

Há extrema direita em nossa arena política, mas não há extrema esquerda. (As posições extremistas se caracterizam pela defesa ou pelo uso efetivo das forças do estado contra os seus opositores.)

Alguns partidos, a julgar pelas bandeiras que ostentam, podem ser apropriadamente rotulados de esquerda (e.g., PSOL e PC do B). Mas esse não é bem o caso do PT, partido cujo programa sofreu vários ajustes desde que foi fundado, em 1980 (ver aqui). (Dizer que o PT não é de fato um partido socialista é só um aviso aos navegantes bem-intencionados. Pois sempre haverá algum maníaco de direita a dizer que isso não vem ao caso, afinal os petistas sempre escondem os seus verdadeiros e sórdidos propósitos.)

Não tenho filiação partidária. Presumo, no entanto, que todo indivíduo que tenha tido alguma experiência como ativista político esteja ciente de que há um fosso entre as ruas e o noticiário. As notícias que vêm à tona constituem, na melhor das hipóteses, tão somente uma visão simplificada e parcial daquilo que de fato se passa no interior dos movimentos sociais ou dos partidos.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

3.

Veja o caso do PT. Para começar, trata-se de um partido enorme. É o maior partido brasileiro (em número de filiados) e um dos poucos, senão o único, a merecer o rótulo de orgânico. (Até o fim da década de 1990, por exemplo, cansei de ver militantes do PT indo para as ruas. Não se falava em remuneração. Ativismo era trabalho voluntário. Em tempos de eleição, o PMDB tinha de recorrer àquela turma que estava pendurada na folha de pagamento da prefeitura ou do governo do estado. Desprovido de militantes e apadrinhados, o PSDB recorria então ao faz-de-conta – i.e., o partido contratava dublês que se passavam por militantes.)

Voltando ao PT. Há muitas disputas internas. O que não é nenhum fim de mundo, afinal trata-se de uma confederação de tendências. Algumas delas são verdadeiramente de esquerda, mas outras são claramente de centro. Até onde eu enxergo (e eu sou míope e não enxergo muito), quem dá as cartas hoje é um grupo de centro.

O próprio Lula, é bom que se diga, é um sujeito de centro. Ele nunca foi de esquerda. Como ele próprio sempre fez questão de repetir e enfatizar. (Ainda me lembro de uma entrevista dada por ele à rádio Bandeirantes. Foi a primeira vez que eu o vi recusando o rótulo de socialista. O diálogo foi mais ou menos assim: “Você é socialista?”, perguntou o repórter, “Eu sou torneiro mecânico”, respondeu o entrevistado. Isso foi no verão de 1981.)

O fato é que o ex-presidente – reconhecidamente um dos maiores líderes políticos do mundo contemporâneo – fala e se comporta mais como um liberal do que como alguém de esquerda. Basta ouvir os discursos – dia sim, dia não lá está o pré-candidato a nos dizer que a classe trabalhadora almeja alcançar tão somente o reino do consumo.

Exagero? Pois então pense: No momento, qual é o maior desejo do ex-presidente? Ele mesmo tem dado a resposta: Combater a miséria e fazer com que todo brasileiro volte a ter acesso a três refeições ao dia. Corretíssimo. Mas isto está longe de ser uma pauta de esquerda. (Lembre-se: Até os senhores de engenho davam de comer aos escravizados. Assim como as donas de casa de hoje permitem que as empregadas tomem café, almocem e jantem, às vezes até sentadas à mesa, ao lado delas.)

4.

Mas não há como negar: Ainda há quem ache que dar de comer a quem tem fome é uma pauta de esquerda.

Talvez seja… Sobretudo se você estiver cercado por gente alienada e mal-intencionada. Gente que também acha que a crise na Ucrânia é uma luta do bem contra o mal. Gente que acha que os Estados Unidos estão preocupados com a democracia. Gente que acha que a Rússia é um país socialista. Gente que acha que o Sol e a Lua são do mesmo tamanho. Gente que acha que a Terra é oca. Enfim, gente que acha que a roda é quadrada.

Todos esses achismos são falsos. Grosseiramente falsos. Por quê? Simplesmente porque não condizem com a realidade. O xis da questão é este: Discernir entre falso e verdadeiro não é uma questão de opinião, de achismo.

O mais incrível, porém, é perceber que parte dessa gente equivocada está todos os dias no noticiário. Tanto na TV como no celular. É gente que não se contenta em mostrar o rostinho. Eles estão ali a ler as notícias ou, o que é pior, a fazer comentários destrambelhados a respeito de coisas que não entendem.

Pois é… Os jornalistas brasileiros não são apenas tendenciosos. São também despreparados. (O problema, claro, não se restringe ao jornalismo.) Ora, uma imprensa feita por gente despreparada ou mal-intencionada só prospera quando o público é infantil ou se nega a pensar e a refletir sobre o mundo. E isso é tudo ou quase tudo o que temos por aqui – despreparados falando para preguiçosos.

5.

A vida em sociedade não é regida pelos afetos ou pela moralidade. O que rege a sociedade é a economia – i.e., as relações econômicas estão na base da nossa vida social. (As sociedades primitivas – tanto as de outrora como as de hoje – são regidas pela ecologia, a prima mais nova da economia.) Este talvez tenha sido o grande achado dos inventores da moderna teoria econômica (Adam Smith, Karl Marx etc.).

A economia é traduzida e chega até nós por meio da economia política. Neste sentido, cabem aqui duas distinções. A primeira: a distinção entre sociedade (todos nós) e mercados (quem tem poder de compra para adquirir determinados bens). A esquerda costuma se preocupar com o conjunto da sociedade, enquanto a direita costuma se preocupar tão somente com os mercados.

A segunda distinção envolve a motivação. Os grupos de direita em geral são movidos por interesses materiais, enquanto os grupos de esquerda são movidos por princípios (éticos ou morais).

Ocorre que os princípios são por demais abstratos. E mais: alguns princípios contrariam o senso comum ou mesmo a natureza humana. A noção de justiça, por exemplo.

Considere a ideia de que todos os indivíduos que integram uma dada geração (e não apenas os meus parentes e amigos) devem ter acesso às mesmas oportunidades durante suas vidas. Um exemplo concreto seria a questão da tributação de heranças. Quem herda uma fortuna, apenas e tão somente por ser filho de pais muito ricos, deveria reconhecer a necessidade de que tudo aquilo precisa ser taxado. Caso contrário, penso eu, estaria a se comportar como um corredor de 100 m rasos que quer ganhar a corrida partindo não da largada, mas da marca de 90 m. É uma clara desigualdade, a ponto de tornar a corrida uma fraude. E nós não deveríamos tolerar as fraudes.

* * *

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ciro Moroni Barroso

- 2022-05-16 12:16:27

Para uma proposta de rascunho de um programa político nacional (com ajuda do Stanislaw P.P.) : https://governo-washington.blogspot.com/2022/01/48-brazil-do-stanislaw.html

- 2022-05-16 11:55:38

Para uma proposta de rascunho de um programa político nacional (com ajuda do Stanislaw P.P.) : https://governo-washington.blogspot.com/2022/01/48-brazil-do-stanislaw.html

Ciro Moroni Barroso

- 2022-05-16 11:43:19

Excelente, o articulista consegue sintetizar aqui todo o "espectro" político, de modo que se possa ter a base filosófica, moral, histórica, que nos permita resolver a "Questão do Programa", que o P.T. ainda não definiu para o Gov Inácio: E, assim como em janeiro de 2003, parece que o programa político da governança nacional, só será feito depois da posse...

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador